Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

sábado, 27 de fevereiro de 2010

E tem jeito?

Coisa mais chata é ficar ouvindo pagode e a banda Chiclete com Banana o tempo todo na praia, porque as barracas querem agradar a maioria, coisa  comum em Salvador e na vizinhança.

E foi assim que após uma manhã inteira numa barraca em Ipitanga, acompanhada dos compadres Dedéo e Mônica  e de uma cerveja geladinha, eu já não aguentava mais ouvir "o careca que finge que tem tranças"
(como diz o publicitário que não consegue esconder a plumagem tucana e burguesa)  e questionei o garçon: Aqui só tem Chiclete?"

-"Não, a gente também tem pirulitos, balas, pé-de-moleque..."

Desisti. Pelo menos a gente soltou uma boa gargalhada.

Mal  acostumado com o som de Bel e cia, o casal só quer mesmo é encher a caixa (e a cara)  

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Canções que o amor me rendeu


Rita Tavares no teatro do Sesi

Data: 2 de março de 2010
Horário:  de 20:00 a 21:15
Local: Teatro do Sesi - Rio Vermelho

Canções que o amor me rendeu é o título do novo show da compositora e cantora baiana, Rita Tavares, que estréia no dia 2 de março, às 20 horas, no teatro do SESI, Rio Vermelho.

Trata-se de um trabalho autoral, no qual Rita mostra, em forma de canção, várias faces e etapas de relacionamentos sentimentais que vivenciou. Ritmos diversos são explorados nesse show como o samba, a valsa, o ijexá e o reggae, em músicas que falam de amor, do homem ideal, do medo de voltar a apaixonar-se, da solidão opcional, dos reencontros, entre outros acontecimentos próprios de todas as relações. Tudo, dentro de um ponto de vista especialmente feminino e com certa dose de humor.

Segundo a compositora, o repertório é praticamente inédito, exceto pelas canções que estão no seu CD Arrebenta e que têm a ver com a temática. “É um desafio desfiar um repertório com composições autorais e desconhecidas. Mas é o recado que eu tenho a dar, a partir de situações que vivi e que, de maneira quase terapêutica, foram transformadas em mensagens musicais”, afirma a artista.


Na banda de Rita - que se acompanha ao violão -, os excelentes músicos Asa Branca (violão), Ivan Bastos (contrabaixo) e Márcio Diniz (bateria). Como participação especial contará com Borega e Luciano Aguiar, ambos do grupo Matita Perê e com o guitarrista Renato Rivas.

Baiana, de Santana, uma cidade do oeste, Rita compagina suas profissões de jornalista e música. Morou 15 anos na Espanha, onde se dedicou exclusivamente à música. Em Barcelona, Tenerife, Madri onde morou, tocou em teatros e espaços culturais, como no Cova del Drac, London Bar, El Búho, Galileu Galilei, Café Berlim, Teatro Laboral, El Paraninfo e Vieira y Clavijo, entre tantos outros. Em 2002, depois de apresentar o CD Arrebenta, fez uma tournée por várias províncias espanholas, quando selecionada pelo projeto “Artistas em Ruta”.

Em 2005, retorna definitivamente ao Brasil, e, desde então, vem divulgando o trabalho que construiu durante esse tempo na Europa. Lançou Arrebenta, em 2008, no teatro do SESI. Apresentou-se também no teatro Gamboa Nova, em temporada de casa cheia no ano passado, e participou de diversas apresentações do grupo Matita Perê.

Em Brasília, a compositora foi selecionada pelo projeto Bibliomúsica, da Biblioteca Demonstrativa, e sempre atua no Feitiço Mineiro, espaço onde se apresentam artistas conceituados de todo o país.

Atualmente, Rita Tavares está em processo de escolha das canções que comporão o seu próximo disco.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Outro escândalo de Brasília


Nem só de escândalos de corrupção e renúncias de governadores vive Brasília. Olha só que escândalo esse modelito aí de noiva.



