Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

O interessante do debate da TV Bahia

Chamaram atenção no debate realizado ontem à noite pela TV Bahia, entre candidatos a governador do estado, mediado por  William Wack: 

1) somente o governador Jaques Wagner encerrou pedindo voto para Dilma (presidente), Lídice e Pinheiro (senadores) e para ele próprio e seu vice, Otto Alencar. Os demais deixaram os companheiros de chapas estadual e nacional de lado. Acharam que não vale a pena  (rsrsr); 

2) A metralhadora giratória de Marcos Mendes (PSOL) apimentou o debate, atirando contra as administrações de Wagner e Paulo Souto, mas para Geddel, o ataque foi viceral. Depois de citar o  envolvimento do ex-ministro no escândalo do rombo do ex- Baneb, dizendo que ele teria beneficiado a família, inclusive o seu irmão Lúcio, candidato a deputado federal, e comprado jatinho  de R$ 15 milhões e 12 fazendas,  de  afirmar que o peemedebista foi abandonado por Lula e Dilma, pelo senador João Durval e prefeitos, inclusive por João Henrique, cuja reeleição foi "patrocinada" pelo ex-ministro, finalmente  perguntou se Geddel  pretende governar com a marca do seu pupilo JH, que faz uma administração "desastrosa", sendo avaliado pelas pesquisas como o pior prefeito do Brasil.  Geddel espumou.  Rebateu chamando Mendes de "parlapatão" de "irresponsável e  incompetente". Acusou o adversário do PSOL de envolvimento do Instituto Búzios, ligado a Mendes, no escândalo da Transcom. Geddel disse ser o mais idôneo dos candidatos, não tendo em sua história qualquer problema com a Justiça. Detalhe: não defendeu a administração de JH; 


3) Bassuma cuspiu o tempo todo no prato que comeu. Depois ter apoiado e participado do governo, agora que está no PV, nada mais presta. Ficou o levantando a bola para Paulo Souto e Geddel atacarem Wagner;


4) A parte engraçada foi a cara dos candidatos. Maquiadíssimos,  pareciam bonecos de cera;


5) O formato favoreceu o confronto entre os candidatos;


6) Por ser governador e naturalmente vidraça, Wagner foi a Geni do programa, mas mostrou tranquilidade e rebateu seguro. 






terça-feira, 28 de setembro de 2010

Pesquisa de Buzu

Vou falar de Buzu (de nooooooovo!),  mas o assunto agora é eleição. Nos últimos meses os ônibus das linhas que passam no Centro Administrativo praticamente esvaziam no ponto  próximo do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), onde eleitores vão fazer ou buscar seus títulos. Hoje presenciei uma cena bem no clima da eleição. Quando chegou perto do tal ponto, o motorista anunciou com o vozeirão: "Quem vai pro TRE, é aqui, viu! E quando estava descendo aquele monte de passageiros, ele completou: "Vamos tirar esse título pra votar em Dilma, Viu! Vamos eleger a primeira presidente mulher no Brasil!".  Outro passageiro gritou: "Vamos votar em Lula, gente!". A maioria dos passageiros acenou ou fez gestos positivos.  A julgar por aí, a petista deve superar as projeções dos institutos de pesquisa de opinião.

A imprensa e seus desmandos



Venho recebendo uma enxurradas de e-mails que analisam a conduta da mídia durante as eleições. Vários blogs vem retomando esse assunto diante dos escândalos semanais que são levantados, sempre contra a candidata do PT Dilma Rousself. Diante desse contexto podemos perceber uma espécie de crise de confiabilidade por parte da nação perante esse que é considerado o quarto poder, crise essa que é comprovada pela permanência na liderança da candidata do PT nas pesquisas de intenção de votos, mesmo após todos os escândalos que segundo uma parte da imprensa ela estaria envolvida.

Mas o que causa essa “desconfiança” da população que não vem mais acatando cegamente o que lhe é exposto através dos maiores meios de comunicação do país? Não é mais novidade que após o surgimento da internet, e sua popularização, vem crescendo a chamada democratização dos meios de comunicação, onde os indivíduos tem acesso a informação que não estejam necessariamente comprometidas com algum grupo ou interesse. Aliado a isso, o país vem passando por uma série de mudanças sociais e econômicas que repercutem diretamente na opinião pública, fazendo com que a população crie um maior senso crítico ao que lhe é despejado. O resultado disso é uma maior autonomia da sociedade diante das grandes empresas de comunicação, que estão diretamente ligadas a determinado grupo político e social.

Cabe lembrar aqui, que essa mesma imprensa foi (junto com a classe média, mas isso é prosa pra outra hora) uma das grandes apoiadoras do Golpe militar de 64, não obstante, foi ela que ajudou a eleger o nosso “bonitinho” ex-presidente Fernando Collor, que vem ao longo de anos criminalizando movimentos sociais como MST, sujando nomes de políticos sem nenhuma comprovação e respeito, enfim, agindo ao seu bel-prazer confiando numa justiça inábil que muitas vezes age sob os mesmos interesses. Portanto, venho aqui colocar uma questão pra vocês, a criação de um Conselho de Imprensa (assim como o de medicina) seria Censura -como muitos vem defendendo- ou a resolução para a tentativa de um jornalismo ético e comprometido com a verdade?

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Palhaços de plantão não esqueçam do feijão!

A feijoada  dos Palhaços do Rio Vermelho, no próximo sábado (02), será recheada com muita música, DUOSENSE (Sérgio Bahia e Júlio Gomes - violões) e Rogério D'Souza (percussão), DJ'LHAÇO (Ruy Santana), e surpresas.





Vai começar às 13h, no Boteco do França, onde já estão a venda os Kit Palhaço individual (camisa, feijoada, 2 cervejas em lata, nariz de palhaço e o show), por R$ 30,00. 


A finalidade é a de arrecadar recursos para botar a Banda Marmelada nas ruas do Bairro no pré-carnaval.


