Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

domingo, 29 de janeiro de 2012

Ilê Aiyê e Criolo - Ilê Aiyê | Que Bloco É Esse?

Como que vou competir com uma modelo?

Ela já estava quarentona, os cabelos esbranquiçados já começavam a aparecer aqui e acolá, até nas partes baixas, meu Deus! tomou um susto na primeira vez que notou. E umas manchinhas na pele, uns pneuzinhos ameaçando engrossar pela cintura, aquela barriguinha despontando, a tal da ressaca moral das cervejinhas do final de semana... E tome cremes, e tome pinturas, e tome balança, uma tarde ou uma manhã por semana era sagrada no salão. Precisava deixar de fumar e adotar umas  comidinhas balanceadas. E atividades físicas, isto era o fundamental, academia no mínimo três noites por semana. Ultimamente tinha o Pilates, ah! é uma maravilha, faz milagre.
Ela estava nessa agonia, “é normal na nossa idade, né?”, comentava com as amigas buscando apoio.
E quando ela pensava que estava equilibrando o jogo, a coisa piorou. Começou a sair com um cara recém-separado. Aparentemente ia tudo bem, amor novo, aquelas expectativas. Mas aí uma amiga (mui amiga!) lhe segredou: “A ex do teu namorado é modelo”. Modelo!?, quase engasgou no seco. Aí quase pirou: bateu aquela insegurança, ainda mais que o cara continuava mantendo relações de amizade com a ex, na sua opinião relações amistosas em demasia.
Uma vez foi espiar a moça na rua: realmente era magra, magra até demais, tinha umas ancas parecendo as daquelas vacas famintas do Nordeste quando a seca batia firme. “Ah!... não achei lá grande coisa, mas delgada ela é, isso ninguém pode negar. Continuo confusa, como que vou competir com uma modelo?”, se angustiava, especialmente quando percebia (ou imaginava) o cara reparando os pneuzinhos da sua barriguinha.
A inquietação durou seis meses, com pioras ou melhoras a depender da temperatura do namoro, o que tinha tudo a ver com a angústia que oprimia seu coração. Até que um bendito dia ela armou-se de coragem e esclareceu a parada:
- Amor, me disseram que tua ex é modelo, é verdade?
- É sim, é daquelas que ficam mostrando as mãos com anéis na tela da tevê.
A partir daí, foram felizes para sempre.
(Inspirado em diálogo do filme “É Proibido Fumar”, com Glória Pires, sob direção de Ana Muylaert).

Desconvensamba da Feijoada acaba em Carnaval



Eládio tocou e cantou sucessos de Raulzito, acompanhado de Borega (baixo)

Pasmem, mas aconteceu: os jornalistas fizeram ontem o primeiro grito de Carnaval. Foi com este clima que encerramos o Desconvensamba da Feijoada, todos brincando ao som de marchinhas das antigas, puxadas por Rita Tavares (Birita) e animada por Agnes (quem diria), uma revelação na percussão. Pena que neste último momento as câmaras fotográficas já estavam com as baterias descarregadas de tantos clics que fizemos.

Carlinhos Cor das Águas e Cinho Damatta
Cinho Damatta apresentou repetório variado
Uma tarde de sábado inesquecível com este encontro de jornalistas, no terraço da Associação Baiana de Imprensa (ABI),  ao som do Matita Perê (Borega e Luciano), Cinho Damatta, Carlinhos Cor das Águas, Cárlos Eládio, parceiro de Raul Seixas nos Panteras;  todos acompanhados por Leonardo Cunha (Leo), que tocou clarinete e percussão.

Rita Tavares alternou com os colegas e encerrou com muita animação
As "panteras"
O evento, que também comemorou o aniversário de Rita Birita,  foi o terceiro de uma programação iniciada em setembro  do ano passado, com o Desconvensamba do Caururu, título proposto por Carmel. Os encontros foram  idealizados no grupo do Facebook EBC/UFBA, a partir da manifestação de muitos sobre a vontade de reencontrar pessoalmente colegas espalhados em radações de jornais, tv, rádio, sites, assessorias e em outras atividades.

Para ficar mais animado ainda, segundo a maioria que compareceu aos encontros anteriores, faltou Carmel, que ficou no Canadá com Luiza.

Fotos: Juciara Nogueira e Joana D'Arck

sábado, 28 de janeiro de 2012

Coisa feia, Zé Sinva!