A moçoila é nada menos do que a noivinha do secretário de Educação de Brasília, do governo Arruda, José Luiz Vieira Valente, acusado de ter recebido propinas e alvo de comentários nas badaladas rodas de Brasília. No extravagante casamento do cara, há semanas atrás, as alianças foram levadas a bordo de um helicóptero. É  muito dinheiro fácil!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Viva a Palhaçada!

Se as telinhas ainda apresentam o Carnaval, o Pp também não fica atrás e exibe agora fotos inéditas e exclusivas da palhaçada mais divertida da quinta-feira de Carnaval, que se juntou ao bloco dos “Mascarados”.



São foliões do Rio Vermelho (a maior parte da confraria do Bar de Bahia) que há alguns anos saíam fantasiados de palhaços. A concentração, era na casa de Lúcia Fátima, onde Ruy Santana pintava os foliões e daí seguiam para a avenida, encantando adultos e crianças. O tempo passou e os palhaços sumiram.


Neste ano, ainda com muito gás (na maioria dos casos) os palhaços retornaram e ocuparam um espaço no circuito Barra-Ondina, onde curtiram o bloco dos "Mascarados" com muita alegria, descontração e camaradagem.

A farra começou de novo na porta de Lúcia Fátima, regada à cerveja, uísque, sarapatel e xinxim de bofe. E o mais divertido foi a produção da galera, especialmente na hora da maquiagem (veja na primeira foto que espetáculo essa maquiagem de Ruy, que parece uma máscara).






domingo, 21 de fevereiro de 2010

"Beber, Jogar, F@#er" e outros


Depois de ler  o denso e vigoroso livro "Travessuras da Menina Má", de Mario Vargas Llosa, e o engraçadíssimo e misterioso "Os Espiões", de Luís Fernando Veríssimo, procurei algo na linha bem humorada e acabei levando para casa o livro "Beber, Jogar, F@#er", de Andrew Gottlieb. Mesmo receosa de me decepcionar pela falta de originalidade da publicação, já que havia lido "Comer, Rezar, Amar”, de Elizabeth Gilbert, que comentei  aqui no Pp.

Fui logo atraída pela sinopse do livro: “Em Beber, Jogar, F@#er, Bob Sullivan, traído e abandonado por sua mulher, parte em uma jornada em busca da felicidade - e da liberdade. Desiludido, Sullivan nos convida a acompanhá-lo em farras homéricas e algumas confusões com que todo homem sempre sonhou: encher a cara na Irlanda, apostar até as calças em Las Vegas, e dar asas a seus desejos proibidos na Tailândia. A única regra é não ter regras”.

Tá bom, me diverti com algumas histórias do cara, principalmente nas trapalhadas na Irlanda, onde só andava bebum. Veja isso:

“Então vem o momento no qual eu e Giovanna percebemos que isso está funcionando perfeitamente e nos beijarmos provavelmente não seja uma idéia tão ruim assim. Percebemos isso exatamente na mesma hora- podemos ver isso nos olhos vidrados, um do outro, olhos que rapidamente iam perdendo a habilidade de manter o foco. Infelizmente, nós nos movemos exatamente no mesmo momento. E foi aí que eu, acidentalmente, dei uma cabeçada nela e quebrei o seu nariz”.


Em Las Vegas não vi tanta  graça, e na Tailândia, a minha expectativa era outra, menos convencional, mais curiosa. O cara se mete em trapalhadas de novo, vive algumas aventuras, mas acaba se revelando um romântico, bem ao gosto dos folhetins tradicionais. Algumas amigas diriam: “um fofo”.


Outros comentários
Blog pedindopassagem


Veja: entre os mais vendidos.