Em novembro,  o encontro será na Borracharia, e em dezembro, no Portela Café.

domingo, 26 de setembro de 2010

Mais Barrinha Fashion

Completando a galeria de top´s, Júlia, Liz,

Marcos Paulo e Jéssica, que arrasaram na passarela do Barrinha Fashion ao lado de Nana e Aninha.


Pilhinha no Barrinha Fashion

Ana Carolina, de saia e colete rosa, desfilando pela Renner, no Shopping Barra,


Deu no site de Licia Fabio




Agora é que Paulo Mocofaia  vai falar mal  mesmo. Se antes ele dizia que Mônica Bichara explora as filhas colocando-as  para desfilar e ganhar cachê, eu também entrei nessa e, pelo terceiro ano consecutivo, Ana Carolina desfilou no Barrinha Fashion por um super cachê (rsrs).


Marcos Paulo, Jéssica, Liz, Aninha, Ana Carolina e Júlia
 exibem certificado do desfile
Neste ano,  Liz e Nana tiveram a alegre companhia das amigas de Ipitanga, Aninha (essa gracinha de vestido de bolinha na primeira foto), Jéssica e Júlia, além do amiguinho Marcos Paulo. Todos desfilaram pela Renner, no início da tarde de ontem, e em seguida Liz, Jéssica e Marcos Paulo apresentam a coleção primavera/ verão da La Coste. Show de bola, essa garotada!

sábado, 25 de setembro de 2010

O desrespeito das placas eleitorais

E o pedestre? Por onde passar?
Isabel Santos


O cúmulo dos absurdos continua acontecendo na cidade em relação às placas de propaganda eleitoral espalhadas pelos canteiros da cidade. Não é possível que os candidatos permaneçam fazendo “vistas grossas” para a situação. No mínimo deveriam fiscalizar o ato dos seus cabos eleitorais.

Há um desrespeito flagrante aos pedestres. Não respeitam sequer a proximidade com as escolas. Foi o caso, nesta sexta-feira (24) do canteiro próximo ao Colégio Módulo, na Avenida Juracy Magalhães. Quem tentava atravessar no trecho da sinaleira ficava totalmente sem visão para saber se vinha carro ou não. É que alguns momentos, a sinaleira no início da avenida fecha o que permite o pedestre atravessar, com margem de segurança, a sinaleira em frente ao colégio. Acontece que sem visão ninguém se arrisca e perde um tempo enorme esperando o sinal fechar.

Aliás, a demora no fechamento da sinaleira para o pedestre é outro problema da área. Os engenheiros de tráfego esqueceram que ali é uma área com muitas escolas, onde muitos estudantes circulam a pé. É simplesmente irritante a demora. A cidade agora é dos carros. Cadê a fiscalização de trânsito?

Votar em Marina?

De São Paulo (SP) – Transitou pela capital paulista nossa amiga baiana/pernambucana/suíça Lena Massad. Demos uma escapada na noite paulistana (com todo o respeito, viu Ivan?), tomamos umas cervejinhas, tomei dois Jack Daniel (meu uísque predileto, só para ocasiões especiais, pois está acima do meu modesto padrão de consumo) e conversamos.
Lena falando ao celular com Marina,
não a Silva, mas a nossa Marina Soares

Principalmente conversamos, eu muito mais do que ela. A companheira me disse que queria se atualizar, vai votar pra eleger o próximo presidente (ou presidenta) do Brasil, lá em Genève-Suíça (Genebra no nosso belo idioma português/brasileiro).

- Estou pensando em votar na Marina, que você acha?

- Te digo, companheira. Marina tem uma bela história de vida, é compreensível que pessoas dignas, de bem, queiram lhe dar o voto. Mas, para mim, há dois poréns:

1 – É beata demais pra meu gosto, evangélica fervorosa e, portanto, condicionada negativamente por suas convicções religiosas e morais. É só observar sua posição numa questão crucial, como a necessidade de legalização do aborto. Ela tem todo o direito de ser assim, como eu tenho todo o direito de não ser.

2 – Neste episódio agora da campanha de baixarias da chamada grande imprensa (ou velha mídia, ou, mais explicitamente, TV Globo, Veja, Folha de S.Paulo, Estadão e jornal O Globo), no vale-tudo contra Lula/Dilma, Marina foi na onda, por ingenuidade ou oportunismo, e está fazendo o jogo da direita. “Uma coisa horrível!”, como diria o saudoso companheiro Pedro Matos.

Não sei se Lena mantém seu voto em Marina. Comentei ainda que, no primeiro turno, eu ia votar em Plínio (poderia votar também em Zé Maria), mas, DIANTE DA BAIXARIA DA NOSSA IMPRENSA, já tinha mudado meu voto. Pesando os prós e os contras, vou logo de Dilma/Lula.

Aliás, na eleição passada, foi a mesma coisa, vocês se lembram? Dizia: “Só vou votar no PT no segundo turno”. Mudei.

PS: Lena me avisou e passo aos pilheiros de plantão: neste sábado, dia 25, às 21:05 horas, na Globo News, tem entrevista com o nosso querido (e pirado?) Geraldo Vandré.

“É URGENTE UMA OPERAÇÃO ‘FICHA LIMPA’ NA MÍDIA BRASILEIRA”

Jadson Oliveira 


De São Paulo (SP) O inverno está indo embora e os paulistanos viveram uma quinta-feira, dia 23, de calor. Daí que cerca de 300 pessoas se apertaram e suaram muito no Auditório Vladimir Herzog (jornalista morto sob tortura durante a ditadura), do Sindicato dos Jornalistas – com capacidade para 120 pessoas sentadas – para mostrar sua indignação contra o que consideram uma campanha suja e desesperada da velha mídia brasileira, que busca levar a disputa presidencial para o segundo turno, diante da provável vitória no próximo dia 3 da candidata do governo Lula, a ex-ministra Dilma Rousseff (da coligação liderada pelo PT), conforme preveem todos os institutos de pesquisa. leia mais...

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

4linhas


amigos,
o tempo ruge, a vida é curta, mas
como é bom ser tricolor !!!
Viva o Mano, ele é o cara, e o meu Flu é das Laranjeiras !!!
a nota truva vai pro cartolismo internacional q -enquanto tenta a recuperação o futebras- garfa e tunga uma vaga dos finalistas pra libertadores -é mole ?!?!

