Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

RESPEITE O MATITA PERÊ

Fotos: Joana D'arck (as duas primeiras),
Leonardo Cunha e Rafael Galeffi

RESPEITE!  O bordão típico de Borega para expressar de forma bem humorada a admiração ou fazer um elogio foi repetido na platéia do show do Matita Perê, anteontem(18), no teatro Sesi.

RESPEITE mesmo, porque o show é de alto nível, bom demais, daqueles que a seleta platéia, repleta de músicos e compositores entendidos do riscado (entre os quais Rita Tavares, Maria Mitoso e integrantes da banda Pirombeira ) sai comentando cada música, cada arranjo que gostou mais. E os demais mortais, que nem eu, saem felizes com tudo que ouviu e viu, de alma lavada com a música de qualidade que esses “meninos” apresentam.

Também não era para menos. O grupo ar-ra-sou na primeira apresentação desse ano (que venham muitas outras logo) com o repertório autoral, de letras e músicas de Borega e Luciano Aguiar (De Itajubá, Clara, Rendeiro de Minas e Rosiana ) e releteitura  de sucessos de Tom Jobim (Triste e Águas de Março)  e Dorival Caimmy (Só louco), temperados com os  belíssimos arranjos do nosso multitalentoso pilheiro, Borega.

Cada músico foi um show a parte, mas sem estrelismo e focado na harmonia do grupo. Participaram: André Becker (sax e flauta), que integra a orquestra Sinfônica da Bahia, Alexandre Montenegro (baixo) e Márcio Dinhiz (bateria). A produção ficou por conta de Rafael Galeffi, da banda Pirombeira,  e a sonorização  de Augusto Jr.

Da platéia mesmo, a nossa recém pilheira Rita Tavares deu um toque especial acompanhando o refrão da música Rendeiro de Minas.  Ela estreou no blog comentando com conhecimento de causa (é compositora e cantora) o show do Matita Perê, em dezembro passado, e até pedi pra que repetisse uma avaliação desse último. Mas Rita Birita tirou o corpo fora, me desafiando para fazer esse registro. Não saiu no mesmo nível de detalhes de quem conhece. Apenas a impressão de uma admiradora do Matita.

 Longa vida e muitos shows para esse grupo!



2 comentários:

Rita Tavares disse...

Jogou duro, Jô! Me emocionei! O tecnicismo musical, os conceitos e o parecer saber não chegam aos pés do saber escutar e deixar-se emocionar.
Foi, realmente, um dos melhores shows do Matita.

Joana D'Arck disse...

:)Valeu!

Arquivo do blog