Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

sexta-feira, 29 de julho de 2011

ESCLARECIMENTO

Aos distraídos, engraçadinhos,  mal informados sobre a minha pessoa  e/ou maldosos,  venho esclarecer que nada tenho a ver com a figura da nota abaixo, publicada no Bahia Notícias,  a não ser o prenome Joana  e o fato de trabalhar na Assembleia Legislativa da Bahia.  Aliás, nem conheço a moça envolvida em caso tão sinistro e vergonhoso. E Darte, é lá ela ! Eu sou  é D'Arck mesmo.  

SERVIDORA DA AL-BA PRESA POR ROUBO EM SHOPPING
Uma funcionária da Assembleia Legislativa, dona de um salário de R$ 4 mil, foi presa após tentar roubar roupas de uma loja no Shopping Barra, em Salvador. O caso ocorreu no domingo, mas só foi divulgado nesta quinta-feira (28). Joana Darte Emídio Santos, de 26 anos, entrou no provador da Zara com quatro blusas, dois terninhos e uma calça, que somam exatamente R$ 1.081. Com um alicate, a jovem retirou os dispositivos de alarme das peças, sem danificá-las, e guardou tudo na bolsa. O grande volume chamou a atenção dos seguranças do estabelecimento, que abordaram a moça. “Ela disse: ‘Quero ver quem é que vai me revistar. Se fizerem isso, eu abro um processo contra a loja’”, contou a delegada Maria Izabel Garrido, plantonista da 14ª Delegacia, na Barra. Os seguranças acionaram a polícia que, após encontrar a mercadoria na bolsa, conduziu a servidora à 14ª Delegacia. Em depoimento, Joana Darte alegou que é cleptomaníaca. Ela responderá em liberdade ao processo por furto qualificado. Informações do jornal Correio.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Da série ESCANEADOS

Resgatando esta série que ficou escanteada depois da febre Facebook e recorrendo à própria rede social, taí um flagrante do nosso pilheiro Carmel.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Por mais absurdo que pareça, isso aconteceu...

 Estas são pérolas retiradas do livro 'Desordem no tribunal'. São coisas que as pessoas disseram, e que foram transcritas textualmente pelos taquígrafos que tiveram que permanecer calmos enquanto estes diálogos realmente aconteciam à sua frente.
**Advogado** : Qual é a data do seu aniversário?
 **Testemunha**: 15 de julho.
 **Advogado** : Que ano?
 **Testemunha**: Todo ano.
 ____________________________________________
 **Advogado **: Essa doença, a miastenia gravis, afeta sua memória?
 **Testemunha**: Sim.
 **Advogado** : E de que modo ela afeta sua memória?
 **Testemunha**: Eu esqueço das coisas.
 **Advogado** : Você esquece... Pode nos dar um exemplo de algo que você
 tenha esquecido?
 ____________________________________________
 **Advogado** : Que idade tem seu filho?
 **Testemunha**: 38 ou 35, não me lembro.
 **Advogado **: Há quanto tempo ele mora com você?
 **Testemunha**: Há 45 anos.
 __________________________________________
 **Advogado** : Qual foi a primeira coisa que seu marido disse quando
 acordou aquela manhã?
 **Testemunha**: Ele disse, 'Onde estou, Bete?'
 **Advogado **: E por que você se aborreceu?
 **Testemunha**: Meu nome é Célia.
 ____________________________________________
 **Advogado** : Seu filho mais novo, o de 20 anos...
 **Testemunha**: Sim.
 **Advogado **: Que idade ele tem?
 ______________________________________________
 **Advogado **: Sobre esta foto sua... o senhor estava presente quando
 ela foi tirada?
 _______________________________________________
 **Advogado** : Então, a data de concepção do seu bebê foi 08 de agosto?
 **Testemunha**: Sim, foi.
 **Advogado **: E o que você estava fazendo nesse dia?
 _______________________________________________
 **Advogado** : Ela tinha 3 filhos, certo?
 **Testemunha**: Certo.
 **Advogado** : Quantos meninos?
 **Testemunha**: Nenhum
 **Advogado** : E quantas eram meninas?
 _______________________________________________
 **Advogado **: Sr. Marcos, por que acabou seu primeiro casamento?
 **Testemunha**: Por morte do cônjuge.
 **Advogado** : E por morte de que cônjuge ele acabou?
 _______________________________________________
 **Advogado** : Poderia descrever o suspeito?
 **Testemunha**: Ele tinha estatura mediana e usava barba.
 **Advogado** : E era um homem ou uma mulher?
 ______________________________________________
 **Advogado** : Doutor, quantas autópsias o senhor já realizou em
 pessoas mortas?
 **Testemunha**: Todas as autópsias que fiz foram em pessoas mortas...
 _______________________________________________
 **Advogado** : Aqui na corte, para cada pergunta que eu lhe fizer, sua
 resposta deve ser oral, Ok? Que escola você freqüenta?
 **Testemunha**: Oral.
 _______________________________________________

