Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Minha vida fora de série

Nana e a escritora Paula Pimenta
A pillhinha do blog chegou à  quinta Bienal do Livro em sua vida (essa é a 10ª edição do evento na Bahia) com mais um motivo para curtir a leitura. De cara a cara com a escritora brasileira predileta, Paula Pimenta  (sim porque essa nova geração adoooooooooooooora os americanos Rick Riordan, da série de Percy Jackson,  Sara Shepard, pretty litle little liare,  e a inglesa  J. K. Rorwling, de Harry Poter), ela vibrou ao conhecer a autora de tantas histórias que vem se deliciando.  Encantada com a série "Fazendo meu filme", que conta a história de uma adolescente e as suas aventuras com amigos na escola e na vivência de um intercâmbio em Londres, ela não podia perder o lançamento de "Minha vida fora de série", da mesma autora, na mesma linha.

A 10ª edição do  da Bienal na Bahia começou no dia 28 e vai até o próximo dia 6.


Devorando o livro na fila de autógrafos


O sonhado autógrafo de Paula Pimenta

Palhaços com Maniçoba




Salve, salve Borracharia!
Agradeçemos a equipe dos "borracheiros" e a presença de todos na Festa da Borracharia, foi muito bom!
Palhaço que é Palhaço vem com tudo e esnoba, nosso próximo encontro sera no PÓSTUDO com muita MANIÇOBA! Dia 05/11 a partir das 13 hs com o DUOSENSE (Sergio Bahia e Julio Gomes), violões, e o DJ Palhaço MANDIOCA. A sugestão gastronômica da casa é Maniçoba (R$15,00) e para quem quiser algo mais light terá RABADA e FEIJOADA . O couvert artístico será R$10,00.
Comunicamos que a festa de dezembro (10/12 - Dia internacional do Palhaço), será no Portela Café. Em seguida teremos mais 2 encontros em janeiro em local a ser definido, e 11/02 o Grande Desfile do Bloco dos Palhaços do Rio Vermelho.
Os Palhaços do Rio Vermelho não tem fins lucrativos, não cobram para ninguém desfilar porém, temos despesas com a Banda, o Grupo Zambiapunga, Seguranças...
Por estes motivos, é que contamos com a participação de voces nos proximos eventos para continuarmos fazendo o nosso Pré-carnaval.
Obrigado e até dia 05/11 (sábado)
Abraços.
Palhaços do Rio Vermelho
SERVIÇO:
Palhaços do Rio Vermelho no PÓSTUDO (em cima do Free Shopping no Rio Vermelho).
Data: 05/11/2011 - sábado
Hora: 13h
Atrações: Duosense e DJ Mandioca
Couvert: R$ 10,00
Sugestão da casa: Maniçoba

Tel: 3334 0484

Perigo na Praia de Ipitanga - prefeitura de Salvador fez "maquiagem"


Apesar de deliciosa e uma das poucas onde ainda podemos desfrutar de uma certa infraestrutura, graças a iniciativas da Prefeitura de Lauro de Freitas e de empresários, a Praia de Ipitanga está um perigo, por irresponsabilidade da prefeitura de Salvador que demoliu as barracas em abril deste ano e largou os entulhos por lá. E muitas vigas de ferro, totalmente enferrujadas, estão expostas na areia, podendo causar acidentes graves.

Além disso, é evidente que a prefeitura de Salvador se limitou a fazer uma maquiagem na orla de Ipitanga, deixando o serviço pela metade. Quem passa pela calçada certamente acha o visual lindo, mas se tentar descer para a praia pode se dar mal se não tiver atenção, pois o acesso é o pior possível, sem qualquer acabamento. Banhistas já se feriram por descerem correndo, devido à areia quente, e se depararem com montes de pedras, tijolos e ferros retorcidos.

O pior são as rampas de acesso para deficientes e pessoas com mobilidade reduzida. Na época da demolição garantiram (dirigentes da Sucom e da prefeitura) que elas não seriam destruídas. O resultado está aí até hoje: deixaram as rampas pela metade e se algum desavisado resolver descer vai se espatifar em cima de pedras. 



Nesta postagem anterior, do dia da destruição das barracas de Ipitanga (em abril), eu chamava atenção justamente para o absurdo que estavam fazendo com as rampas para pessoas com mobilidade reduzida, construídas pela prefeitura de Lauro de Freitas com recursos federais, como deixa claro a prefeita Moema.
http://pilhapuradejoaninha.blogspot.com/2011/04/nao-falo-com-quem-nao-garante-as-calcas.html

domingo, 30 de outubro de 2011

Tá gatinho não!!!!!!