Tirinha genial

O tempo e as jabuticabas

Ruben Alves: filósofo, teólogo, psicanlista, professor e poeta


'Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver
daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquela
menina que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ela
chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.




Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.
Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir
quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.




Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos.
Não participarei de conferências que estabelecem prazos fixos
para reverter a miséria do mundo. Não quero que me convidem
para eventos de um fim de semana com a proposta de abalar o milênio.


Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir
estatutos, normas, procedimentos e regimentos internos.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas,
que apesar da idade cronológica, são imaturos.


Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões
 de 'confrontação', onde 'tiramos fatos a limpo'.
Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo
majestoso cargo de secretário geral do coral.


Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: 'as pessoas
não debatem conteúdos, apenas os rótulos'. 


Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a
essência, minha alma tem pressa...


Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente
humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta
com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não
foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados,
e deseja tão somente andar ao lado do que é justo.


Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse
amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.'

O essencial faz a vida valer a pena.


Rubem Alves

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

OSCAR 2011: Lula, o Filho do Brasil vai representar o Brasil






Lula, O Filho do Brasil foi o escolhido pela comissão de seleção do Ministério da Cultura para ser o representante brasileiro por uma das cinco vagas da indicação ao Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira. Veja no:http://cinema.yahoo.net/noticia/carregar/titulo/oscar-2011-lula-o-filho-do-brasil-vai-representar-o-brasil/id/26984.

Foda-se

Atribuído a MILLOR FERNANDES
(Crianças tapem os ouvidos)

O nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional a quantidade de foda-se! que ela fala. Existe algo mais libertário do que o conceito do foda-se! O foda-se! Aumenta minha auto-estima, me torna uma pessoa melhor. Reorganiza as coisas. Me liberta. Não quer sair comigo? Então foda-se! Vai querer decidir essa merda sozinho(a) mesmo? Então foda-se!. O direito ao foda-se! deveria estar assegurado na Constituição Federal.

Os palavrões não nasceram por acaso. São recursos extremamente válidos e criativos para prover nosso vocabulário de expressões que traduzem com a maior fidelidade nossos mais fortes e genuínos sentimentos. É o povo fazendo sua língua. Como o Latim Vulgar, será esse Português Vulgar que vingará plenamente um dia.

Pra caralho, por exemplo. Qual expressão traduz melhor a ideia de muita quantidade do que Pra caralho? Pra caralho tende ao infinito, é quase uma expressão matemática. A Via-Láctea tem estrelas pra caralho, o sol é quente pra caralho, o universo é antigo pra caralho, eu gosto de cerveja pra caralho, entende? No gênero do Pra caralho, mas, no caso, expressando a mais absoluta negação, está o famoso, Nem fodendo!. O Não, não e não! e tampouco o nada eficaz e já sem nenhuma credibilidade Não, absolutamente não! o substituem.

O Nem fodendo é irretorquível, e liquida o assunto. Te libera, com a consciência tranquila, para outras atividades de maior interesse em sua vida. Aquele filho pentelho de 17 anos te atormenta pedindo o carro pra ir surfar no litoral? Não perca tempo nem paciência. Solte logo um definitivo Marquinhos presta atenção, filho querido, NEM FODENDO! O impertinente se manca na hora e vai pro Shopping se encontrar com a turma numa boa e você fecha os olhos e volta a curtir o CD do Lupicínio.

Por sua vez, o porra nenhuma! Atendeu tão plenamente as situações onde nosso ego exigia não só a definição de uma negação, mas também o justo escárnio contra descarados blefes, que hoje é totalmente impossível imaginar que possamos viver sem ele em nosso cotidiano profissional. Como comentar a gravata daquele chefe idiota senão com um PHD porra nenhuma!, ou ele redigiu aquele relatório sozinho, porra nenhuma!. O porra nenhuma, como vocês podem ver, nos provê sensações de incrível bem estar interior. É como se estivéssemos fazendo a tardia e justa denúncia pública de um canalha.

São dessa mesma gênese os clássicos aspone, chepone, repone e mais recentemente,o propone – presidente de porra nenhuma. Há outros palavrões igualmente clássicos.
Pense na sonoridade de um Puta-que-pariu!, ou seu correlato Puta-que-o-pariu!, falados assim, cadenciadamente, sílaba por sílaba... Diante de uma notícia irritante qualquer puta-que-o-pariu! Dito assim te coloca outra vez em seu eixo. Seus neurônios têm o devido tempo e clima para se reorganizar e sacar a atitude que lhe permitirá dar um merecido troco ou o safar de maiores dores de cabeça.

E o que dizer de nosso famoso vai tomar no cu!? E sua maravilhosa e reforçadora derivação vai tomar no olho do seu cu!. Você já imaginou o bem que alguém faz a si próprio e aos seus quando, passado o limite do suportável, se dirige ao canalha de seu interlocutor e solta: Chega! Vai tomar no olho do seu cu!.

Pronto, você retomou as rédeas de sua vida, sua alto-estima. Desabotoa a camisa e sai a rua, vento batendo na face, olhar firme, cabeça erguida, um delicioso sorriso de vitória e renovado amor-íntimo nos lábios.

E seria tremendamente injusto não registrar aqui a expressão de maior poder de definição do Português Vulgar: Fodeu!. E sua derivação mais avassaladora ainda: Fodeu de vez!. Você conhece definição mais exata, pungente e arrasadora para uma situação que atingiu o grau máximo imaginável de ameaçadora complicação?

Expressão, inclusive, que uma vez proferida insere seu autor em todo um providencial contexto interior de alerta e autodefesa. Algo assim como quando você está dirigindo bêbado, sem documentos do carro e sem carteira de habilitação e ouve uma sirene de polícia atrás de você mandando você parar: O que você fala? Fodeu de vez!.

Liberdade, igualdade, fraternidade e foda-se!!!