 **Advogado **: Doutor, o senhor se lembra da hora em que começou a
 examinar o corpo da vítima?
 **Testemunha**: Sim, a autópsia começou às 20:30 h.
 **Advogado** : E o sr. Décio já estava morto a essa hora?
 **Testemunha**: Não... Ele estava sentado na maca, se perguntando porque
 eu estava fazendo aquela autópsia nele.
 _____________________________________________
 **Advogado **: O senhor está qualificado para nos fornecer uma amostra
 de urina?
 _______________________________________________
 Essa é a melhor
 **Advogado** : Doutor, antes de fazer a autópsia, o senhor checou o
 pulso da vítima?
 **Testemunha**: Não.
 **Advogado** : O senhor checou a pressão arterial?
 **Testemunha**: Não.
 **Advogado **: O senhor checou a respiração?
 **Testemunha**: Não.
 **Advogado **: Então, é possível que a vítima estivesse viva quando a
 autópsia começou?
 **Testemunha**: Não.
 **Advogado** : Como o senhor pode ter essa certeza?
 **Testemunha**: Porque o cérebro do paciente estava num jarro sobre a
 mesa.
 **Advogado** : Mas ele poderia estar vivo mesmo assim?
 **Testemunha**: Sim, é possível que ele estivesse vivo e cursando
 Direito em algum lugar!!!

Charge de Borega

Via site Bahia Notícias

domingo, 24 de julho de 2011

Garota de programa foge ao descobrir que cliente era o marido

Mulher casada iria fazer o primeiro programa como
 prostituta mas deu errado porque o cliente era o marido

Vai ser azarada assim lá no cafundó do Judas! 
Querendo ganhar dinheiro, uma mulher casada que mora em Blumenau, interior de Santa Catarina, resolveu virar garota de programa. Para tentar conseguir clientes ela publicou anúncio no jornal, com nome e celular diferente, para o marido não desconfiar. A primeira ligação ocorreu justamente no horário de trabalho do marido, motivo para ela pular de alegria e correr para s braços do primeiro cliente, já pensando na grana que iria ganhar.

Mas o primeiro cliente foi justamente o marido, que viu o anúncio nos Classificados do jornal e telefonou, sem saber que se tratava da sua esposa.

O encontro foi marcado em um galpão abandonado. O cliente foi exigente pedindo para que a garota entrasse no local seminua. Quando a mulher chegou ao local, que tirou parte da roupa e entrou no galpão, viu que o cliente era o seu marido e começou a confusão.

O marido – quase traído – correu atrás da sua esposa, com um pedaço de ferro na mão, mas ela foi mais rápida, pulou várias cercas, e conseguiu escapar.

Ao conversar com a repórter do G17, Silvana Souza Sinara Silva, a mulher lamentou o episódio admitindo ser muito azarenta, e disse que não serve sequer para ser garota de programa. “Outra vez tentei conseguir um amante pela Internet mas o cara era o meu pai. Nunca tive sorte na vida”, contou a nossa repórter.


FONTE: G17

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Deixei Pingo sozinho e olha o que aconteceu

kkkkkkkk  Tô rindo pra não chorar (do face de Cyntia Campos)

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Johnnie Jadson Walker


O renomado e indefectível jornalista seabrense, Jadson Oliveira, de inestimáveis serviços prestados à imprensa brasileira, em visita à redação do Pilha Pura, deu pistas dos motivos que o levaram a empreender a longa jornada pelas américas do Sul e Central. Recentemente. Ao referir-se à nova morada em solo soteropolitano, contou que esta dista 113 passos...113passos...113 passos do Bar de Bahia. Após rápido trabalho investigativo nossos repórteres descobriram a motivação da caminhada do nosso enviado especial às terras latinas:
Johnnie Walker...Keeping walking...Johnnie o caminhador.