Zé Sinva, botando os bofe pra fora na subida à Capelinha de Piatã, botou a culpa em Liz. Mas foi desmascarado por Hugo. E no dia seguinte ainda reclamava: "Tô com as pernas doendo de carregar Liz pra cima e pra baixo". Ele reclama com o irmão, Walter, de 74 anos, p/q tá subindo muito rápido  kkkkkkk  (desculpa, gente, o vídeo não entrou. Fica a foto, mas ainda vou conseguir postar o vídeo)

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Beatles em Rio de Contas

A famosa banda inglesa começou a meteórica carreira de sucessos na década de 1960, animando bailes de formatura em Rio de Contas e Caraguataí.

A música Help, um dos grandes sucessos do quatro cabeludos, foi composta no dia em que John Lennon ficou entalado com espinhos de pequi, após um almoço na Pensão Brandão.

Esta foto histórica, tirada por Fizim de Mansuetti, no Largo do Rosário, foi a inspiração para a capa do álbum Abbey Road.

Realize uma viagem de sonhos, conheça Rio de Contas, na Bahia!

(Texto e foto reproduzidos do blog Waldenberg Trindade- Humor design)

A prostituta e o delegado

Filipe Catto - Crime Passional - Clipe

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Lírica - Quisera Mais-que-Perfeito (legendado)



Gravem este nome: Kareen Couto. Composição de Deivisson Leão e Kareen Couto para o Festival Vozes da Terra, em Feira de Santana.
Filha de Sônia, prima de Délio e Zé Sinva.

PARA LUCI BRUNI


Tem Lua toda sexta no Boteco do Zé

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

A poderosa chefona da Petrobrás foi catadora de latinha


(Carta Maior; 3ª feira; 24/01/ 2012)
A nova presidenta da Petrobrás, Maria da Graça Foster, nasceu num favela. Sua infância foi vivida no Morro do Adeus, no Rio de Janeiro, que hoje integra o Complexo do Alemão.

Até os 12 anos, ela catou papel e lata na rua para custear os estudos, como narrou recentemente em entrevista ao jornal Valor. Há mais de três década na Petrobrás Graça sucederá a José Sérgio Gabrielli, que dirigiu a estatal no ciclo mais importante desde sua criação, nos anos 50.

A mulher que assume esse patrimônio histórico sabe onde o Brasil grita e precisa ser ouvido. O Brasil pobre hoje grita em ‘Pinheirinho’, por exemplo, a ocupação de quase seis mil pessoas, violentamente despejada neste domingo em São José dos Campos (SP). No momento em que a truculência do dinheiro e o menosprezo conservador pelos excluídos produz uma tríplice aliança entre o poder judicial paulista, o governo do Estado e a administração tucana de São José dos Campos, é valioso saber que dentro do governo existem olhos e ouvidos que sabem onde o Brasil grita. Reverter o arrasa-terra em ‘Pinheirinho’ seria a melhor forma de o governo Dilma transformar a nomeação de Graça Foster mais do que numa boa notícia: um símbolo de seu mandato, em defesa das meninas pobres que ainda catam papel e lata nas ruas do país.
(Carta Maior; 3ª feira; 24/01/ 2012)

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Ela é a dona do jogo

Pedindo licença para prestar uma homenagem especial à D. Elza, minha mãe, que ontem (23) completou mais um ano de vida. Não vou dizer a idade porque essa senhora hiper vaidosa, que sempre considerou esse tipo de pergunta (quantos anos) uma grande falta de educação, continua se sentindo jovem . E está mesmo. Passou o dia comemorando o níver na maior disposição e alegria. Começou curtindo uma praia no Flamengo/Ipitanga e encerrou, à noite, na Barra, cercada de filhos (dos 11, só faltaram dois, Helena e João), netos (a maior parte dos 25) e agregados num bar desses da moda de carangueijo.










 

Manifesto do MOVIMENTO VOZES DE SALVADOR


Divulgando a pedido do professor, escritor, antropólogo e amigo do Pilha Pura, Ordep Serra