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Também quero bater

Foto de Luiza Duarte ilustra matéria do site
Opera Mundi sobre o alinhamento dos partidos políticos
 franceses em relação à disputa eleitoral no Brasil
Diz -se que bater em cachorro morto é covardia, mas vá lá... quem não pensa na inveja de FHC, quando vê ressaltada a popularidade recordista de Lula no Brasil? E agora que "o cara"  (assim definido  por Obama), se tornou o queridinho do mundo inteiro? Vendo  fotos como esta, publicadas em revistas e sites internacionais, como tem acontecido ultimamente, fico imaginando FCH dando murros no travesseiro (rsrs). 

O blog Tijolaço publicou esta foto lembrando da  brincadeira de Paulo Henrique Amorim, dizendo que, agora, FHC corta os pulsos. "Imaginem como deve estar doído o ego do ex-presidente, o Monsieur Cardosô, vendo as paredes do centenário metrô de Paris com uma enorme foto de um Lula sorridente e o título – não identifiquei de qual revista ou jornal é – dizendo: Brasil, o país onde a esquerda teve sucesso. Que tristeza, hein, FHC?", comenta  o Tijolaço, do deputado Brizola Neto.


moral

quem manda !?!?

sem buscar a analogia clara, o caso do Neymar é emblemático. Enquanto o técnico sai sem poder aplicar a punição que entendia caber ao garoto, a direção do Santos mostra pra onde pende o braço de ferro nessa queda de braço.

já a imprensa, que noticia, neutra, a disputa, reclama no entanto -e muito- das críticas que o presidenteLula faz à postura oposicionosta que adotam, espetacularmente, os grandes portais do sul maravilha...

raça



na real, o coração tricolor é mesmo de aço
vale a pena mostrar, pro rival e quaisquer,
como é que se vai ao pódium ou ao matadouro:
com sede, e disposto a tudo !!!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Feira no buzu

"Já descasquei a cenoura, descaquei a batata, cortei  a batata em tiras para fritar e descasquei até a abóbora!", grita a vendendora. Mas nem pense que estamos tratando de comercial de comida prática ou de alguma feira livre da cidade. A cena se passa dentro do buzu da linha CAB/Sussuarana.

A vendendora descasca as verduras escorada num dos bancos da frente do veículo, mas à cada "freio de arrumação" ela se desequilibra e os farelos se espalham. E a minha blusa preta vai colorindo. E ela fala, fala das qualidades e utilidades do cortador/ralador/descacador que é a novidade da cidade, que só custa  três reais. Carminha quando viu isso, dias atrás,  ficou tão impressionada que comprou dois, um pra ela e uma pra minha casa.   

Logo após entra o baleiro: "Olha a pastilha de menta aí, gente! Uma é cinquenta e três é um real, uma é cinquenta e três é um real". Grita, e  grita, e entrega os saquinhos de balas para cada passageiro a fim de pressionar para compra. Faz isso até o fundo do buzu para no retorno recolher a mercadoria ou o dinheiro de quem quiser comprar, uma técnica bastante usada para pressionar o passageiro/consumidor. A jovem passageira se recursou a receber a mercadoria e a ficar segurando-a  até o baleiro retornar para recolher.  Ouviu desaforo. "Estamos trabalhando moça, e não pedindo. Não precisa ser mal educada".  Ela fica vemelha e desce no ponto seguinte.
  
Sai o baleiro, entram dois jovens  carregando enormes bolsas tipo tiracolo. Um começa a entregar aos passageiros os  kits de caneta com lanterninha, o outro berra: "Boa tarde a todos, não queremos incomodar, só tomar um tempinho de vocês. Somos do Instituto Manassés e estamos passando esse kit por dois reais. Comprando esse kit vocês estarão ajudando a tirar jovens das drogas..." ( e  pererê, parará..) .Todos  eles apresentam um currículo de ex-drogados, tirados da sarjeta  pelo Manassés e vindos do Piauí para a Bahia, mas é gozado como aprendem rápido o sotaque baiano.

No ponto seguinte, entra um homem com bolsa tiracolo apresentando o seu produto: "Temos tabuada por dois reais,  caligrafia  por dois reais, receitas caseiras  deliciosas por apenas dois reais! Compre três por apenas cinco reais". Bom, esse pelo menos não força a barra pra gente ficar segurando os produtos dele. Mas logo em seguida vem o rapaz dos adesivos. Tem adesivo de tudo: de princesas, de Bete Boop, Bob Esponja e  por aí vai.
 
 Em todo o percurso tem sempre alguém querendo vender algo. Pior do que isso, só quando chove, mas isso eu já contei aqui.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Eleições II: Quem tá pagando a conta?

Quem vem acompanhando as eleições 2010, logo percebe a grandiosidade em que elas vêm se apresentando. Só pra vocês terem uma ideia, segundo informações da Justiça Eleitoral, a projeção de gastos médio por deputados estaduais no estado de Minas Gerais, por exemplo, em 2002, foi de R$ 510 mil em uma campanha. Em 2006, a média pulou para R$ 949.500, um aumento de 99%. Em 2010, o gasto médio informado ao TRE foi de R$ 2,875 milhões. Entre 2002 e 2010, o crescimento médio verificado na declaração das estimativas de gastos de campanha foi de 463%. Para presidente os principais candidatos de 2010 prevem gastos de 90 a 180 milhões de reais, valor que ainda pode ser ultrapassado.

Seguindo uma lógica de mercado, as campanhas para serem triunfantes necessitam hoje estarem em sintonia com estratégias vorazes de marketing e publicidade. Até aí nada de novo (talvez só o tamanho que a coisa vem tomando), mas o que isso nos faz questionar é: Quem tá pagando a conta?

O que se percebe é um grande número de empresas privadas, investindo pesado nas campanhas, não só das majoritárias, como para deputados estaduais e federais (vê site:www.transparencia.org.br). Ou seja, o candidato que se elege já entra na vida pública totalmente comprometido com as instituições privadas, e seguindo esse raciocínio, cada vez menos com as questões sociais, já que existe aí um conflito de interesse que surgiu desde antes de criarem a palavra “Capital”.

