Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

E a trilha sonora continua, mas o metrô...



Já dizia o governador Otávio Mangabeira,  pense num absurdo no mundo, há um precedente na Bahia.

Pois a Prefeitura Municipal de Salvador  está divulgando as imagens aéreas do metrô, comprovando o que já sabíamos, mas ao som de Handel, a gente tem melhor dimensão. Parece piada, mas é verdade: a trilha  do menor e mais caro metrô do mundo sequer acompanha o tempo da dessa trilha sonora.

Apesar da curta trilha, de  6,5 quilômetros de extensão, a construção do metrô de Salvador arrasta-se há mais de uma década, desde a administração de Imbassahy,  que abriu a concorrência para  a obra, em 1999.  Portanto, é também a obra mais longa do gênero.  É muito recorde para uma construção só.


Ela canta demais




terça-feira, 27 de dezembro de 2011

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

O rock "EVPP" (Evidentemente VPP)

Convido os pilheiros a entrar no meu Evidentemente e ver o vídeo em que o professor Marconi, figura marcante do bar de David, me faz uma bela homenagem com o rock "EVPP". De sobremesa, relembro o parto e o batizado do meu blog, invenção da nossa Joaninha. Link

domingo, 25 de dezembro de 2011

Natal em Piatã




Natal em Piatã, na Chapada Diamantina. Início de janeiro, se Deus quiser, estaremos aí

sábado, 24 de dezembro de 2011

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Matita Perê quebra jejum e dá banquete musical no Teatro do Sesi – Rio Vermelho


Por Rita Tavares

Minha chefa aqui pediu que eu fizesse uma resenha sobre o showdo Matita Perê, que aconteceu nesta terça, 20, no Teatro do Sesi – RioVermelho.  Imaginem, minha estréia aqui no Pilha, falando de um grupo pelo qual tenho profunda admiração. Parece fácil, né?  Né não.

Pois vamos a esse show que rendeu dois bises, tão grande era a sede de se escutar os conhecidos e os inéditos temas do grupo, depois de quase três anos de ‘jejum artístico’. Se tivessem tocado mais dez canções, o público ainda estaria ali, colado.

Acompanhados por músicos de primeira qualidade - André Becker (flauta e sax), Alexandre Montenegro (baixo) e Márcio Dhiniz (bateria) - os 'artesãos' do Matita, Luciano Aguiar e Borega, fizeram uma apresentação impecável. Borega cantando bonito, passeando entre o violão e a guitarra, desenhando belos e suscintos solos, e Luciano segurando o acompanhamento e, desta vez, se arriscando mais no canto. É redundante falar da excelência desses rapazes na composição e nas letras. Difícil não se extasiar ao ouvir o que eles produzem com irritante facilidade.

Além das belas e conhecidas Rosiana, Triângulo e Samba dos Alfaiates da Misericórdia, e outras – das quais os seguidores do trabalho mataram saudade – o grupo fez releituras de clássicos da MPB, como Triste e Águas de Março (Jobim) e Só Louco (Caymmi). Eu ria das caras de assombro e surpresa que o meu vizinho de poltrona, o percussionista sueco, Sebá, fazia, ao escutar os arranjos e as harmonias atravessadas que Borega construiu para essas canções.

Novas composições chegaram arejando o repertório e confirmando nossas expectativas: Clara, Estrada de Marte e Rendeiro de Minas. Mas a que prendeu a respiração de todos foi a Valsa do Quasar, inspiração jobiniana de Borega, de melodia linda e difícil, letrada magistral e ousadamente por Luciano, e executada pelo convidado da noite, o tecladista mineiro de Itajubá, Omar Fontes. Uma parceria entre as tantas felizes dos Matita e um dos momentos mais doces do show.

Na platéia, Roberto Mendes, Tom Tavares, João Américo, integrantes do Pirombeira, familiares,  e muitos fãs, entre eles, eu. (Claudinha Cunha garantiu que estaria em espírito e, por telefone, pediu que os meninos a desculpassem. Marcou o vôo de volta do Rio de Janeiro para o dia 20 de janeiro, quando seria para o dia 20 de dezembro.
Só conseguiu bilhete para 21h.
Enfim, não chegaria a tempo. Escorpião também tem seus dias de aquário.)