Referências:
 
BEBER, JOGAR, F@#ER


Editora: Planeta do Brasil

Autor: ANDREW GOTTLIEB

Ano: 2009

Número de páginas: 287



COMER, REZAR, AMAR

Editora: Objetiva

Autor: ELIZABETH GILBERT
Ano: 2008
Número de páginas: 342

Sinopse:
"Quando completou 30 anos, Elizabeth Gilbert tinha tudo que uma mulher americana moderna, bem-educada e ambiciosa deveria querer um marido, uma casa de campo, uma carreira de sucesso. Mas não se sentia feliz: acabou pedindo divórcio e caindo em depressão. "Comer, Rezar, Amar" é o relato da autora sobre o ano que passou viajando ao redor do mundo em busca de sua recuperação pessoal. O livro ganhará uma versão para o cinema em 2008, com Julia Roberts no papel principal".



Travessuras da Menina Má

Autor: Llosa, Mario Vargas

Editora: Alfaguara / Objetiva

Categoria: Literatura Estrangeira / Romance

Sinopse:
"Ao mesmo tempo em que conta a história de um amor arrebatador, "Travessuras da Menina Má" traça um quadro vigoroso das transformações sociais européias e das convulsões políticas da América Latina".




Os Espiões


Autor: Verissimo, Luis Fernando

Editora: Objetiva

Categoria: Literatura Nacional / Romance

Sinopse:
"Luis Fernando Verissimo, um dos maiores escritores do país e mestre da literatura de humor, constrói, neste livro, uma alegoria híbrida de mitologia, humor e mistério. Ainda se curando da ressaca do final de semana, na manhã de uma terça-feira, o funcionário de uma pequena editora recebe um envelope branco, endereçado com letras de mãos trêmulas".



OUTRA DICA DO BLOG:

Hilário e de alto nível é o livro "A Mulher que Escreveu a Bíblia", de Moacyr Scliar, que comentei aqui, mas vale a pena relembrar.

NOVAS SUGESTÕES

Meu gosto é variado mesmo. Leio de tudo. Já estou com um livro engatilhado sobre a cabeceira da cama, agora na linha policial: "A Execução de Sherlock Holmes", de Donald Thomas.

Gostaria de receber novas dicas . Faça as suas. Comente.

À Léa, com carinho

Pedindo licença para homenagear ( tá bom Araka, isso aqui não é Orkut, nem coluna social, mas o fato envolve gente nossa) a pilheira sargenta, Léa, que festejou os 50 anos em alto estilo, em pleno domingo de Carnaval, num barraca de praia em Ipitanga.



Apesar da distância dos circuitos carnavalescos de Salvador, Léa foi surpreendida pelos amigos e parentes mais próximos com uma festa temática no clima de Momo, com decoração e adereços típicos havaianos.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Loura folgada

A gente vê de tudo nas praias, mas a loura aí, que não vou dizer quem é, exagerou. Alugou a piscininha plástica, que geralmente serve para socorrer pais desprevenidos com crianças danadas, para ficar no bem bom tomando cerveja. 

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Quer o Reboleition ou o Lobo Mau?

Ano passado, quando sequer botei o pé fora de casa no Carnaval, foi a maldita Dalila quem me pegou de jeito, provocando arrepios, dores no corpo e na cabeça... um horror! Agora lá vem o Reboleition para arrebentar (nem sei como estou conseguindo postar isso). Vou ter que rebolar muito para  conseguir fazer o que for preciso (inclusive coisas de casa, porque a empregada está de férias) e ainda cuidar da pilhinha que nem aguentou ir para a escola.

Fazer o quê. São as sobras chatas da festa de Momo, que ficam para quem cai ou não na folia . Ano passado Arapinga recomendou bebedeira para aguentar o tranco, argumentando que  Zé Sinva e ele não caem nessa porque bebem. Esse ano eu também caí na farra, mas não adiantou.

VOU TE COMER, VOU TE COMER...