Diante desse quadro, resta saber como serão feitas as reformas (política, tributárias, etc), já postergadas e tão necessárias para o crescimento do nosso país. Meu palpite é que se deva começar pela política, essa sim parece ser hoje a única saída para que se tenha um pouco de democracia dentro das eleições “ditas” democráticas no nosso país.

Feijoada Palhaços do Rio Vermelho


Olá Palhaços de plantão!
Antes de mais nada gostariamos de agradeçer a Daniel Velloso e Trio a 3, pela brilhante participação na última festa dos Palhaços do Rio Vermelho e a todos palhaços que balançaram as carcaças e se divertiram no ALI DO LADO... e a festa continua...
Desta vez pra não dizer que somos "notúrnicos", resolvemos fazer uma festa "diúrnica", regada a feijão, cerveja e música de qualidade como sempre. Vamos antecipar a palhaçada do dia 03 e começar logo no dia 02 de outubro.
Quando falamos em FEIJÃO, pensamos logo na Feijoada do Boteco do França onde será o nosso próximo encontro. Com a apresentação do DUOSENSE (Sérgio Bahia e Júlio Gomes, violões) e Rogério D'Souza (percussão), teremos um repertório recheado de MPB, MP3, MP4...rsrsrs... algumas participações especiais... a partir da 14h, O DJ'LHAÇO (Ruy Santana), tb vai estar presente com um repetório mais light de acordo com o kilo do feijão e sempre teremos algumas surpresas.
Nosso Kit Palhaço inclui uma camisa, um adesivo, uma ficha de feijoada, duas fichas de cerveja em lata e o showlhaço por R$ 30,00. As vendas antecipadas vão estar disponíveis no Boteco do França a partir da quarta-feira 22/09.
Esqueçemos do vale transporte...
Nossos agradecimentos a Zé Raimundo, França e toda sua equipe... (Carlos, Tuca, Valmir...) de coração de Palhaço e esperamos por todos voces. Mês que vem tudo continua na Borracha e se preparem para o dia 10/12 (dia internacional do Palhaço), no Portela Café.
Obrigado.
Palhaços do Rio Vermelho"

O "abestado" do Tiririca deve ser o mais votado

Slogan do humorista: "Vote em Tiririca, pior do que tá não fica"
O "abestado"  do Tiririca, como ele próprio se define ao pedir voto, deve ser  deputado federal mais votado do país nestas eleições, segundo uma pesquisa do instituto Datafolha.

O palhaço Tiririca ( PR ) é o preferido de 3% dos eleitores em São Paulo, o que significa 900 mil votos. Pela amostragem, ele  venceria políticos tradicionais como Paulo Maluf (PP), que na eleição passada foi mais votado do país com 739 mil.

Em termos absolutos, em toda a história só perderia para Enéas Carneiro, morto em 2007, que nas eleições de 2002  ganhou 1,5 milhão de votos.

domingo, 19 de setembro de 2010

é bahêa, zorra !!!


bem amigas e amigos do tricolor
e os demais nem tanto, atenção também:
com a vitória, de virada, sobre a ponte,
fica mais perto
o sonho do esquadrão de aço: chegar logo lá !!!

mais sobre


o drama, vivido pelo matador do santos, por conta da pressão toda sobre seus dois neurônios teens, vem na medida pra mostrar o recheio q falta pr'esse povão evoluir: E-Du-Ca-Ção.
Se ainda acha q é purismo, ouça o ibge:51% dos garotos e garotas entre 15 e 17 anos tão fora da escola !!!

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Jantar de amigos

 Um grupo de amigos  de 40 anos discutia e discutia para
 escolher o restaurante onde iriam encontrar-se para jantar.
 Finalmente decidiram-se pelo Restaurante Tropical porque as empregadas
 usavam mini-saias e blusas muito decotadas.

10 anos mais tarde, aos 50 anos, o grupo reuniu-se novamente e mais
 uma vez discutiram e discutiram para escolher o restaurante.
 Finalmente decidiram-se pelo Restaurante Tropical porque a comida era
 muito boa e havia uma ótima seleção de vinhos.

 10 anos mais tarde, aos 60 anos, o grupo reuniu-se novamente e mais
 uma vez discutiram e discutiram para escolher o restaurante.
Finalmente decidiram-se pelo Restaurante Tropical porque ali podiam
 comer em paz e sossego e havia sala de fumantes.

 10 anos mais tarde, aos 70 anos, o grupo reuniu-se novamente e mais
 uma vez discutiram e discutiram para escolher o restaurante.
 Finalmente decidiram-se pelo Restaurante Tropical porque lá havia uma
rampa para cadeiras de rodas e até um pequeno elevador.

 10 anos mais tarde, aos 80 anos, o grupo reuniu-se novamente e mais
 uma vez discutiram e discutiram para escolher o restaurante.
 Finalmente decidiram-se pelo Restaurante Tropical.
 Todos acharam que era uma grande idéia porque nunca tinham estado lá antes


quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Serra se descontrola e agride Márcia Peltier


O Terra colocou no ar a gravação de áudio feita pela sua reportagem na hora em que Serra deu um chilique e agrediu a apresentadora Márcia Peltier, do programa Jogo do Poder. Assista e leia a transcrição, pois o áudio não é dos melhores. O programa da CNT  vai ao ar depois de 22 horas.


O caso está ocupando o debate na internet, inclusive no grupo Sinjorba, onde foi compartilhado o seguinte texto: .


José Serra ditador censura imprensa: Serra exigiu e levou a fita original sem cortes do programa da CNT.



O diretor de jornalismo da CNT, Domingos Trevisan, foi obrigado entregar ao candidato José Serra (PSDB) depois de editado, o material bruto, com imagens e áudio da discussão entre ele e a jornalista Márcia Peltier

Todo material foi entregue a José Serra, o objetivo, segundo a assessoria da emissora, era evitar vazamento do material. A assessoria de Serra afirma que levou a fita para fazer a transcrição da entrevista e que imaginou que a emissora tinha ficado com uma cópia. M E N T I U . Serra não queria que ficasse cópias. Ele tinha medo que fosse divulgado o caso

Serra tem mostrado irritação durante a campanha com perguntas de jornalistas, na maioria dos casos quando abordam pesquisas de opinião.