A espiada do lagarto

Ultimamente curtinho um videozinho duvidoso entitulado
"Se o Largato Mama?",
Arapinga deve estar a se perguntar: "E se o largato come?" .
O agitado final de semana em Ipitanga teve o testemunho de um bichinho corajoso e curioso, um lagartinho esperto que ficou o tempo todo procurando ver o que se passava acima.



O largato espiou tudo: do delicioso rodízio de mariscos
 (ostra crua, lambreta, caranguejada e siri catado)
oferecido pelo casal Marcão e Marília, vizinhos de Mônica e Délio,
 à nossa animação cantando Raul Seixas.


sábado, 29 de outubro de 2011

Coragem

"Coragem, às vezes, é desapego. É parar de se esticar, em vão, para trazer a linha de volta. É permitir que voe sem que nos leve junto. É aceitar que a esperança há muito se desprendeu do sonho. É aceitar doer inteiro até florir de novo. É abençoar o amor, aquele lá, que a gente não alcança mais".
(Ana Jácomo)

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Pra quem gosta de música, apresentando: Dasantiga Banda


O grupo Dasantiga é formado por quatro meninos de 11 e 12 anos, e dois deles são meus colegas lá do ISBA, Léo Caputo e Natan Drubi. Minha professora de inglês fez um projeto dos Beatles e eles vão fazer um cover deles. A banda é super legal, já tem pouco mais de um ano, e eles tocam muito bem. Saiu uma matéria sobre eles lá no G1 Bahia, quem quiser dar uma olhada é só clicar no link. Tô postando principalmente pra quem gosta de música e pode achar interessante que não são só adultos que tocam e fazem músicas boas, e que nem todas as crianças perdem o tempo livre só na internet e em jogos de videogame. Também tem uma página da banda no Facebook, ok? Entra aí e dá uma olhada, povo, e depois diz o que achou.


Morre "Major"



Morreu ontem à noite, aos 62 anos, o jornalista Wellington Fonseca Ribeiro, o velho  "Major”, para nós aqui do Pilha. Ele atuou no extinto Jornal da Bahia e colaborou com outros veículos de comunicação com artigos e matérias. Era formado em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia, onde também concluiu o curso de Filosofia. Na Facom, chegou a ser presidente do Diretório Acadêmico.

O jornalista era natural de Campo Alegre de Lourdes, no norte do Estado, e tentou algumas vezes a carreira política. Wellington não resistiu a complicações provocadas pelo diabetes e a hepatite.

Mais conhecido pelo  apelido dado por colegas do Curso de Comunicação que o achavam parecido com o Major Cosme de Farias,  foi um dos idealizadores do Movimento Brasil Brizola e da Ala Jovem do MDB.


terça-feira, 25 de outubro de 2011

"Só quem partiu, pode voltar..."

A pose na despedida: Léa, Ana Carolina, Marina, Kilda, Verônica e Deta
Deta, que Manuela, Tarso, Sara, a que vem vindo, Lena, Neide e etc, etc te recebam bem e te devolvam inteira aos que também te amamos;

Que a velha e carcomida Europa te seja amena, apesar dos pesares e do frio;

Que o "cavalo de ferro" te leve e te traga sã e salva. 

Uma "cantante" de Gil, meio Caetano de ser

domingo, 23 de outubro de 2011

Elas e eles arrasam

Filosofia de traseira de caminhão

Para rir um pouco nesse domingo de tempo esquisito.

'Nóis só num bebe acetona
porque tira o esmalte dos dente.'


PIOR DO QUE NÃO TER O QUE VESTIR,
É NÃO TER ALGUÉM PARA TE DESPIR...

Casamento começa em 'motel'
e termina em 'pensão'!

'Um casamento vai para o brejo, quando você começa a engolir
tantos sapos, que não sobra mais tempo para comer a perereca!'


"É fazendo muita merda que se aduba a vida!!!"

'Ironia do destino é quando um jardineiro tem um filho florzinha e uma filha trepadeira...'

"Que mulher nunca comeu uma caixa de Bis por ansiedade, uma folha de alface por
vaidade e um cafajeste por saudade?"

sábado, 22 de outubro de 2011

Glauber Rocha homenageado na Assembleia

Joca (João Carlos Teixeira Gomes), amigo e biógrafo do genial cineasta baiano,
destacou sua condição de grande intelectual do Terceiro Mundo, estudioso e
conhecedor da realidade brasileira (Foto: Manoel Porto)
Alvinho (deputado Álvaro Gomes, PC do B) foi o responsável pela
sessão especial da Assembleia, na tarde de quinta, dia 20
 (Foto: Manoel Porto)
Fábio Paes deu o toque especial ao entoar a bela trilha sonora de Deus
e o Diabo na Terra do Sol: "Procura Antonio das Mortes, matador,
matador de cangaceiro..." (Foto: Manoel Porto)
No plenário, muitos amigos, contemporâneos e admiradores de
Glauber (Foto: Manoel Porto)
Olivinha (Olívia Soares), organizadora e
grande anfitriã (Foto: Paulo Mocofaia)
E aqui, uma bancada muito especial, a "bancada do Pilha": este
repórter/blogueiro, Joana e Simoa (Foto: Manoel Porto)

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Kadafi não morreu!