Por falar nisso, tá rolando também uma conjuntivite ( deve ser o Lobo Mau). Tanto que um deputado desfilou ontem no plenário da Assembléia Legislativa com óculos escuros e uma daquelas gravatas engraçadas que só ele tem. Pior é que ele coçava o olho e apertava a mão da galera ( deps, secretários e dirigentes de órgãos públicos, a presidente do Tribunal de Justiça, o prefeito JH, etc) que cumprimentava antes e depois da leitura da mensagem do gov.  cabelo de Q'Bôa (esse também recebeu os cumprimentos do aliado) hehehehe.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Barrado no Baile

Joaninha, ZéSinva e Nana,
Que bom q vcs deram um tempo desse circuito momesco cá para as bandas da cidade. Foi muita coisa rolando, meus amigos e minhas amigas. Para começar, fui barrado no Baile do Sindicato, aquele, do Hotel da Bahia, ao qual nunca fui e Deus há de ajudar de euzinho não pisar pés por lá. Pois é...O sindicate anunciou o Baile, onde só podiam ter acesso jornalistas (ainda existe isso?) em dia com a instituição. Aí, em nossa lista (cada vez menos nossa) postei uma pergunta: 'E quem não estiver em dia, como faz?" . Depois de dois dias Moacy veio cheio de lero, emfim: fato para o blog: Araken foi visto desde cedo no espaço. Prova que aquele flagrante que ele tomou com João PlimPlim, Nani e Lago Jr já prenunciava seu pezinho no partido dos cururus. Alvaro Figueiredo queria ir, tb.
Sim, mas teve mais esculhambação no período. Vcs viram as transmissões de tevê ? Nooosssa. Na Band, apareceu uma negra linda dizendo que o povo da Bahia era trabalhador; para 'não perder o pique', a âncora da emissora tascou: pois é...vejam só, aí está uma prova de que os bahianos trabalham, mesmo, até no Carnaval', referindo-se a um grupo de garis que limpava a passarela do Campo Grande.
Logo depois, foi a vez da menina da TVE. Ao tentar articular, junto a Wilson Café (que fala mais que toca) e Jorge Portugal, uma discussão sobre a diversidade da música baiana, surge na tela, e em cima de um trio, em plena avenida, a banda de rock Retrofoguetes, que vem sendo apontada como uma das melhores do genero. E tome-lhe de a menina fazer pergunta aos dois convidados, e tome-lhe de a banda tocar e nada de ninguém orientar a perdida garota sobre o exemplo na própria tela.
E a"Emissora Oficial do Carnaval", a Aratu ? Gente, o que é aquilo ? Primeiro que a tal oficialidade, mesmo, não existiu. Até pq, era só ficar ligado mais um pouco na emissora para pérceber que o Carná estava relegado a 3º plano - tinha até discurso de deputado. Sim, mas, pior, para o telespectador, é claro, foi ver o outrora grande Zé Bim do futebol ficar batendo boca com outro repórter, o tempo inteiro. E tome-lhe baixaria. E nada de Carnaval.
Eu ? Fui um dia só, no Camarote do Araketu, onde mulheres belísimas deram o ar da sua graça e, ao lado da minha Soraya, dançamos atrás do trio de Moraes (muito sério, para meu gosto), que me fez voltar ao passado não muito distante, quando curtíamos a festa alí, no sopé da Montanha, na paz das barraquinhas. E quando passava um trio, era só se chegar mais pra cima e dançar a dança, balançando o chão da praça. Até o próximo, com fé em Deus.
artur carmel

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Fim de festa

 Acabôôôôôô! Estamos todos de volta para casa, após um descanso das farras de Canaval em Salvador, na casa de praia da  pilheira mais bem paga do blog, em Ipitanga. A foto registra outro momento nosso, deixando a residência  depois de uma semana de sol, cerveja,  frescobol,  baralho e dominó nessas férias. Ela fez questão de registrar para acreditar que estávamos saindo mesmo (rsrs).

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Exclusiva para o Pp


Flashs do Carnaval

O trio mais animado que passou no sábado, na Avenida Sete de Setembro (circuito Dodô e Osmar), do final da tarde até as 22h.