A discussão foi travada entre o primeiro e o segundo blocos do programa, ou seja, está gravada em alguma fita da emissora mas tudo indica que a CNT não vai colocar no ar (em geral esses momentos de intervalo são considerados off the records, mas se fosse a Dilma as imagens certamente seriam recuperadas e passariam no Jornal Nacional):

Serra: Todo mundo que entra na jogada do PT e do governo ou quer apresentar méritos nesse sentido. Porque…O fato é o seguinte. Eu estou reiterando um crime…

Márcia: Que não era durante o período eleitoral, antes da candidatura.

Serra: E daí, que antes da candidatura, Márcia? Nós estamos gastando tempo aqui, precioso, em vez de falar de programa de governo, para vocês repetirem os argumentos do PT, que vocês sabem que são fajutos, estamos perdendo tempo aqui, eu só acho isso…

Márcia: A gente tem de fazer…

Serra: Eu vim aqui numa correria tremenda. Pega a candidata do PT… ela vem aqui?

Márcia:Virá aqui.

Serra: Então, então pergunta pra ela.

Márcia: Vamos perguntar pra ela também, candidato.

Serra: Eram eles que estavam faturando.

Márcia: Vamos perguntar pra ela também. Nós vamos agora voltar e agora vamos falar sobre programa.

Serra: Não, não vou dar essa entrevista, você desculpa.

Márcia: Por que candidato?

Serra: Porque não?

Márcia:Vamos fazer, só que agora falando do programa.

Serra: Não, faz-de-conta que eu não vim.

Márcia: Por que?

Serra: Porque não tem nada a ver com pergunta, não é um troço sério.

Márcia: Como não é um troço sério? Vamos conversar.

Serra: Então apaga.

Márcia: O que é que o sr. quer que apague?

Serra: A televisão.

Márcia: Ah, o sr. quer que apague a televisão?

Serra: Nós vamos conversar nessa base, porque isso aqui tá um programa montado.

Márcia: Montado pra quem? Não tem montação, não tem montagem. Apaga aí por favor, gente. Olha só, deixa eu te falar uma coisa. A gente aqui… a gente aqui não tá fazendo um programa…

Serra: Não é o que me disseram. O que me disseram é que eu ia falar de política e de economia.

Márcia: O primeiro bloco era só isso… Candidato, mas esse era o primeiro bloco. Vai ter… vai ter… vão ter mais três blocos, candidato, três blocos.

Serra: Tudo pergunta óbvia, você sabe o que é pergunta óbvia? Que você sabe o que é que o candidato vai responder. Você vai falar de pesquisa, isso aquilo, etc., você acha que dá para ganhar? O que é que o candidato vai dizer?

Eleições I




Me surpreendo a cada dia com as “figuras” que vem aparecendo no horário eleitoral. Dentre os mais variados personagens estão homossexuais que acreditam que barulhinhos obscenos pode atrair votos, apresentadores de programas de televisão que fazem da violência um espetáculo ( não seria uma “espetacularização” da violência), músicos decadentes, artistas decadentes ou qualquer outro profissional que, se não deu certo no seu ramo, apela para a política. Aliás, gostaria entender o porquê de tantos médicos candidatos. Será que não tem doentes suficientes aqui na Bahia? Já sabia que no interior essa era uma prática rotineira, mas fico alarmada como isso vem se proliferando. Inclusive venho desconfiando que na faculdade de medicina há disciplinas do tipo: Genealogia da política ou sistema gastropolítico brasileiro. Não é a toa que sempre que falava pra alguém que estudava ciência política, elas sempre me perguntavam a mesma coisa: Você pretende se candidatar? E eu sempre replicava: Não, se fosse o caso era pra tá fazendo medicina.


No Rio de Janeiro o caso é ainda mais grave, a mídia vem anunciando que o então ex-jogador de futebol Romário, pode chegar a ser o Deputado Federal mais bem votado do estado. Aclamado como um dos melhores jogadores da história, Romário que era considerado como “matador” (devido a sua habilidade dentro da área, local onde dificilmente saia em um jogo), pode chegar ao congresso federal, sem ao menos ter tido algum tipo de experiência política. Pelo menos quanto há isso o Popó sai na frente, já ocupou o cargo de secretário de esportes na Prefeitura de Salvador, um mérito que deixa a desejar, a julgar pelo prefeito que nós temos. Mas o que realmente está em jogo nesse circo de horrores eleitoral brasileiro é o quão a política vem sendo banalizada e servindo de cabide de emprego pra que não tem mais nada o que fazer.

Carta aberta aos nobres jornalistas Noblat e Merval Pereira

Noblat anda muito atarefado

Leitor cobra dos dois importantes jornalistas porque não publicaram nada da matéria de Carta Capital, denunciando que Verônica Serra é recordista em violação de dados bancários de 60 milhões de brasileiros. A carta de José Marcos é de uma ironia brilhante. Confira:  


Por José Marcos

Caros jornalistas, antes de tudo, gostaria de me apresentar: meu nome é José Marcos, sou um profundo admirador e leitor assíduo das suas colunas , aos quais me servem de guia para entender os , muitas vezes, infelizmente, obscuros caminhos da nossa política. Com o tempo descobri que poucos jornalistas, os quais vos incluo, conseguem manter a imparcialidade e a ética nesta nobre missão de informar ao leitor as nuances da disputa política. Portanto, qual não foi a minha surpresa quando percebi que a grave denuncia da revista Carta Capital, nº. 613, sobre a extinta empresa da Filha do nosso futuro Presidente José Serra, que expôs os dados bancários de “apenas” 60 (sessenta) milhões de brasileiros na época do governo FHC, não foi objeto de comentários em suas inserções, no também imparcial jornal O Globo.

É claro que a reportagem da revista Veja, da qual também sou leitor assíduo, está sendo corretamente abordada por vocês, pois fico até desesperado em, apenas, imaginar o Brasil sem as matérias desta que considero a publicação mais patriótica e isenta desta nação. No entanto, apesar da Carta Capital não ter a grandeza e importância da nossa querida Veja, acredito que pela gravidade do escândalo esse assunto mereceria figurar nas suas brilhantes análises.

