Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Coleguinhas cornos

Imagem da página da Ascron

Reproduzimos aqui a pérola publicada na página http://www.comunique-se.com.br/


"Jornalistas compõem diretoria de associação de homens traídos

Pode não ser a maior conquista que a classe de jornalistas obteve até hoje, mas é seguramente uma das mais extravagantes: a maior parte da diretoria da Associação dos Cornos de Rondônia (Ascron) é formada por coleguinhas. A categoria participou efetivamente de sua fundação, há quase 25 anos, e há jornalistas com cargos vitalícios entre os diretores.


A Ascron dá suporte a maridos traídos. O que mais intriga é a ligação histórica entre redações e a associação. Desde a fundação, jornalistas ocupam cargos relevantes na entidade.
A pergunta é indigesta e inevitável: jornalista tem maior chance de ser traído?

Afinal, existem pescoções, plantões, viagens. "O jornalista acaba esquecendo a mulher em casa. Alguém tem que dar carinho a ela”. A provocação parte de Pedro Soares, presidente da entidade, que hoje conta com mais de 8 mil associados.

Brincadeiras à parte, o fato é que jornalismo não tem relação com o popular chifre. O que deu origem à Ascron foi, sim, o senso de humor dos jornalistas. A entidade surgiu na mesa de um bar. "Apesar de ter começado como uma brincadeira, a associação ganhou proporção muito grande", conta o jornalista Marcelo Reis, diretor da Ascron e hoje vereador em Porto Velho.

Soares tinha um bar próximo às redações do Estadão do Norte e da Rádio Eldorado do Brasil. Era o ponto de encontro após o expediente e foi ali que tudo começou. Em dezembro de 1982, ele andava cabisbaixo e um dia resolveu desabafar: havia sido traído. Surgiu, então, a ideia de criar uma associação para que homens como ele pudessem desabafar e admitir a derrota no relacionamento. Os frequentadores do antigo bar de Pedro Soares, quase todos jornalistas, foram se associando pouco a pouco. "Quem chegava para trabalhar em Porto Velho acabava sendo introduzido à cultura do corno também", acrescenta Silvio Macedo dos Santos, cronista que assina como Zé Katraca.

Vantagens - Os benefícios para o associados são muitos. O mais peculiar é o serviço de cabeleireiro especializado em polimento no chifre. Porém, para ser sócio, não é preciso ser corneado. O presidente do Sindicato dos Jornalistas de Rondônia, por exemplo, não escapou da brincadeira. Casado há 23 anos com a mesma mulher, não há nenhum indício de adultério no casamento de Marcos Grutzmacher. Pos isso, nunca procurou a Ascron. "Mas eles colocam muita gente como sócio simpatizante", diverte-se Grutzmacher.

João Carlos, radialista conhecido como JC, aproveitou a onda e criou o programa "Hora do Boi", que vai ao ar todos os dias na Rádio Transamazônica. Entre uma música brega e outra, ouvintes traídos recebem ao vivo conselhos de JC e Pedro Soares. São ouvintes de todas as classes sociais e opções sexuais. Afinal, a entidade acompanhou as mudanças na sociedade. Hoje, homossexuais são aceitos e representam fatia cada vez maior entre os associados. Mulheres também podem se associar.

Caso você queira conhecer a Ascron, visite o site da entidade - com os votos de que seja por curiosidade e não por necessidade".

IMPORTANTE:
A preciosidade foi enviada por Carmela Talento, minha amigona, vizinha de bairro, colega de profissão (quer mais?) e dona do blog mais procurado e comentado do Rio Vermelho (http://blogdoriovermelho.blogspot.com/).

MAIS CORNOS:

O colega Jadson Oliveira, que agora deu para perambular pelo Brasil afora (sem lenço, sem documento e sem patrão) à procurar coisas interessantes, esteve recentemente em Manaus, onde encontrou um bar bem interessante. Confira em Bar dos Cornos

4 comentários:

Jadson disse...

A cultura do pessoal do Norte parece ter uma ligação forte com essa coisa de corno. Quando estive em Manaus, notei isso. Ouvem-se mais piadas e gozações sobre corno do que, por exemplo, sobre bicha, homossexual. Cheguei a comentar isso em texto escrito quando estava em Manaus, não me lembro o assunto tratado. E há o artigo referido por Joaninha, meu bar predileto em Manaus, Choparia São Marcos. Depois de frequentá-lo por algum tempo, descobri que é ou era conhecido como Bar dos Cornos. Pena eu ter perdido as fotos que tirei do quadro na parede, com matéria de jornal de página inteira, inclusive com uma fotona da fundadora.

Arapinga disse...

O brasileiro, por opção individual de vida, é um gozador, principalmente no Nordeste. Isto melhora o dia a dia de quem não pode pagar um analista. Desta forma brinca com a condição do próximo e muitas vezes com a sua própria. Há o bar do corno, o bloco, a associação, várias instituições reconhecidas na sociedade. O restaurante do Moreira bastante frequentado por Nestor, que está morando em Angola, tem um espelho com um chifre na entrada. Vocês podem ir lá conferir.

Mônica disse...

Bem lembrado, Araka. Como frequentador assíduo do Moreira vc não poderia esquecer deste detalhe.

Arapinga disse...

Mônica, como diria ACM, tenho um dossié seu aqui. Não se abra não!

Arquivo do blog