Sábado  pela manhã em Ondina  e a feijoada de Iracema (Campo Grande): 1-  Crianças aproveitam a festa; 2- Eu e Mônica com  amigos "Muquiranas"; 3-  Com João, Rita e Guga; 4-Tuca miseravão;5-Com Léo (filho de Jaciara); 6- Ana Alakja e Isabel; 7-Guga;8- com Dedéo e Mônica; Dedéo e Iracema; 9-Tuca; 10- comadre e afilhada; 11- Dedéo soltando a franga com um "Muquirana"; 12-Pilhinhas
Mudança do Garcia, na segunda-feira: 1- Jegue resiste e continua nas ruas; 2- Protesto contra a corrupção;3 Olha o pircing da negona!;4- o tom das eleições 2010; 5-Bin Laden encontra o irmão em pleno Carnaval; 6-Artigo não marca bobeira e cai na folia

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Só no enroleition e no reboleition

Tem gente reclamando que o Pp está fraco. Pedimos desculpas e a compreensão para a irregularidade (“enroleition”) das postagens nesse período de férias e festas. Felizmente o nosso blog não trata de notícias diárias, pois postamos textos, fotos, vídeos e charges com conteúdos extemporâneos e diferentes dos blogs comerciais. Além disso, os nossos colaboradores pilheiros são – em sua maioria- bons de farra, de sombra e uma boa gelada, (já deu para notar, né?) e estão todos fazendo corpo mole, inclusive euzinha aqui, que ando com uma preguiça monstruosa até de blogar, coisa que para mim é quase um vício. Até a nossa pilhinha (Ana Carolina), que não bebe nem nada, anda preguiçosa para postar e só quer brincar (tá certa também, diria o saudoso Irepinga).


Mesmo com essa leseira geral, o blog tem surpreendido com novos colaboradores que já botaram a cara e nos deixaram na maior expectativa (viu Jaciara? viu Alvinho?).


Portanto, com todas essas peculiaridades, o Pilha não fará cobertura do Carnaval (e nem é esse o nosso propósito, porque tem muitos blogs lucrativos e bem equipados para fazer isso), mas poderemos surpreender com postagens bem legais.


Após o Carnaval voltaremos ao normal (espero). O Pilha, que completará um ano em março, trará novidades. Aguardem. Bom ‘reboleition ".  Aproveitando o clima, vale a pena ver ( e até  aprender)  o tal Parangolé Reboleition.

Cuidado para não se apaixonar

Da Sapucaí para Ondina

Entrando no clima de Carnaval, visitamos a Sapucaí, no Rio de Janeiro. Olha só a animação de Zé Sinva no Sambódramo.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

O Chacal e Bin Laden

Flagrante clicado por Manoel Porto

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Beyoncé: anticoncepcional ou purgante?

Na roda de conversa e cachaça de pescadores de Siribinha, povoado do município de Conde, no último sábado, no "bar de Jai", ou Bar Litoral, Beyoncé, a estrela pop americana que faz turnê no Brasil  também foi assunto para discussão. Enquanto viam tevê e conversavam, comentaram sobre uma chamada de programa para a vinda da pop star.

- Ôxe! Pensei que "Bioncê"  fosse um remédio anticoncepcional novo e Ivete Sangalo tivesse fazendo propaganda.

- Eu eu também pensava que era nome de purgante, disse outro.

Na mesa ao lado, não contive a gargalhada.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Demorou... mas saiu: as pérolas do ENEM 2009.

O tema da redação do Enem 2009 foi Aquecimento Global, e como acontece todo ano, não faltaram preciosidades. Léa me enviou e-mail com essas pérolas. 

Lá vão:



1) "o problema da amazônia tem uma percussão mundial. Várias Ongs já se estalaram na floresta." (percussão e estalos. Vai ficar animado o negócio)



2) "A amazônia é explorada de forma piedosa." (boa)



3) "Vamos nos unir juntos de mãos dadas para salvar planeta." (tamo junto nessa, companheiro. Mais juntos, impossível)

4) "A floresta tá ali paradinha no lugar dela e vem o homem e créu." (e na velocidade 5!)



