Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Las rabonas (uma vergonha!)



Jadson Oliveira

De Assunção (Paraguai) – O título aí é somente porque soa de maneira sugestiva no português, propaganda enganosa. Na verdade, “rabonas” ou “raboneros” (são termos populares, gíria daqui, não encontrei no dicionário) são pessoas que faltam ao trabalho, no caso específico que vou tratar, deputados que faltam às sessões. Coisa bastante corriqueira, no Brasil também. Mas, de quando em vez, a imprensa “descobre” o assunto e tome manchete pegando no pé dos parlamentares (no fundo, no fundo, acho uma tremenda palhaçada, há coisas muito mais importantes a tratar, mas vamos em frente).

Aqui está havendo essa temporada de caça aos “rabonas”. O presidente da Câmara dos Deputados, Salyn Buzarquis, certamente para fazer média com a imprensa, apresentou um projeto de resolução para multar os faltosos. Pareceria até coisa séria. Mas na hora de votar o projeto, quem disse? É aquela burocracia, aquela enrolação... Simplesmente não votam.

Na sexta-feira, dia 2, o La Nación, um dos três jornais mais importantes do país (os outros são ABC Color e Última Hora), sapecou uma manchetona de primeira página, duas linhas, de fora a fora: “Diputados congela plan de multar las rabonas” (Deputados congela – assim no singular – plano de multar os faltosos). Viram onde está a vergonha? Na minha experiência como jornalista, acho que nunca vi um erro tão primário, tão escancarado, assim numa manchete de primeira página.

Claro que chequei direitinho, afinal é uma língua estrangeira, um país estrangeiro, pode haver alguma peculiaridade que a gente desconhece. Mas não há dúvida, está errado. Consultei quatro pessoas, todas confirmaram o erro. Comparei com outros títulos. O mesmo La Nación deu na manchete interna: “Diputados derivaron (encaminharam) a comissão o projeto para sancionar (punir) a raboneros”. E o Última Hora deu manchete de primeira página com o mesmo assunto: “Diputados raboneros logran (logram, conseguem) total impunidad”.

Nosso mancheteiro de La Nación deve ter tido uma sexta-feira de cão.

5 comentários:

Bina disse...

Seo Jadson. Então é lá como aqu.? Sem trocadalho por favor. Masmando o recadinho para você lembrar mais do Pedrão Matos que tinha a garagem sempre cheia de veículos, veículos...Lembra dessa, digamos, composição? Sugiro algo com aquele EICELEEEENTE (era a pronúncia para um prosaíco excelente na hora de fechar o DO, especialmente quanto queria ir para Iguaí ver o véio Isaias, Lila e a filharada.

Jadson disse...

Anotadas suas pautas, "chefe", nosso querido Pedão é realmente um prato cheio. Mas bem que vc poderia dar uma de pilheiro também, a "dona" do blog iria adorar.

Joana D'Arck disse...

Viu aí Bina? Não é por falta de convite. Entre nessa pilha que você vai gostar. E a gente muito mais.
Bené Simões me contou outro dia que nos acompanha sempre e elogiou o blog por fazer algo diferente, por registrar histórias do nosso cotidiano e do jornalismo de forma bem humorada. Não é um bom estímulo?

Mônica Bichara disse...

Aí, Bina, tá contratado. Passe na tesouraria pra combinar o salário. Só espero que não seja tão milionário quanto o meu (mas reconheço que não tô merecendo nem um tostão furado. Né Ana Carolina?). bjs

Ana Carolina disse...

Com certeza, Tontonta. Tu anda muito ausente e só aparece nos comentários e olhe lá. Não merece nem um centavo!

Arquivo do blog