De produção totalmente independente e sem patrocínios, mas contando com a produção do músico Rafael Galeffi, o show do Matita Perê acaba sendo aquele momento que só os avisados, atentos e privilegiados sabem desfrutar. Quem não foi, não tem idéia do que perdeu. Ou melhor, quem conhece o grupo e não foi (pelo motivo que tenha sido), tem, perfeitamente, idéia do que perdeu.





segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Show do Matita Perê no Sesi nesta terça


O Matita Perê, grupo musical encabeçado pelo nosso pilheiro multitalentonso Borega, e o seu parceiro Luciano Aguiar, que há quase 3 anos não se apresenta com banda, vai interromper esse 'jejum artístico', nesta terça-feira (20/12), 20 horas, no teatro Sesi do Rio Vermelho.


Para o show, o Matita contará com o talento de André Becker (flauta e sax), Alexandre Montenegro (baixo) e Márcio Dhiniz (bateria).
Terá também como convidado, diretamente de Minas Gerais, o pianista e arrajador Omar Fontes Jr.

A produção executiva do Matita Perê está com o músico Rafael Galeffi (grupo Pirombeira).

Imperdível!

Veja mais sobre o grupo

Local: Teatro Sesi- Rio Vermelho
Data: 20/12 (Terça)
Horário: 20 horas
Ingresso: R$ 40,00

sábado, 17 de dezembro de 2011

Natal chegando...

É comum que o Natal seja a época do ano que as crianças mais gostam. Não só elas, mas todas as pessoas, porque quem não se encanta com as decorações dos shoppings, com os enfeites, com os vários Papais Noéis em todo lugar, com as árvores cada vez mais decoradas e criativas, e, naturalmente, os presentes? É, os presentes. São eles que fazem a gente esquecer, na maioria das vezes, o verdadeiro motivo do Natal. O nascimento do menino Jesus. Quando olhamos o presépio vemos ali a história dos três reis magos, da estrela-guia, dos muitos animais, da manjedoura e de Maria, José e o menino que mais tarde cresceria, faria milagres, ajudaria as pessoas e daria a vida dele por todos nós. É fácil nos deslumbrarmos na hora de ir às lojas e comprar árvores, bolinhas coloridas, presépios, estrelinhas, roupas, sapatos e outros tipos de lembrancinhas. Mas quando nos juntamos com a nossa família, comemos a ceia e celebramos, fazemos uma linda homenagem à Ele, e lembramos o verdadeiro espírito natalino. Por isso, devemos sempre lembrar que o Natal é tempo de mudar, perdoar e ser feliz, comemorando juntos. Feliz Natal para todos!

BOAS FESTAS




MAURO, JOSÉ E PEDRO




sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Mentes perigosas


Há cinco dias de molho, lutando contra uma super virose, entediada, poucas vezes com saco para navegar, postar... enfim, enjoada, mas ainda assim, doida para ganhar a rua e as mesas de bar e trocar  abobrinhas com amigos. Tudo que consegui nesse período, além de fazer algum trabalho dentro de casa, foi ler um livro pank: "Mentes perigosas - O psicopata mora ao lado”, de Ana Beatriz Barbosa Silva.

Fiquei apavorada com esse livro, passando a achar que vivemos cercados de psicopatas, esses seres vampiros, charmosos, envolventes, sedutores e inteligentes, mas sem sentimentos, sem compaixão, sem amor. Segundo a autora, são movidos pelos instintos, pelo prazer sexual, pela ambição, pela arte de enganar, de possuir e manipular as pessoas.

E engana-se quem pensa que todo psicopata é matador, serial killer, criminoso perigoso. Nada disso, você pode estar namorando um, ter amigos, filhos, vizinhos psicopatas (ai que meda!) e nunca se dar conta disso. Veja Sinopse
As características dessas criaturas são encantadoras, na descrição da autora, um convite à aventura, à vida excitante e imprevisível, mas representam um abismo, muitas vezes sem fim, porque elas podem arrasar a vida de quem encontra, dos que lhes dão confiança.

O psicopata no entanto não é visto como um doente, como um esquizofrênico, por exemplo, que pode ser tratado, socializado sem representar danos aos outros. A autora assim descreve o psicopata: “Eles vivem entre nós, parecem fisicamente conosco, mas são desprovidos deste sentido tão especial: a consciência”. Ou ainda: "Os psicopatas são vampiros da vida real. Não é exatamente o nosso sangue que eles sugam, mas sim a nossa energia emocional. Podemos considerá-los autênticas criaturas das trevas".

É de arrepiar não? A gente fica imaginando que seres são esses então? A autora não aponta solução para essas criaturas. Sinceramente não me conformo com isso. Há de surgir algum dia um jeito para humanizá-las. Ou a máxima do bom e do mau prevalecerá? Enquanto não se identifica a saída para transformar os psicopatas, você só tem uma saída, se identificar algum, CORRA!