5) "Tem que destruir os destruidores por que o destruimento salva a floresta." (pra deixar bem claro o tamanho da destruição)



6) "O grande excesso de desmatamento exagerado é a causa da devastação." (pleonasmo é a lei)



7) "Espero que o desmatamento seja instinto." (selvagem)



8) "A floresta está cheia de animais já extintos. Tem que parar de desmatar para que os animais que estão extintos possam se reproduzirem e aumentarem seu número respirando um ar mais limpo." (o verdadeiro milagre da vida)



9) "A emoção de poluentes atmosféricos aquece a floresta." (também fiquei emocionado com essa)



10) "Tem empresas que contribui para a realização de árvores renováveis." (todo mundo na vida tem que ter um filho, escrever um livro, e realizar uma árvore renovável)



11) "Animais ficam sem comida e sem dormida por causa das

queimadas." (esqueceu que também ficam sem o home theater e os dvd's da coleção do Chaves)



12) "Precisamos de oxigênio para nossa vida eterna." (amém)



13) "Os desmatadores cortam árvores naturais da natureza." (e as renováveis?)



14) "A principal vítima do desmatamento é a vida ecológica." (deve ser culpa da morte ecológica)





15) "A amazônia tem valor ambiental ilastimável." (ignorem, por favor)




16) "Explorar sem atingir árvores sedentárias." (peguem só as que estiverem fazendo caminhadas e flexões)




17) "Os estrangeiros já demonstraram diversas vezes enteresse pela amazônia." (o quê?)



18) "Paremos e reflitemos." (beleza)



19) "A floresta amazônica não pode ser destruída por pessoas não autorizadas." (onde está o Guarda Belo nessas horas?)



20) "Retirada claudestina de árvores." (caraulio)



21) "Temos que criar leis legais contra isso." (bacana)



22) "A camada de ozonel." (Chris O'Zonnell?)



23) "a amazônia está sendo devastada por pessoas que não tem senso de humor.." (a solução é colocar lá o pessoal da Zorra Total pra cortar árvores)



24) "A cada hora, muitas árvores são derrubadas por mãos poluídas, sem coração." (para fabricar o papel que ele fica escrevendo asneiras)



25) "A amazônia está sofrendo um grande, enorme e profundíssimo desmatamento devastador, intenso e imperdoável." (campeão da categoria "maior enchedor de lingüiça)



26) "Vamos gritar não à devastação e sim à reflorestação." (NÃO!)



27) "Uma vez que se paga uma punição xis, se ganha depois vários xises." (gênio da matemática)



28) "A natureza está cobrando uma atitude mais energética dos

governantes" (red bull neles - dizem as árvores)



29) "O povo amazônico está sendo usado como bote xpiatório" (ótima)



30) "O aumento da temperatura na terra está cada vez mais aumentando." (subindo!)



31) "Na floresta amazônica tem muitos animais: passarinhos, leões, ursos, etc." (deve ser a globalização)



32) "Convivemos com a merchendagem e a politicagem." (gzus)



33) "Na cama dos deputados foram votadas muitas leis." (imaginem as que foram votadas no banheiro deles)



34) "Os dismatamentos é a fonte de inlegalidade e distruição da froresta Amazônia" (oh god)



35) "O que vamos deixar para nossos antecedentes?" (dicionários)

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Carta para a dona da bola


"Quando o carteiro chegou, o meu nome gritou com uma carta na mão...", a música que fez sucesso no período da Jovem Guarda deve parecer bizarra para as novas gerações pós-internet. Pouca gente nova conhece ou já recebeu uma carta pessoal via correio, coisa do século passado, porque hoje a gente só recebe correspondências de cobranças, boletos bancários e cartões de Natal de políticos interessados no nosso voto. Minha colega de trabalho, Mille,  20 e poucos anos, é uma dessas que jamais havia recebido uma carta, mas pode matar a curiosidade da emoção de ver o carteiro. Foi uma carta de outra colega, Zilene, que trabalha no escritório de Vitória da Conquista, que enviou só para zoar com a amiga. 

