Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

quinta-feira, 12 de março de 2009

Viva o Aeroporto 2 de Julho!





Finalmente a gente vê alguma movimentação para tentar corrigir um dos piores atos que envergonham os baianos conscientes dos valores da sua história: a mudança do nome do aeroporto internacional de Salvador. O Ministério Público Federal na Bahia encaminhou para a Procuradoria Geral da República um pedido para restabelecer o nome original, Aeroporto 2 de Julho.


Se os políticos não tomam providências para consertar a besteira que fizeram (alguns até se elegeram e reelegeram prometendo defender essa bandeira), aprovando ou deixando aprovar a mudança do nome de 2 de Julho, em homenagem à guerra pela independência da Bahia, para homenagear o filho político do ex-coronel, esperamos que a Justiça corrija o erro grave.


O aeroporto teve o nome modificado por força da lei 9.661, de 16 de junho de 1998 substituiu a anterior, de 1955. A Procuradoria já pediu providências junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), com o objetivo de proteger a data do 2 de Julho como patrimônio cultural imaterial estadual e nacional.




3 comentários:

Zéu Matos disse...

Grande "BANDEIRA", Joaninha! Esta insatisfação do povo baiano foi imediata à mudança dos nomes: "Aeroporto 2 de Julho" para "Aeroporto Deputado Luiz Eduardo Magalhães". As manifestações tomaram os quatro cantos da Bahia, mas foram desrespeitadas pelos subordinados ao senador e ex-governador ACM, que após a morte do filho apresentou sintomas de síndrome "Ego do Super-Pai" (quase deus).

E, ponha muitos "quase” neste momento da História da Bahia. "Quase" transforma todo um Estado da Federação numa "Capitania Hereditária de Homenagens", ou mesmo, nestes tempos mais modernos da especulação imobiliária: "Loteamento Bahia Homenageia Luiz Eduardo Magalhães".

Desde então, o nome do deputado se espalhou de forma assustadora, sendo prestigiado com direito à monumento na Avenida Luiz Viana Filho (Av. Paralela), e, denominações de outras avenidas de Salvador, além de escolas públicas da capital e interior. Vale ressaltar, o distrito Mimoso do Oeste, pertencente à Barreiras, foi emancipado sendo rebatizado como município Deputado Luiz Eduardo Magalhães.

A decisão do Ministério Público Federal da Bahia de encaminhar à Procuradoria Geral da República o pedido de providências junto ao STF (Supremo Tribunal Federal) para restabelecer o nome original, faz ressoar o apelo popular de respeito a memória aos marcos históricos, neste caso específico, reconhecido como patrimônio cultural imaterial estadual e nacional: a vitória pela Independência da Bahia, datada de 1823.

“Quase” 11 anos depois da mudança do nome do nosso aeroporto, o movimento sempre crescente aponta para mais uma vitória do povo baiano. Será anunciado nas aeronaves, chegando a Salvador, o antigo e saudoso: “Senhores passageiros, dentro de instantes estaremos desembarcando no Aeroporto Dois de Julho”.

araken disse...

Gostaria de aproveitar este espaço que me é permitido para divulgar a estreia de Borega e o Grupo Matita Perê no TCA, próximo dia 26 às 21h. Um kit de higiene (sabonete, xampu e cremne dental) pode ser trocado por um ingresso, nas secretarias do CAB, AL, Voluntárias e no próprio TCA, apartir de segunda-feira. Boregueira e sua troupe abrem o show de Jussara Silveira, Entre o Amor e o Mar, direção de Fernando Marinho sob patrocínio do gov na Semana da Água.

Anônimo disse...

Jogou duro, comadre! Essa campanha parecia que ia deslanchar, depois esfriou e agora parece que, finalmente, o 2 de julho voltará ao lugar de onde nunca deveria ter saído: do nome do nosso aeroporto. pena que para isso tenha sido necessária a intervenção do Judiciário, por falta de coragem dos nossos políticos. Pelo menos o sistema viário 2 de julho já está lá, a lembrar a todo instante que o aeroporto também é 2 de julho. Bela lembrança, Joaninha.
Mônica Bichara

Arquivo do blog