Como conhecedor da inquestionável probidade de vocês, tenho certeza que este pequeno lapso não foi motivado por nenhuma razão obscura, mas sim, muito provavelmente, pelo grande numero de afazeres que jornalistas desse quilate acabam assumindo. Dessa forma, quero humildemente alertá-los para esse fato, na certeza de que, tão logo tenham conhecimento do tema, passarão a abordá-lo em suas colunas.
Aproveito a oportunidade, na esperança que a grande maioria dos profissionais dessa área se espelhe na indubitável ética e imparcialidade que vocês transmitem para o seu público leitor, para renovar meus sinceros protestos de distinta consideração.

Nota: Vou mandar cópia desta carta para alguns dos blogs que, com muita lucidez, são chamados de “sujos” pelo Presidente Serra, além é claro para a revista “Carta Capital”.


O coordenador da campanha para a reeleição de Jaques Wagner governador da Bahia ("Pra Bahia seguir em Frente"), Luís Caetano, prefeito de Camaçari,  ataca o PIG (Partido da Imprensa Golpista), denunciando a campanha da grande imprensa a favor de Serra e ferrenhamente contra Lula e Dilma.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

O SEM-VOTO PERNAMBUCANO

Jadson Oliveira

O sem-voto Roberto Freire
De São Paulo (SP) – “Cassado” por seu patrícios pernambucanos, o sem-voto Roberto Freire, depois de mudar com malas, bagagens e discursos para a direita, está nestas eleições garimpando votos em São Paulo: é candidato a deputado federal pelo seu PPS, Partido Popular (chamado) Socialista, surgido a partir do tradicional PCB, Partido Comunista Brasileiro, e hoje aliado ao PSDB e DEM, ex-PFL. Vi outro dia desses ele se apresentando na propaganda eleitoral na TV como “uma voz de São Paulo para o Brasil”. Não fez qualquer menção a Pernambuco.

Por que gastar espaço na blogosfera (antes a gente dizia gastar papel e tinta)  com um político em decadência, a quem seus conterrâneos passaram a negar o voto? Por que chutar cachorro-morto? Explico: é que me intrigam esses caras que mudam de lado depois de uma trajetória política admirável, abandonam a trincheira dos injustiçados e despossuídos e se transferem para as fileiras dos exploradores do povo. Me choca esse desprezo pela própria história. (Foi por esta mesma motivação que escrevi sobre o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, que passou de defensor de presos políticos e de sem-terra a defensor do banqueiro Daniel Dantas – artigo Greenhalgh, quem diria!?, postado no meu blog em 06/05/09).

Quem participou da luta contra a ditadura, lá pelos anos 70 (do século passado, como gosta de dizer nossa companheira Carmela Talento), conheceu bem a ação política do então bravo pernambucano Roberto Freire, que integrou o combativo grupo dos chamados “autênticos” do antigo MDB, deputados federais de esquerda que combatiam o bom combate na plena vigência da tirania, quando defender as posições democráticas e populares era estar sempre correndo riscos – ameaças, prisões, torturas e até morte. Cito mais um dos “autênticos” do MDB, como uma homenagem: o nosso baiano Francisco Pinto, o popular Chico Pinto, que viveu seus últimos dias lá na sua Feira de Santana, sempre fiel à luta contra os opressores.

Pois é, ficamos nós recordando a trajetória do hoje desterrado candidato a deputado. Será que os eleitores paulistas o conhecem, ou o conheceram? Me lembro da amiga Lena, baiana/pernambucana/suíça, falando dos seus tempos de estudante em Recife (ou no Recife, como eles dizem),quando teve a satisfação de conhecer um então opositor ao regime militar chamado Roberto Freire. (Sinto muito, Lena, estar maculando tuas boas lembranças da juventude

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Flávio Cirilo, dublê de jornalista e maratonista


Estudante de jornalismo da Faculdade 2 de Julho e estagiário da Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Salvador, nosso querido Flávio Cirilo (meu filho, segundo as boas línguas) está se revelando não só no jornalismo como também nas pistas de corrida. No último domingo (12), competiu na Meia Maratona Iguatemi e venceu os 6 km facilmente, chegando em 2º lugar na sua categoria e em 9º na classificação geral (entre mais de 300 competidores).

Flavinho é um lutador, que dribla diariamente barreiras que poderiam servir de desculpa para acomodados, como a distância entre a capital e sua cidade, Madre de Deus, e dificuldades econômicas. Mas ele tira tudo isso de letra e ainda encontra tempo para atuar no blog do Consulado Social e ser um bom aluno.


Com tanto corre-corre, tá explicada a boa performance nas maratonas. São Silvestre, aí vai o baiano Flávio Cirilo. Parabéns, Flavinho!

Os Palhaços
















A festa foi tudo de bom! A chuva tentou mas não conseguiu atrapalhar a noite, o astral dos Palhaços foi mais forte, ela desistiu. Muita cerveja gelada, muita gente animada, casa cheia!!! Música da boa: Dj Ruy Santana, Daniel Velloso e o Trio a 3, deram verdadeiro show. A decoração com a obras dos artistas Cau Gomez, Hans Peter e Ruy Santana. Foi tudo perfeito, ficou aquela vontade de "quero mais", o jeito é aguardar o próximo evento dia 02/10 no Boteco do França às 14:00.

Déjà vu

Quem não se lembra da exigência do estojo  de pronto socorro no veículo? Todo mundo saiu correndo para comprar o seu para não ser multado, a imprensa divulgou bastante, fez mil matérias, acompanhou inicialmente se  os motoristas estavam cumprindo e se a fiscalização estava funcionando. Depois da correria para adquirir os estojos, que o comércio esgotou o produto, acabou a punição e a exigência. E os estojos, foram parar aonde?

Agora, depois do bafafá para o uso da cadeirinha para transportar crianças , que provocou um aquecimento incrível nas vendas do produto, a Superintendência de Trânsito e Transporte de Salvador (Transalvador) decidiu suspender a punição aos motoristas que não cumprirem esta lei.