Abro esse "nariz de cêra" (jargão jornalístico antiguíssimo) é para contar aqui um fato inusitado nos tempos modernos que aconteceu com a minha sobrinha, Michelle Graça,  aproveitando também para homenageá-la e para me gabar (claro) como tia. 

A sobrinha linda aí da foto acabou de passar  pela segunda  vez ( isso mesmo!) no vestibular da UBFa para o concorridíssimo curso de Geofísica (é doida! kkkkk). Na primeira vez, ano passado, ficou entre os 30 primeiros colocados, mas apesar ganhar, ela não levou. Isso porque de 30 vagas para o curso, Michelle ficou de fora por causa da cota racial. Os pais ficaram revoltados porque a filhota havia se esforçado ao máximo, estudava que nem doida e não entrou na ambicionada faculdade devido à "maldita" (para eles) cota. Mas a garota não se abalou, mostrou garra e meteu a cara nos livros de novo. Imaginem a expectativa sobre ela esse ano!

Michelle agora está às voltas com a documentação para se matricular no curso dos sonhos e tem recebido homenagens de todos que acompanharam o seu esforço. Uma delas porém me inspirou para registrar aqui no Pp: a sua ex-colega do curso de inglês, Luma, que hoje mora no Rio de Janeiro, enviou a primeira carta que Michelle recebeu via Correios. Além das  belas linhas escritas à mão ( quem lembra disso?) parabenizando a amiga, Luma enviou um chaveiro com os nomes da UFBa, do curso de Geofísica e da dona da bola. Não é uma fofa?

“Maturidade”

O irreverente Álvaro Portela Figueiredo Júnior, "Alvinho", para os colegas da Facom no século passado (década de 80), somente Figueiredo para os colegas da Rádio Educadora, estréia aqui no Pilha com esse texto abaixo que é a cara dele mesmo.
 Bem vindo amigo!
O blog está bombando, como disse Mônica Bichara ao encontrá-lo aqui fazendo comentários.  

Álvaro Figueiredo

Amigos, sou obrigado a uma confissão q pode, em principio, por tabela tbém comprometê-los. É q nasci em 1960, e estou no próximo dia dezoito dobrando o cabo da boa esperança –esperança, de viver mais meia década, será ???

A verdade companheiros é q o tempo ruge, e imaginei q ao atingir essa marca com ela viesse a tal maturidade, o famoso juízo, o tão buscado discernimento...

Ledo engano !!!

O q me vem, nos dias de farra mais insistente, é uma ressaca dos diabos na qual me dói todo o corpo, da sola dos pés ao couro cabeludo, passando pela pleura, ciático e partes outras das quais, qdo jovem, jamais ouvi falar.



Alguns são sabedores desta limitação –nosso querido Araka, por exemplo- pelo estado etílico e desgaste do maquinário, vê-se q ele é um ante diluviano experiente na sobrevivência, neste período pós paleozóico.

E é claro q estamos sendo, sempre obrigados a rever conceitos.

Mulher, por exemplo, não tem mais q esfriar no tanque e esquentar no cozinha –e pensar q não, tem uma de presidente já já-e tirar sarro com gay hoje é homofobia –e crime previsto em lei !?!?

Quer dizer , certas coisas, como dar risada do andar do perneta, estão mesmo fora de moda, amigos, mas como bem sabe o coroa Carmel, o cavalheirismo ainda cai bem –q sorte.