Ponta de lança




Antônio Risério é uma figura. Li, com prazer, o último artigo dele em A Tarde, descendo o malho em J. Henrique pela esculhambação que o dito transformou Salvador. Vale a pena ser lido. Porém, ai porém, quando nos chama para o levante pensei cá com meus botões: só pode ser um levante pró Kertész, para apimentar a campanha do radialista desejoso de sentar de novo no trono municipal. Aí, ninguém merece. Vamos reviver Fernando José? Em tempo: se tal desgraça acontecer, nem o metrô meia tijela entra nos trilhos

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Não se faz mais vice como antigamente


Esse vice é do Paraguai.
Tá doidinho pra virar tricolor, mas nós não queremos não. Volta lá pro lixão de 2ª hehehehe

Bebê lendo

Esse ainda vai acabar lendo as atas dos trabalhos no plenário da Assembleia Legislativa da Bahia.
 



Lua Carrilho e Trio



A Dinda tiete convida a todos para assistir o inigualável show da afilhada Lua Carrilho, acompanhada pelo talentoso pai Miltinho e banda, nessa sexta-feira (16/12), 21 h, no Boteco do Zé no Rio Vermelho. Nos vemos por lá.

(Elcie Quadros)






domingo, 11 de dezembro de 2011

Vem aí MIL TONS, 1º disco da colega Laura Dantas

02 - MIL TONS


Apenas um "aperitivo" que Laura (compositora, cantora, jornalista...) postou no face

O lançamento será no dia 24 de janeiro, às 19h30, no teatro da Livraria Cultura do Salvador Shopping, com entrada franca!

Músicos: Rodrigo Sestrem (flauta), Otto Bruno (violão), Ricardo Hardmann (percussão), Marcelo Tribal (pandeiro), Alexandre Vieira (baixo), Daniel Velloso (bandolim)

Praia do Flamengo não há mais!

<iframe width="560" height="315" src="http://www.youtube.com/embed/2BKKIUf9tCc" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>
Era uma vez um casal baiano/suíço, Léa e Jean Pierre, que morava em Genebra-Suíça. Depois os dois mudaram pra Salvador, mais especificamente, Praia do Flamengo. Foram quase seis anos. Para os amigos, parentes e agregados, Praia do Flamengo e a casa de Léa/Jean Pierre viraram a mesma coisa. Você podia dizer: vamos à Praia do Flamengo, ou: vamos à casa de... era a mesma coisa, todo mundo entendia.
Agora, Praia do Flamengo não há mais, como diria o poeta. Já tinha o desastre da derrubada das barracas, a maior "façanha" da prefeitura da cidade, e, a partir do próximo final de semana, não há mais Jean Pierre, “o melhor”, nem Léa. É um ciclo que se fecha, pelo menos para NÓS. Que um novo, tão feliz quanto, se abra para os dois em Parnamirim, região metropolitana de Natal, Rio Grande do Norte.
Nos despedimos bem longe da Praia do Flamengo, antes cenário de tanta e tão gostosa camaradagem. Nos despedimos no belo convívio do bar de David, este, o grande David, Parque São Paulo/Jardim Apipema, local que por certo faz parte também das nossas histórias, muitas histórias. Beijos, companheiros, tudo de bom pra nós todos.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Era uma vez...

...no Brasil um mulato revolucionário chamado Carlos Marighella, um sujeito valente, impetuoso e destemido, quase 40 anos de militância contra duas ditaduras e outras supostamente democráticas, dirigente comunista, organizador de greves e até parlamentar, daqueles bem combativos, claro, e, no final, guerrilheiro.
Mas, surpreendentemente, achava tempo para compartilhar tarefas domésticas, brincar com crianças, fazer poesia e outras invenções, namorador aparentemente de grande sucesso, saía de "baiana" no carnaval... Clique aqui se quiser saber um pouco mais desse cara no Evidentemente.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Viva Marighella, guerreiro do povo brasileiro!

De brinde aos pilheiros a belíssima foto do nosso querido Manoel Porto, com o filho Carlinhos Marighella, durante sessão da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça em que o Estado brasileiro pediu desculpas por prisões, torturas e assassinato do hoje reconhecido grande patriota. No blog Evidentemente, postei (por enquanto) dois vídeos feitos na sessão, realizada em Salvador na segunda, dia 5, dia em que o mulato baiano Carlos Marighela completaria 100 anos. Clicar aqui: 

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Esculturas de Lindemderg Trindade



"A arte de Lindemberg Trindade é uma das mais
 expressivas manifestações estéticas dos geraes.
 Suas formas, ora agressivamente contorcidas,
 ora delicadamente alinhadas, surpreendem o
observador, levando-o a infinitos mundos e
 a tipos imaginários...". ((Valdenberg Trindade
- designer, artista plástico e cartunista)
Sempre que eu visitava o município de Rio de Contas (Chapada Diamantina), passava na casa de  Lindemberg Trindade,  primo de Sinval, e cada vez mais me encantava com a sua arte, com as formas  que ele conseguia dar a troncos, gravetos, cascas e cipós que garimpava nas margens do rio. 