O MOVIMENTO VOZES DE SALVADOR vem a público denunciar a agressão criminosa de que a cidade foi vítima, atingida por sucessivos desmandos da administração iníqua e deletéria do Sr. João Henrique Barradas Carneiro, cujos despautérios, seguidos e crescentes, culminaram na sanção de uma lei municipal que desrespeita leis federais e a própria Constituição Brasileira, configurando um verdadeiro golpe contra a democracia e o estado de direito. É de conhecimento geral que Salvador foi reduzida a uma situação de descalabro por essa administração irresponsável, bisonha, divorciada do interesse público, complacente com a ganância imobiliária, hostil ao povo. São muitos os motivos para protesto: a degradação da orla, a devastação ambiental, a privatização descarada de espaços públicos, o colapso da mobilidade urbana com o estrangulamento crescente do trânsito, as roubalheiras do metrô e da transcom (entre outras rapinagens), a desmoralização do planejamento urbano, a sujeira, as ruas esburacadas, o aumento infrene da violência e da segregação, da miséria e do turismo sexual, a precariedade dos serviços públicos de atendimento ao cidadão em todas as áreas básicas (com destaque para o péssimo funcionamento dos postos de saúde e das escolas municipais), os acordos subterrâneos com a máfia dos transportes e a máfia do lixo, o colapso financeiro do município, a falta de transparência em todos os planos da gestão, principalmente no tratamento das verbas e contas públicas, o agravamento da das condições negativas que deterioram a qualidade de vida da população nas áreas da periferia e do miolo,  o vilipêndio da cultura com o injurioso tratamento dispensado ao patrimônio histórico e artístico da cidade, o desrespeito sistemático aos artistas e produtores independentes, a mercantilização e grosseira deformação do  carnaval baiano, das festas e tradições populares da urbe, o desfiguramento sistemático da paisagem soteropolitana por descaso do gestor e por sua conivência com os interesses espúrios de quem a compromete e depreda. Já é muito, sem dúvida; todavia, um patamar ainda mais grave foi atingido com a açodada proposição e votação de uma LOUOS em período exíguo, sem possibilidade de análise pelos edis, sem verdadeira consulta pública, reduzida a uma farsa, e com desacato a interdito judicial, alterando brutalmente o Plano Diretor do Desenvolvimento Urbano que deveria apenas regulamentar, mutilando o Conselho da Cidade antes de o ter instalado e assim fazendo violência à lei federal, à democracia participativa que a Constituição preconiza e ao interesse público. No bojo dessa legislação insana, sacrifica-se à ganância imobiliária a última grande reserva de mata atlântica de Salvador, o Vale Encantado, que inclui área sagrada para as religiões de matriz africana; além disso, aumenta-se estupidamente o gabarito das edificações da orla, de forma tal que promove o sombreamento das praias e reduz de forma criminosa a aeração da cidade, entre outras aberrações. O MOVIMENTO VOZES DE SALVADOR conclama todos os cidadãos a lutar pelos seus direitos ameaçados, opondo-se a essa onda de violência que se volta contra a capital da Bahia e atinge de maneira brutal nossas leis maiores.
          

domingo, 22 de janeiro de 2012

Jornada Lindemberg Cardoso presta homenagem ao idealizador José Caires Meira


A IX Jornada Lindembergue Cardoso, evento cultural realizado desde meados dos anos 90 para manter viva a memória e a obra do ilustre maestro, fará uma homenagem especial ao seu idealizador, o presidente do Sindicato dos Médicos da Bahia, José Caires Meira, que morreu no último dia 7 de janeiro. A Jornada acontece nos dias 26 a 29 de Janeiro, no município baiano de Livramento de Nossa Senhora (terra natal também de Délio e José Sinval, na Chapada Diamantina). Toda a programação pensada e articulada por ele será mantida.
Já integrada ao calendário cultural de Livramento, a Jornada Lindembergue Cardoso traz como atração principal, em sua nona edição, o cantor e compositor Elomar, artista de reconhecimento internacional por seu trabalho de raízes regionais e eruditas.  Sob o lema Uma música em cada canto, o evento reúne, em diversos pontos turísticos da bucólica cidade do sudoeste baiano, estilos musicais variados – chorinho, samba, pop-rock e baião –, e resgata o cordel como importante manifestação literária.
Ainda na programação, Fred Menendez e Orquestra, Jânio Arapiranga, Ely Pinto (cover de Raul Seixas), Tuzé de Abreu, Os Guará do Nordeste, Filarmônica de Brumado e Filarmônica Lindemberg Cardoso, entre outros.
Após oito anos de realização através de financiamento proveniente de doações, apoio do comércio local (Livramento) e recursos particulares, pela primeira vez a Jornada contará com o apoio financeiro da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, por meio do Fundo de Cultura.

PROGRAMAÇÃO – IX Jornada Lindembergue Cardoso  
Dia 26/01, 19h - Praça Zezinho Tanajura
Abertura: Grupo Musical de Dom Basílio, Fred Menendez (Salvador) e Orquestra Ely Pinto (Cover de Raul Seixas) - Rio de Contas Banda Politrauma (Livramento)  
27/01, 8h - Praça da Feira - Concertos Musicais com Fred Menendez, Tuzé de Abreu, Zé Quixin, Toezin Araújo, Né Meira e Convidados  
28/01 - 19h - Praça Zezinho Tanajura
Banda Androns, Literatura de Cordel com Creusa Meira, Ester Ligia Machado, Zé Walter, Alberto Lima e Onildo Barbosa Sapiranga e Sérgio Bahia Evandro Correia
Onildo Barbosa e Banda Os Guará do Nordeste  
Dia 29/01 - Praça Centro Diocesano 9h - Filarmônica de Brumado
Praça Zezinho Tanajura 9h - Filarmônica Lindembergue Cardoso
19h - Grupo de Flautas (Livramento), Jânio Arapiranga, Chorinho Cantado, com Camila, Suelen e Kelly & Zé Quinxin, Tõezin Araújo, Tuzé de Abreu e Nelson Jussiape
21h – Elomar,  Lane Quinto (Jequié) & Sérgio Bahia  e Daniel Santana