Just Keeping Walking (Apenas continue andando)


Verdes campos
Capim e terra
Garrafas quebradas
Tijolos e sujeira
Raios de Sol calmantes
Nuvens são nebulosas
Esquinas escuras
Sentimento preguiçoso
Jejum que conduz o carro
Elegante e moderno
Transporte público
Fotos em espera
Sangue e vidro
Três pontos de chuva
Forro de tapete
Assentos reclináveis
Fale palavras suaves em clave
Coloque-o irmão
Apenas continue andando
Cidade apertada
A cozinha viva
Um país casa
É uma vida que chuta
O dinheiro pode comprar quase tudo
Mas nada é nada quando você está morto

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Duelo de tã-tãs

Num rompante de coragem, Arapinga resolveu  desafiar o irmão mais novo do super Herald Swairys e os dois foram ao chão, com direito a torcida e tudo. Délio Swairys nem de longe lembra a forma do irmão famoso que desafiou Popó. E Araka é só pilha.
Se Herald Swairys resolve sair em defesa do irmão caçula,
 Araka está encrencado.

Gafe histórica

O editor deixou recado para o digramador no lugar errado.
Via Facebook

domingo, 17 de julho de 2011

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Rua Tilasco Pinto

Só pode ser sacanagem: Rua Timelo Rego, esquina com a Tilasco Pinto. Quem vai encarar?

Via Facebook do colega Valber Carvalho. Segundo ele, é a esquina mais temida do mundo, em Campo Grande/ Mato Grosso.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Não é miragem

Zé Sinva  no bar  tomando  coca-cola.Isso que é radicalizar! 

Coleguinhas no 2 de Julho



Com algum atraso, mas antes tarde do que nunca, algumas fotos dos colegas que fiz no desfile do 2 de Julho, já postadas no Facebook, mas como alguns deles não se renderam ainda à rede social do momento (atenção seu Françu e Matheus! rsrsr), aí estão.


Blogueiros escravizados: Lenilde e Teixeira saíram no
 melhor da festa para postar no site Bahia Toda Hora.


Companheiros de luta no velho Sinjorba: os ex-presidentes
 Beto e Navarro, e os diretores
de Defesa Profissional, eu e Miguel






Manoel e Miguel, (sentados), na Rua das Laranjeiras

O blogueiro mais entusiasmado do momento, nosso
 correspondente internacional Jadson Oliveira, sequer chegou até
a Rua das Laranjeiras para ver os colegas.
Correu para postar no seu blog EVIDEMENTE.
E como diz ele depois do terceiro ou quatro copo: VPP!

Seu Fraçu curtindo a festa no estilo paidrasto

Lúcia Correia Lima : pausa para recuperar o fôlego
Depois da festa, a parada obrigatória do restaurante no Moreira

terça-feira, 12 de julho de 2011

Vigia geralmente é informal e muitas vezes perigoso







Rodrigo Pimentel:
'Vigia geralmente é informal e muitas vezes perigoso'
Segundo o comentarista, no Brasil, como não existe formalização, o melhor é buscar uma empresa especializada em vigilância privada.
O comentarista de segurança Rodrigo Pimentel falou sobre uma das grandes preocupações nas grandes cidades: o vigia, que segundo Rodrigo, é algo informal que o governo de São Paulo está tentando formalizar. O sistema de segurança privada brasileira institui o vigilante, que é uniformizado, possui curso de qualificação e tem seus antecedentes criminais checados pela Polícia Federal.

Segundo Pimentel, o vigia é improvisado, na maioria das vezes informal e muitas das vezes perigoso. Então, a Polícia Civil está inclusive tentando montar uma rede de apoio, mas isso é informal e não cabe à Polícia Civil fiscalizar esse tipo de atividade; cabe à Polícia federal.

O comentarista afirmou que em São Paulo, quem pretende contratar um vigia deve comunicar à Policia Civil. Segundo ele, no Brasil, como não existe a formalização, o melhor é buscar uma empresa especializada em vigilância privada.