A Transalvador avisa que as sanções aos infratores só serão retomadas quando a ausência do item nas lojas for equacionada. A decisão, provisória, considerou a dificuldade dos consumidores em encontrar o equipamento.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Um help pro Pilha

Aos pilheiros e vistantes,

O nosso blog anda meio abandonado nos últimos tempos, sem a atualização constante que sempre o caracterizou, muita por culpa minha, que ando às voltas com a campanha eleitoral e outras questões.  Mas vamos fazer um esforço para revitalizar esse espaço virtual nosso, onde nos encontramos com o espírito (digo: o clima) da mesa de bar, para falar besteiras e discutir coisas sérias.

A cabeça está fervilhando de idéias, mas faltam os conhecimentos técnicos. Retornei do 1º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas (votei pela retirada desse adjetivo "progressistas" no próximo encontro, mas fui derrotada), querendo dar uma turbinada no nosso blog, ampliar as temáticas, mesclar mais, discutir política, falar dos movimentos sociais, (Mônica  vem fazendo isso muito bem com a cobertura sobre os barraqueiros de Ipitanga),  contar e analisar sobre o que está ao nosso redor e o que nos incomoda, sem perder a descontração e a leveza que caracteriza o nosso Pilha, como definiram nossos ilustres visitantes em comentários feitos aqui.

Mas as mudanças que estamos propondo vão do leiaut ao editor, e aí que está o problema maior, porque o nosso Pilha não tem dinheiro, não tem comerciais pra gente pagar pessoas especializadas. Por minha conta, já solicitei registro com o nome  o endereço www. pilhapura.com .br, mas falta o resto.

Nas conversas e exposições de especialistas (técnicos mesmo) da área, no encontro em São Paulo, nos recomendaram, utilizar  wordpress para maior segurança do conteúdo. Estou me batendo para fazer a modificação e até consegui criar e importar o conteúdo, mas falta muito para melhorar o visual. Alguém  conhece um amigo que entenda do assunto para me ajudar?

Filha de Serra fez a maior quebra de sigilos do mundo

A revista CartaCapital que está nas bancas traz reportagem de Leandro Fortes que vai calar o Zé Baixaria e seus auto-falantes do PiG (*).
Extinta empresa de Verônica Serra expôs os dados bancários de 60 milhões de brasileiros obtidos em acordo questionável com o governo FHC, segundo reportagem de Leandro Fortes na Carta Capital. Foto: Janete Longo/ Divulgaçã

Por 15 dias no ano de 2001, no governo FHC/Serra a empresa Decidir.com abriu o sigilo bancário de 60 milhões de brasileiros.

É isso mesmo o que o amigo navegante leu: a filha de Serra abriu o sigilo bancário de 60 milhões de brasileiros por 15 dias durante o governo FHC/Serra.

A Decidir.com é o resultado da sociedade, em Miami, da filha de Serra com a irmã de Daniel Dantas.

Arrocha de Geddel

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Guerra dos Caceteiros em Pau de Colher

No domingo o jornal A Tarde iniciou uma série de quatro reportagens dos jornalistas Cleidiana Ramos e Gildo Lima, um belo trabalho de pesquisa e resgate de um fato histórico baiano ignorado pelos livros (há apenas dois registros antigos), a Guerra dos Caceteiros, no povoado de Pau de Colher, distrito de Casa Nova. Cerca de 400 pessoas morreram nessa guerra, envolvendo de um lado fanáticos religiosos e seus seguidores e de outro policiais da Bahia, Pernambuco e Piauí.
Acompanhei desde o início o esforço da colega Socorro Araújo para ver essa história reconhecida e resgatada, pois era o sonho da mãe de uma amiga sua, justamente a personagem principal dessa série, Maria da Conceição Andreza, de 81 anos de idade, sobrevivente do massacre. Ela passou 60 anos da vida tentando localizar irmãos e quando encontrou pistas eles já tinham morrido.
Há muito tempo não vejo em nossos jornais um trabalho tão sério de investigação e pesquisa, digno de prêmio. E faço questão de registrar, também, o empenho de José Bonfim, nosso Brown, para convencer a imprensa de que essa era uma grande pauta.
Torci para Socorro escrever um livro com Bonfim para tornar esse fato histórico conhecido, mas a falta de tempo e de infra impediram que o projeto se realizasse. Ainda bem que Cleidiana comprou a ideia e convenceu o jornal a bancar. É uma reportagem para ser guardada e divulgada. Vejam no link o material postado no Blog do Brown.

Foto da capa do jornal A Tarde de domingo, com chamada para a 1ª reportagem da série.

http://blogdobrown.wordpress.com/

“VOTE TIRIRICA, PIOR QUE TÁ NÃO FICA”

Jadson Oliveira



De São Paulo (SP) – Pois é, vocês se lembram do humorista Tiririca, aquele da música Florentina? É candidato a deputado federal aqui nestas plagas paulistas pelo PR, Partido da República (ou Republicano?), número 2222, e o pessoal de sua campanha fala que está esperando uns 300 mil votos. É um prato cheio pra aqueles eleitores que debocham dos políticos, da política, da vida.



Além da mensagem central (título acima), aparece na propaganda eleitoral da TV soltando outras “pérolas” nada republicanas, como “Vote no abestado”, “Vocês sabem o que um deputado faz? Eu não sei, mas quando chegar lá eu conto a vocês”, e algumas frases desconexas.



Como o PR faz parte da coligação liderada pelo PT, o candidato a governador, Aloizio Mercadante, cujo nome aparece no cenário da propaganda do Tiririca, reclamou exigindo uma mensagem mais edificante. A reclamação, porém, parece não ter surtido efeito: neste sábado, dia 4, o candidato estava lá na tela da TV com seu bordão predileto: “Vote Tiririca, pior que tá não fica”.

domingo, 5 de setembro de 2010

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Mais implosão da Fonte Nova

Reação dos Orixás Oxalá e Oxum
Foto de Matheus Magenta

Arquivo do blog