Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

domingo, 29 de janeiro de 2012

Como que vou competir com uma modelo?

Ela já estava quarentona, os cabelos esbranquiçados já começavam a aparecer aqui e acolá, até nas partes baixas, meu Deus! tomou um susto na primeira vez que notou. E umas manchinhas na pele, uns pneuzinhos ameaçando engrossar pela cintura, aquela barriguinha despontando, a tal da ressaca moral das cervejinhas do final de semana... E tome cremes, e tome pinturas, e tome balança, uma tarde ou uma manhã por semana era sagrada no salão. Precisava deixar de fumar e adotar umas  comidinhas balanceadas. E atividades físicas, isto era o fundamental, academia no mínimo três noites por semana. Ultimamente tinha o Pilates, ah! é uma maravilha, faz milagre.
Ela estava nessa agonia, “é normal na nossa idade, né?”, comentava com as amigas buscando apoio.
E quando ela pensava que estava equilibrando o jogo, a coisa piorou. Começou a sair com um cara recém-separado. Aparentemente ia tudo bem, amor novo, aquelas expectativas. Mas aí uma amiga (mui amiga!) lhe segredou: “A ex do teu namorado é modelo”. Modelo!?, quase engasgou no seco. Aí quase pirou: bateu aquela insegurança, ainda mais que o cara continuava mantendo relações de amizade com a ex, na sua opinião relações amistosas em demasia.
Uma vez foi espiar a moça na rua: realmente era magra, magra até demais, tinha umas ancas parecendo as daquelas vacas famintas do Nordeste quando a seca batia firme. “Ah!... não achei lá grande coisa, mas delgada ela é, isso ninguém pode negar. Continuo confusa, como que vou competir com uma modelo?”, se angustiava, especialmente quando percebia (ou imaginava) o cara reparando os pneuzinhos da sua barriguinha.
A inquietação durou seis meses, com pioras ou melhoras a depender da temperatura do namoro, o que tinha tudo a ver com a angústia que oprimia seu coração. Até que um bendito dia ela armou-se de coragem e esclareceu a parada:
- Amor, me disseram que tua ex é modelo, é verdade?
- É sim, é daquelas que ficam mostrando as mãos com anéis na tela da tevê.
A partir daí, foram felizes para sempre.
(Inspirado em diálogo do filme “É Proibido Fumar”, com Glória Pires, sob direção de Ana Muylaert).

Um comentário:

Joana D'Arck disse...

Eu e Deta falávamos sobre a ditadura da magresa, ontem, e ela usou essa expressão mesmo, "vaca faminta do Nordeste". Legal esse texto.

Arquivo do blog