Ele está disfarçado, trabalhando na Assembleia Legislativa da Bahia.

Windows of Wall Street

O jornalista Ney Sá nos enviou esse texto para compatilharmos aqui  com o seleto público do Pilha, esse blog onde rola de tudo, das piadas  e provocações aos momentos de reflexão. Taí a contribuição do amigo e colega.

Ney Sá
Agora que a crise bumerangue retorna às terras do Tio Sam, o povo estadunidense vai às ruas para protestar contra a concentração de renda, o desemprego e as desigualdades sociais. É louvável a mobilização e deve-se reconhecer essa capacidade de organização demonstrada, mas não podemos esquecer que a matriz ideológica que move os protestos bebe na mesma fonte way of life do capitalismo (e das crises) que eles exportam.

O cidadão norte-americano médio tem certa dificuldade de localizar outros países no mapa mundi. Há uma unanimidade umbilical sobre as preocupações que movem os interesses populares naquele país (e como diria Nelson Rodrigues, essa unanimidade não pode ser chamada de prodígio). Assim, ao assistirmos as concentrações de protesto em Wall Street, vale lembrar que os 99% brandidos nas faixas, cartazes e palavras de ordem não se referem ao planeta terra, mas ao USA planet.

Há que fazer uma diferenciação emocional. Com o olhar brasileiro que usamos, a tendência é achar que estão falando em nome do mundo. Não estão. Falam em nome deles próprios. Cada um na multidão representa a si próprio "all by myself". O rótulo de fracassado (loser), estigmatizado na cultura do tio Sam, não costuma ponderar o ambiente e a conjuntura, mas tão somente a capacidade individual. Daí a apologia ao "self made man". Esses valores são repetidos ad nauseam nos folhetins holiudianos. E se chegam com tanta força aqui, imagine o impacto dessa doutrinação lá...

Simbolicamente, numa dessas parcas reportagens que a grande mídia brasileira tem feito sobre os acontecimentos de Wall Street, mostraram um cartaz exibido através das janelas de uma daquelas corretoras de valores, onde se lia "We are the 1%". Resposta óbvia, com cheiro de provocação, mas profundamente verdadeira. Se a representação dos 99% está nas ruas, quem está empregado e trabalhando - especialmente em Wall Street -, é o restante 1%. Mas cito isso para dizer que em essência não há diferença entre o estadunidense que segura o cartaz de 99% e o que exibe a faixa de 1%. Trocariam de faixa sem remorso se a situação pessoal de cada um fosse oposta.

Está aí, para mim, a diferença básica entre os protestos nas ruas dos Estados Unidos e as que acontecem em nossos desunidos estados. No que pese o paradoxo da desunião embrionária nos movimentos sociais brasileiros, quando uma iniciativa cresce ao ponto de ganhar as ruas, ganha também uma simpatia generalizada. A marcha contra a corrupção, no dia 12 de outubro, é um exemplo típico. Duvido que diante da janela de qualquer dos gabinetes de Brasília, alguém – mesmo como piada -, colocasse o cartaz “nós somos os corruptos”.

Há nas bandeiras dos movimentos sociais brasileiros o DNA da solidariedade. Não por uma identificação direta com a causa, mas porque o brasileiro tem ainda na sua cultura emocional o vírus da empatia. E não creio que seja a síndrome de Estocolmo. Acho que é coisa do capitalismo tardio, talvez a “anti-lei” de Gerson, não sei. Mas sinto que o Brasil avança em solidariedade quando as causas são grandiosas, mesmo que não sejam assim tão grandes.

Não nos faltam solidariedade, nem indignação. Somos mestres em reclamação. O que falta é transformar as intenções em gestos! Isto temos que aprender com eles: ir para as ruas e deixar a cômoda posição da janela.

Ney Sá

Inauguração da ponte Salvador-Itaparica

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

O poetinha faria hoje 98 anos

Elegia Lírica
Vinicius de Moraes



(...)

A minha namorada é tão bonita, tem olhos como besourinhos do céu

Tem olhos como estrelinhas que estão sempre balbuciando aos passarinhos...

É tão bonita! tem um cabelo fino, um corpo menino e um andar pequenino

E é a minha namorada... vai e vem como uma patativa, de repente morre de amor

Tem fala de S e dá a impressão que está entrando por uma nuvem adentro...