De sorte q, pra resumir, bem vindos sejam os q não se acanham de ser amigos e contemporâneos de um tal dinossauro, e venham morder essa gelada, vc sabe onde, vc sabe quem

Só não me dêem parabéns, e nem me desejem feliz aniversário

Isso ficou -priscas eras- no passado.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

O fim da linha é o começo da mão

Ainda de férias e com poucas idéias, mas de vez em quando dando uma olhada nos e-mails, encontrei esse texto que me fez ler até o final. Dei uma espiada no blog do  autor e gostei. Achei que vale reproduzir aqui. Taí a dica:


Fabrício Carpinejar

Amo não terminar de começar. Já me separei várias vezes da minha mulher. Vivo me separando. Experimento aquelas brigas do final de noite, em que o choro se mistura à confusão. A voz se levanta como uma campainha e nenhuma palavra pousa. Sou passional e não nego. Não é tanto o ciúme, é a vontade de se aproximar de qualquer jeito, de provocar mais amor. Desconfio de quem resolve tudo pela conversa, sereno, compassivo, com a calma de um obituário distante. Amar é comprar fiado, um dia seremos cobrados. Um dia teremos que devolver o corpo. Um dia as marcas das unhas nos braços voltam a sangrar. A morte é muito longa para separar. É a vida que separa. O excesso de vida. Um armário, uma estante, um coração nunca serão suficientemente altos como uma escada. O teto é o chão das lagartixas. Na briga, os casais são lagartixas que se escondem da luz atrás do porta-retrato.



Casais brigam para descobrir onde estão as fronteiras. Casais brigam para renovar os votos. Casais brigam para se comover. Reclinar, declinar. Repelir, retornar. Já fiz as malas, já desfiz as malas, as lentas horas da madrugada nas quais os dois se olham com medo e paciência. A vigília pelo próximo vocábulo. A vigília da mímica. Será que acabou? Será que iniciou? Ela pode sair correndo e telefonar apaziguada. Pode sair correndo e ser alcançada no corredor. Pode sair correndo estando parada. Todo o andar fechado para a discussão. "Fala mais baixo, o filho dorme". Ninguém mais em casa para apartar. A intimidade é atrito, é estourar, é explodir, é não deixar para depois. A altivez do sussurro, as chaves na mão, as chaves fora da mão. A porta do banheiro trancada, o homem se agachando como um carteiro. A porta do banheiro aberta, o chuveiro ligado para disfarçar o ócio do rosto. O ódio do rosto. O formigamento dos pés. Não se briga de meias. O casal estará de pés descalços ou de sapatos, não entendo o porquê. Lembranças vencidas voltam, conservas de lembranças vencidas são abertas. A briga é a memória do casal - o rancor não faz esquecer coisa alguma. O rancor é uma coruja. Ambos se ameaçam, se censuram, se ferem com sinais e ofensas. As sobrancelhas se deitam como aves inconsoláveis. A cama vazia como um túmulo, sem as flores acesas do abajur. Tem certeza disso? Tem certeza disso?



Não há rotina quando se ama, mas a aventura de um copo contra a parede. Logo aquele copo de cristal. Não se escolhe um copo de requeijão para se estilhaçar na parede, arremessa-se sempre o mais caro.



Depois se varre em silêncio os cabelos do copo. E o outro logo se aproxima para ajudar com a pazinha. A brasa quase extinta é enrubescida pelo vento.



Ao varrer juntos, já estamos casados novamente.



Fabrício Carpinejar

www.fabriciocarpinejar.blogger.com.br/

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

A crítica de Geraldo Guedes

A entrevista concedida pelo colaborador aqui do PP, Jadson Oliveira, ao Jornal A Tarde foi  no mês passado, mas vale a pena contar a repercussão dela lá em Brumado, onde vive um grande amigo, Geraldo Guedes, essa figuraça aí da foto. Pois Jadson esteve por lá visitando o amigo que, muito sincero e crítico, lhe  passou um pito: "Gostar da entrevista, eu gostei, mas pegou mal pra um socialista que quase foi guerrilheiro dizer que não gostou de ficar em Cuba sem fio dental, café descafeinado e protetor solar". 

Arquivo do blog