SERVIÇO:
Evento - IX Jornada Lindemberg Cardoso – Uma música em cada canto
Dias - de 26 a 29 de janeiro de 2012
Local - Livramento de Nossa Senhora – BA
Ingresso - gratuito


                                                         Caires na Jornada de 2011

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

RESPEITE O MATITA PERÊ

Fotos: Joana D'arck (as duas primeiras),
Leonardo Cunha e Rafael Galeffi

RESPEITE!  O bordão típico de Borega para expressar de forma bem humorada a admiração ou fazer um elogio foi repetido na platéia do show do Matita Perê, anteontem(18), no teatro Sesi.

RESPEITE mesmo, porque o show é de alto nível, bom demais, daqueles que a seleta platéia, repleta de músicos e compositores entendidos do riscado (entre os quais Rita Tavares, Maria Mitoso e integrantes da banda Pirombeira ) sai comentando cada música, cada arranjo que gostou mais. E os demais mortais, que nem eu, saem felizes com tudo que ouviu e viu, de alma lavada com a música de qualidade que esses “meninos” apresentam.

Também não era para menos. O grupo ar-ra-sou na primeira apresentação desse ano (que venham muitas outras logo) com o repertório autoral, de letras e músicas de Borega e Luciano Aguiar (De Itajubá, Clara, Rendeiro de Minas e Rosiana ) e releteitura  de sucessos de Tom Jobim (Triste e Águas de Março)  e Dorival Caimmy (Só louco), temperados com os  belíssimos arranjos do nosso multitalentoso pilheiro, Borega.

Cada músico foi um show a parte, mas sem estrelismo e focado na harmonia do grupo. Participaram: André Becker (sax e flauta), que integra a orquestra Sinfônica da Bahia, Alexandre Montenegro (baixo) e Márcio Dinhiz (bateria). A produção ficou por conta de Rafael Galeffi, da banda Pirombeira,  e a sonorização  de Augusto Jr.

Da platéia mesmo, a nossa recém pilheira Rita Tavares deu um toque especial acompanhando o refrão da música Rendeiro de Minas.  Ela estreou no blog comentando com conhecimento de causa (é compositora e cantora) o show do Matita Perê, em dezembro passado, e até pedi pra que repetisse uma avaliação desse último. Mas Rita Birita tirou o corpo fora, me desafiando para fazer esse registro. Não saiu no mesmo nível de detalhes de quem conhece. Apenas a impressão de uma admiradora do Matita.

 Longa vida e muitos shows para esse grupo!



quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Tem Lua no Boteco do Zé nesta sexta (20)



Dando continuidade ao Projeto Estação Verão, Lua Carrilho e Trio voltam a se apresentar no Boteco do Zé nesta sexta (20), a partir das 21 horas, na expectativa de repetir o
sucesso da semana passada, no mesmo local, quando lotou o espaço e arrancou
muitos aplausos pela belíssima apresentação.
Em seu show, Lua faz um passeio
por sambas da década de 20, passando por chorinho, bossa nova e ritmos
nordestinos, além de refinadas canções de compositores clássicos como Chico
Buarque e Tom Jobim. Junto com ela, se apresentam o pai Miltinho Carrilho,
conhecido baixista, além dos músicos Leonardo Daltro (violão) e
Alanfreeling (percussão). O couvert é de apenas R$ 5,00 e o espetáculo vale a pena.
O Boteco do Zé fica na Rua Lídio de Mesquita, 4, antigo Extudo, ao lado do Bondcanto, no Rio Vermelho.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Ensaio Geral dos “Palhaços do Rio Vermelho” com a festa da palhaçada "Sou a Filha da Chiquita Bacana", com a Banda Marmelada e DJ Ruy Santana.





Olá, Palhaços de plantão!

No dia 21/01 ser “Palhaço” será o grande lance, por isso J. Veloso, Gerônimo, André Macêdo e Aroldo Macêdo vão colocar o nariz vermelho para cair no Ensaio Geral dos “Palhaços do Rio Vermelho” com a festa da palhaçada "Sou a Filha da Chiquita Bacana", com a Banda Marmelada e DJ Ruy Santana.