Nunca entendi porque um artista com acervo tão belo e vasto não fazia exposição do trabalho, mas ele era  introvertido e modesto e sequer gostava de vender as suas peças. Às vezes presenteava alguém, como fez com o primo Sinval, a quem deu  uma miniatura muito interessante.

O site dedicado a esse grande artista, falecido ano passado, reúne algumas das suas peças que vale conferir:
ESCULTURAS DOS GERAES

domingo, 4 de dezembro de 2011

D@s pilheir@s ao grande ídolo


O grande capitão

Sócrates deixa pra gente imagens de uma figura fantástica e que encantou tod@s nós com a arte de jogar um futebol inteligente e virtuoso, seja no Coríntians e seja, sobretudo, na seleção, quando fez o mundo se dobrar aos seus pés, vislumbrado com a beleza de um time encantador e que teve, entre outros, grandes craques como Falcão, Júnior, Zico, Cerezzo, Luizinho, Oscar etc. Pena que a injustiça do destino não tenha permitido ele levantar o “Caneco” e que não resistiu às doses de alegria que ele encontrou num simples copo. Valeu, Doutor Sócrates!  (Sinval Soares)


quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

De Londres, no clic de Deta Maria

Manuela, ainda com Lana na barriga, no acampamento dos "indignados" de Londres
Deta Maria flagrada quando fazia a cobertura fotográfica exclusiva para o blog Evidentemente
Leia "Occupy London: a resistência continua", com fotos da baiana amiga deste Pilha Pura, ora em temporada europeia. Clicar aqui

Paradinha Gay no Rio Vermelho


Terá Negra Jhô como Rainha, Fernando
Guerreiro e Rita Batista como Padrinhos

A Paradinha será no tradicional Largo de Dinha, no próximo sábado (03/12). A concentração começa às 17h e termina às 22h.


 
Os Palhaços do Rio Vermelho vão se reunir no Passarela Bar, a partir  
das 17h, para participar deste evento. Levarão maquiagens e
 estão sugerindo aos integrantes que tem camisa do grupo para usá-la.
A idéia é apoiar esta iniciativa contra a homofobia, segundo Ruy Santana.



Idealizado pela produtora cultural Luzia Moraes, a Paradinha tem intenção de lembrar os carnavais de antigamente, com muita alegria, descontração, segurança e conscientização. Para isso o parceiro nesta jornada é o Grupo “Gapa Bahia” presidido por Harley Henriques que vai mobilizar a população do bairro do Rio Vermelho atuando com seus pilares de preservação, comunicação e educação. Outro grande parceiro é o site “Dois Terços” que vem tendo grande destaque no cenário cultural da cidade e no segmento LBGT. O site entra na co-produção do evento e na assessoria de imprensa do mesmo.

A Paradinha terá a jornalista Rita Batista como madrinha, o renomado diretor de teatro Fernando Guerreiro o grupo 3 na Foliacom as cantoras Claudia Cunha, Sandra Simões e Manuela Rodrigues serão as princesas e a rainha Negra Jhô. Quem assina a arte das faixas é o artista plástico Thiago Bols, sendo que a hora da entrega será com a cantora Juliana Ribeiro cantando o Hino Nacional, como ela fez este ano na tradicional “Parada Gay” do Campo Grande.

O projeto visa trazer para o bairro eleito pelos boêmios e intelectuais de Salvador um evento que traga toda a sensibilidade das manifestações culturais para uma “parada” pela conscientização contra a “Homofobia”. O nome ‘Paradinha” foi escolhido carinhosamente por ser um evento de menor proporções e também por ser totalmente voltado para uma programação cultural, com charangas, fanfarras e bloquinhos de rua. As atrações são DJ Pimenta, Banda Limusine, Bus Latino, DJ Phepz, participação de Marcia Short, J. Veloso, DJ Sankofa, Marília Sodré, Stella Maris, Karol Guaitolini e exposição de fotos de Lara Lins.

Realização: Ofá Produções, Gapa Bahia, Dois Terços.
Fonte : site Dois Terços e coordenação do grupo Palhaços do Rio Vermelho



Arquivo do blog