Rodrigo explicou que na prática, o vigia não existe. O que existe é o vigilante. O vigia é improvisado e quase sempre informal. Alguém que não tem curso de qualificação e foi colocado na sua rua com um colete, mas não tem carteira assinada, coisas do tipo. O vigilante é um funcionário de uma empresa de segurança privada, que fez um curso e recebeu um certificado de formação autorizado pelo governo federal.

-A minha dúvida é, quem fiscaliza os vigias que estão no Parque Cruz Aguiar?

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Quem foi Naninha?

A dona do blog, que é chamada pelos irmãos de Naninha, vem sendo desmoralizada a cada final de semana que passa em Ipitanga. Tirada a braba, vivia bradando "detesto cachorro", "não gosto de bicho"...

Aí veio um Pingo safado, que cabe numa palma de mão, e ela se desmanchou toda. O danado fez um cafuné no São João e acabou com a fama da durona. No sábado à noite, ela disputava Pingo com a filha e a afilhada e ninava o bichinho: "Pingo é meu, Pingo é meu...".

Não se faz mais Joana D´Arck como antigamente

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Padre diz que noiva sem calcinha é satanás na cabecinha

Padre Jonas Mourinho, 68 anos, responsável pela paróquia ‘Sagrada Família’ no Bairro do Vergel, localizado na periferia de Maceió em Alagoas, surpreendeu os 230 convidados de uma celebração de casamento religioso ao cancelar o evento devido à ausência de vestimenta íntima da noiva.
Padre Jonas já não havia gostado de notar o imenso decote nas costas do vestido de noiva da professora Enislene Alcântara, de 25 anos. Imediatamente após sua chegada no altar, quando se colocou de frente para o noivo o padre percebeu que o decote traseiro da moça permitia ver o derrière absolutamente desnudo.

Neste instante o padre solicitou que a noiva acompanhasse uma ministra da eucaristia até a sala de sacristia para averiguação. A ministra confirmou a suspeita do padre e o informou sobre o veredito. Depois de comunicar aos pais dos nubentes a decisão, Padre Jonas foi até ao altar avisar aos convidados que o casamento não seria realizado, pois a noiva ‘não estava respeitando o altar sagrado’.

Padre Jonas informou que é uma profanação a pessoa subir ao altar sem vestimentas íntimas. Ele ainda disse que a ministra da eucaristia havia notado que a noiva estava totalmente depilada na região pubiana, o que para o pároco é um flerte com a pedofília.
Segundo Padre Jonas “os pêlos pubianos marcam a transição entre a infância e a vida adulta, portanto retirá-los seria realizar apelo pedófilo para a prática sexual”. A noiva confirmou que estava sem calcinha e disse que se o padre notou este detalhe é porque “ao invés de celebrar ele estava pensando em ‘taradice’ comigo”.

O casal pretende agora celebrar o casamento em um terreiro de umbanda e assim homenagear a família do noivo que pratica esta religião. Padre Jonas deixou afixado na apostila do curso de noivas dois avisos: ‘noiva sem calcinha é satanás na cabecinha’ e ‘vagina careca é o diabo na boneca’. Assim ele espera não mais viver este tipo de constrangimento.