O grande encontro será no melhor lugar do mundo, o Boteco do Zé, em um dia bom de beber e sair de casa (sábado), a partir das 13h. Esperamos por vocês – será lindo demais!!!

O nome da festa será em homenagem aos 70 anos de Caetano Veloso, ilustre morador do bairro do Rio Vermelho, que liderou o tropicalismo, lúdico e irreverente como o também movimento cultural dos “Palhaços do Rio Vermelho”.



LEMBRETE: O DESFILE DOS “PALHAÇOS DO RIO VERMELHO” SERÁ DIA 11 DE FEVEREIRO, COM SAÍDA, ÀS 19H, NA QUADRA DE ESPORTES NA RUA DA PACIÊNCIA.



SERVIÇO: Ensaio Geral dos Palhaços do Rio Vermelho

FESTA "Sou a Filha da Chiquita Bacana"

Local: Boteco do Zé

Data: 21 de janeiro (sábado)

Hora: 13h

Atrações: Banda Marmelada e DJ Ruy Santana

Participações: Gerônimo, J. Veloso, André Macêdo & Aroldo Macêdo

Couvert: R$ 20,00

domingo, 15 de janeiro de 2012

Desocupa Salvador



Veja mais sobre o movimento que vem mobilizando cada vez mais as pessoas para a questão da ocupação da cidade pela indústria do Carnaval:

Lua é show!

Por Sinval Soares
Fotos: Joana D'Arck
 e Pedro Quadros

Alanfeeling, Lua, Miltinho e Leonardo Daltro
As fotos, ah, as fotos, elas mostram apenas um pouco da alegria que tomou conta do ambiente no Boteco do Zé, sexta à noite (dia 13-01), no Rio Vermelho, durante a belíssima apresentação de  Lua Carrilho e Trio dentro do Projeto Estação Verão. O Boteco ficou pequeno para um público animado e encantado com um grupo que toca desde sambas da década de 20, passando por chorinho, bossa nova e ritmos nordestinos, além de refinadas canções de compositores clássicos como Chico Buarque e Tom Jobim.
Como sempre, quem não foi perdeu um grande e belo show de Lua, capitaneada pelo baixista Miltinho Carrilho, seu pai e fino instrumentista. O Trio tem, ainda, músicos do calibre como Leonardo Daltro, no violão, e Alanfeeling na percussão. Mas há uma solução: ficar atento para as novas apresentações, dentre elas a que acontece na próxima sexta (dia 20), no mesmo local, a partir das 21 horas. O couvert é de apenas R$ 5,00, um nada para o que é o show. O Boteco fica na Rua Lídio de Mesquita, 4, antigo Extudo, ao lado do Bondcanto

sábado, 14 de janeiro de 2012

Muito bom voltar à Chapada

O passeio foi curto, só cinco dias, mas deu pra descansar e matar a saudade das paisagens deslumbrantes da Chapada Diamantina, de Dedéu, dos Soares de Piatã e Rio de Contas...

A companhia foi perfeita: Liz, Nana, Hugo e Zé Sinva. Deu até para encontrar o colega Raymundo Mazzei, que escolheu Piatã para viver e está felicíssimo por lá (pena que não deu para registrar foto dele).
Impressionante mesmo foi ver a disposição de Walter Soares, o famoso Careca, irmão de Délio e Sinval, com 72 anos de idade, dar uma canseira até nas crianças para escalar o morro que leva à Capelinha de Piatã. Ele corria na frente, num pique que ninguém acompanhava. Não satisfeito, ainda tirou onda subindo numa pedra e fazendo pose.



Aqui é só um resuminho, os outros pilheiros que contem o resto. Nana já tá de mala e cuia prontas pro próximo feriado voltar pra lá. Tô na cola, Naninha. Vai levar Tontonto?

Walter Soares (Careca), rezando depois de escalar o morro até a Capelinha de Piatã (um dos pontos mais altos da Bahia), cujo altar foi construído pelo pai dele, de Délio, Zé Sinva.... (Arnulpho Soares)

A pilhinha Nana com os primos Hugo e Vinícios, depois da escalada

Neguinha e Careca tomando TODAS

Abaíra não tem só cachaça

Cachoeira em Jussiape, entre Abaíra e Rio de Contas

Rio de Contas

Morro do Pai Inácio
Sinval, Nana e Liz, numa pausa da escalada à Capelinha, para pegar fôlego e admirar a paisagem de Piatã

Arquivo do blog