Meu Deus, eu queria brincar com ela, fazer comidinha, jogar nai-ou-nentes

Rir e num átimo dar um beijo nela e sair correndo

E ficar de longe espiando-lhe a zanga, meio vexado, meio sem saber o que faça...

A minha namorada é muito culta, sabe aritmética, geografia, história, contraponto

E se eu lhe perguntar qual a cor mais bonita ela não dirá que é a roxa porém brique.

Ela faz coleção de cactos, acorda cedo vai para o trabalho

E nunca se esquece que é a menininha do poeta.

Se eu lhe perguntar: Meu anjo, quer ir à Europa? ela diz: Quero se mamãe for!

Se eu lhe perguntar: Meu anjo, quer casar comigo? Ela diz... — não, ela não acredita.

É doce! gosta muito de mim e sabe dizer sem lágrimas:

Vou sentir tantas saudades quando você for...

É uma nossa senhorazinha, é uma cigana, é uma coisa

Que me faz chorar na rua, dançar no quarto, ter vontade de me matar e de ser presidente da república.

É boba, ela! tudo faz, tudo sabe, é linda, ó anjo de Domremy!

Dêem-lhe uma espada, constrói um reino ; dêem-lhe uma agulha, faz um crochê

Dêem-lhe um teclado, faz uma aurora, dêem-lhe razão, faz uma briga...!

E do pobre ser que Deus lhe deu, eu, filho pródigo, poeta cheio de erros

Ela fez um eterno perdido...


O poema acima foi extraído do livro"Antologia Poética", Editora do Autor – Rio de Janeiro, 1960, pág. 68.

Glauber Rocha, esse vulcão, por Joca

Ninguém melhor do que Joca (João Carlos Teixeira Gomes) pra falar de Glauber Rocha, sobre quem se poderia alinhar uma infinidade de predicados, a começar por genial até desembocar em controverso.

"Esse vulcão" é do título da biografia sobre o afamado cineasta baiano/brasileiro/do mundo, da lavra de Joca, professor, escritor e notável especialmente como jornalista, aquele editor-chefe do Jornal da Bahia nos difíceis tempos de "Não deixe esta chama se apagar", comandou uma equipe que desafiou o poder quase ilimitado, auge da ditadura militar, do déspota da província da Bahia, o ACM, Antonio Carlos Magalhães.

(Outro dia eu estava espiando a placa de inauguração daquele restaurante de 1 real, lá no Comércio, menciona o "governador" de então César Borges e registra a participação no ato inaugural do "ex-presidente do Congresso Nacional, Dr. Antonio Carlos Magalhães", que coisa, hein!?).

Pois é, Joca vai falar em sessão especial da Assembleia Legislativa sobre Glauber, nesta quinta-feira, dia 20, a partir das 15 horas.

Joca não é um simples biógrafo do autor do espetacular Deus e o Diabo na Terra do Sol. Foram amigos, tiveram larga convivência na adolescência/juventude, anos 50 (ou 60?), estudaram juntos no Colégio Central, brilharam juntos na chamada Geração Mapa, movimento cultural da época, em companhia de gente não menos brilhante, como o escritor João Ubaldo Ribeiro e o poeta Fernando Peres (este último e Joca foram meus professores na Faculdade de Comunicação, anos 70).

A companheira Olivinha, amiga de Joca, por certo estará lá nos recepcionando.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Palhaços do Rio Vermelho na Borracharia



Olá Palhaços de plantão!
Depois de happy hour, feijoada... tem mais palhaçada. É com muita alegria que os Palhaços invadem a Borracharia!



Animada pelo DJ Palhaço Chave de Roda, a festa começa às 23h, convocamos todos voces para calibrar os pneus, fazer uma força e dançar muito na pista da Borracha no dia 22 de outubro. Já é quase verão, preparem seus sapatos de palhaço pra dar um chute no patrão.
Participem da festa para ajudar os Palhaços a botar o bloco na rua, nosso desfile será no dia 11/02/2012.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Jorginho de casa cheia

Deveras de casa cheia, o companheiro Jorginho Ramos lançou seu livro O Semeador de Orquestras - História de um Maestro Abolicionista (Tranquilino Bastos - 1850/1935). O salão da entrada do Irdeb, onde funciona a TV Educativa, na Federação, ficou repleto de amigos, familiares, colegas jornalistas e não jornalistas, professores, conterrâneos da sua Cachoeira e, por certo, muitos admiradores. Foi na noite desta quinta, dia 13. Com apresentação de orquestra da cidade histórica, comes da culinária afro-baiana e uma cervejinha.

No sábado, dia 15, a festa de autógrafos vai se repetir lá na sua terra. E ainda deve ter outra, um dia desses, entre a turma da Confraria, mas aí é por enquanto projeto, vamos ver. Eis uma seleção de fotos da bela e animada noitada:

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Arquivo do blog