*Reprodução do Bahia Notícias Brasil

“Pensamentando” com Béu Machado

Setúbal, Washington Falcão, Raimundo Lima e Capinan
Ontem, quarta, dia 6, foi dia de lembrar o nosso Béu Machado, jornalista bom e querido desta terra da Bahia que se foi muito cedo. Irreverente e cheio de “tiradas”. Tantas que Washington Falcão (autor da “orelha”) garimpou umas 300 e organizou o livro “Pensamentando”, lançado numa noite de alegria, boas lembranças e bom papo entre colegas, amigos e amigas, no acolhedor Grande Sertão. Ilustrações de Setúbal e textos de boas-vindas de Raimundo Lima e Capinan. A renda vai pra Creche Béu Machado, mantida pelos esforços da viúva Maria José (Nenem), com a ajuda dos muitos amigos/amigas que ela e o marido souberam cultivar. A publicação tem o apoio de Quality Cultural/Grupo Aldeia e Idea Design.
Minha lembrança de Béu: eu era iniciante como repórter (no nosso meio a gente fala, ou falava, foca). Béu, já tarimbado no ofício, era copidesque (pra quem não é do ramo, uma espécie de revisor, ou seja, ajeitava o texto dos repórteres, especialmente dos focas). E Béu, pessoa boa que era, além de consertar nossa escrita torta, ainda se dava o trabalho de escrever e botar no mural comentários sobre os erros mais comuns, os vícios dos futuros jornalistas, as besteiras que a gente escrevia, etc, etc, sem citar, claro, os autores dos erros/vícios/besteiras. Eu lia seus ensinamentos com avidez, ficava agradecido e admirado: não desfrutava da sua intimidade e pensava: esse cara é gente boa. Acho que aprendi alguma coisa com ele.
Nossa leve convivência, creio que foi na Tribuna da Bahia e/ou Jornal da Bahia. Sua última fase foi n’A Tarde, “vespertino” no qual não tive a sorte (ou o azar) de trabalhar, trago, aliás, uma espécie de complexo de inferioridade por isto. Porque, pelo menos naquela época, lá pelas décadas de 70/80 do século passado, A Tarde era A Tarde! Jornalista baiano, jornalista baiano MESMO, sem nunca ter servido na redação comandada por “doutor Jorge”, ficava assim meio incompleto, seria uma fraude?  
Até que tentei uma vez, através da companheira Cidélia e seu amigo Aurélio Velame (por sinal, compadre de Béu). Não sei bem o que de fato aconteceu. Consta nos “anais” que um dos então chefes na redação teria vetado meu nome, com uma observação intrigante: eu seria neurótico. Fiquei assim meio descabriado, mais ainda quando minha então mulher Eni me confessou que concordava com o diagnóstico do chefe d’A Tarde.
Bem, em compensação, depois que virei blogueiro/trota-mundo, brilhei nas páginas d’A Tarde numa ampla entrevista feita pelo companheiro Biaggio Talento. E hoje, quinta, dia 7, acabei de saber por nossa Olivinha que estou citado na prestigiada coluna Tempo Presente, do querido Levi Vasconcelos. É a glória!
Maria José (Nenem), a viúva de Béu
Sinval e o casal Machado/Maria da Glória
Teixeira
O empresário Tibério Pithon com uma amiga
Gereba

terça-feira, 5 de julho de 2011

Lançamento do livro de Bel Machado

Lançameto do livro de Béu Machado "Pensamentando"

Dia 06 de julho no restaurante Grande Sertão às 19H

A renda será revertida para a manutenção da Creche Béu Machado.
 

CORDELIANDO O FORRÓ

Dinho Oliveira - voz e violão
Vado - sanfona
Kiko Lisboa - triângulo
Ricardo Hardmann - zabumba

segunda-feira, 4 de julho de 2011

domingo, 3 de julho de 2011

Protesto no 2 de Julho: Meu ouvido não é penico

A baixa qualidade das letras das músicas que na atualidade tanto sucesso fazem na Bahia, fez Raulzito voltar do além para protestar no 2 de Julho. É muita baixaria mesmo. Salve Raul Seixas!

Os balizos voltaram a brilhar no 2 de Julho

Os  "balizos"  foram mais uma vez a grande atração do cortejo do 2 de Julho no circuito da manhã (Lapinha/Terreiro de Jesus). Dessa vez o sol ajudou para a apresentação nas ladeiras do Centro Histórico, ao contrário do  ano passado, quando  os  "balizos" enfrentaram a chuva e a discriminação da Associação de Fanfarras, que proibiu a apresentação desses que são a melhor atração do desfile, depois do caboclo e da cabocla.



Quem é maior: Moema ou Grampinho?


Prefeita exibe salto que usou para acompanhar o
cortejo do 2 de Julho, descendo e subindo
ladeiras sem perder o equilíbrio.


O coronel e o lobisomem



Tarso Franco e Chico Vasconcelos



sábado, 2 de julho de 2011

2 de Julho: o imenso palco dos movimentos sociais da Bahia (vídeo)

<iframe width="425" height="349" src="http://www.youtube.com/embed/M1td65xHyYw?hl=pt&fs=1" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>
Pequena mostra do 2 de Julho, a grande festa popular de Salvador/Bahia, quando dezenas dos mais variados movimentos sociais baianos se manifestam nas ruas: pela manhã, a parte mais popular e mais agitada, do  Largo da Lapinha e Largo da Soledade, passando pelo Pelourinho, Terreiro de Jesus e Praça Municipal. Daí, à tarde, o caboclo e a cabocla são conduzidos até o Campo Grande.
Neste vídeo, especial para o Pilha, temos a bela demonstração da Fanfarra de Casa Nova. Clique aqui e veja muito mais.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

HAPPY HOUR DOS PALHAÇOS DO RIO VERMELHO



Olá Palhaços, olha a cobra, anarriê!

Depois das quadrilhas, muito forró, licor, bombas, fumaça... e de pular fogueiras, estamos de volta.
Desta vez vamos curtir um som mais tranquilo e num horário mais cedo, trata-se do 1º Happy Hour dos Palhaços do Rio Ver melho.
Apresentaremos o mesmo formato do antigo Sarau da Rural que acontecia na Dinha do acarajé, com a duo Moura e Silva (Zito Moura - Teclados e Luciano Silva - Saxofone), com um repertório recheado de música instrumental de qualidade e o DJ Ruy Santana que também tem umas pérolas neste estilo.
Tudo vai acontecer no aconchegante Bar do Nandão que fica na Pracinha do Parque Cruz Aguiar com muitas árvores e simpatia.
Esperamos por voces.

Abraços
Palhaços do Rio Vermelho

Serviço:
1º Happy Hour dos Palhaços do Rio Vermelho
Local: Bar do Nandão, Rua Alagoinhas - 100, Parque Cruz Aguiar, Rio Vermelho
Data: 08/07/2001 (sexta-feira)
Hora: Das 18h às 22h
Atrção: Moura e Silva - Dj Ruy Santana
Couverte artístico: R$ 10,00

Nem Chico escapa das más línguas na internet

Êta São João danado de bom, esse de Mucugê



Texto e fotos da enviada especial do Pilha, Isabel Santos


Tava danado de bom, o São em Mucugê, na Chapada Diamantina. Forró pé-de-serrá, literalmente ao pé da serra, com friozinho, fogueira, tranqulidade... Deu vontade de esticar até não poder mais.
 A cidade de 15 mil habitantes festeja São João com alvorada, procissão, apresentação teatral, casamento na roça, grupo Cangaceiro, e quadrilha de crianças, jovens e travestidos nas praças,  - aliás, o grupo percorre todo o centro da pequena e agradabilíssima cidade, tendo como ponto de retorno e às vezes saída, a igreja, que fica localizada na entrada da cidade. Dá gosto de ver as fachadas das casas enfeitadas (parece miniaturas), com cortinas nas janelas e outras decorações - cada uma caprichando para ser a vencedora do concurso da casa mais ornamentada e com originalida (os jurados são os nativos e os visitantes).



Shows com o que há de melhor em bandas de forró, a exemplo da Flor do Cangaço, Hugo Luna. Carlos Pita esteve lá e arrasou, com seu bando anunciador. Com dois palcos fazendo revezando de shows era difícil ficar parado...


Destaque mais ainda para a cultura da cidade. A Sociedade Filarmônica 23 de Dezembro tocando lindamente às 6h da manhã e o povo seguindo, tirando foto, dançando. Viva seu 'Labareda' com seu trombone, a maestro que toca em todas as bandas filarmônicas ou não. Eta baixinho arretado (só esqueci o nome).  Tem também o grupo 'Cangaceiros', com uma bela performance, que tem até frango (ou será galinha) assado na fogueira acesa em plena praça (no meio da tarde). Os turistas disputas uma 'lasca' do animal sapecado.


Este ano apareceu um mini-trio acompanhando um bloco do Bode, mesmo tocando forró. Deu aquele 'aperto" no coração. Tomara que a coisa não renda para carnaforró, cordas e tudo mais que não pensamos vivenciar quando saímos da capital, enfrentando aquele irritante engarrafamento (ninguém merece) na BR324. Também queremos insistir com o prefeito para retirar os carros do centro da cidade. Tem visitante que não quer botar o pé naquelas belas pedras e fica circulando de carro. os veículos também são estacionados na frente das casas, tirando a beleza do lugar, e muitas vezes impedindo a bela foto das fachadas da casa. Se liga aí prefeito Fernando Medrado e ouça as reivindicações feitas por turistas baianos e de todo o Brasil nas pesquisas feitas durante o São João. Mucugê, cidade linda de se vê, curtir e proteger.    



Os meninos também se divertiram com tudo

Arquivo do blog