Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

domingo, 3 de fevereiro de 2013

“...nesse olhar havia menos zanga do que tédio”



“Quando começou a discussão sobre pintura figurativa, abstrata e concreta, houve um momento em que seu marido classificou certo pintor com uma palavra forte e vulgar; ela ergueu os olhos para ele, com ar de censura; mas nesse olhar havia menos zanga do que tédio. Então senti que ela se preparava para o enganar.

Ela se preparava devagar, mas sem dúvida e sem hesitação íntima nenhuma; devagar, como um rito. (...)         

– A senhora viu o filme?

Ela fez que sim com a cabeça, lentamente, e demorou dois segundos para responder apenas: vi. Mas senti que seu olhar já estudava aquele homem com uma severa e fascinada atenção, como se procurasse na sua cara morena os sulcos do vento do mar e, no ombro largo, a secreta insígnia do piloto de longo, longo curso.

Aborrecido e inquieto, o marido bocejou – era um boi esquecido, mugindo, numa ilha distante e abandonada para sempre. É estranho: não dava pena.

Ela ia navegar.” 

De “A mulher que ia navegar”, s/d, Recado de primavera, do cronista Rubem Braga (foto), numa homenagem de Mauro Malin, sob o título “Desamarrada”, de 24/01/2013. Garimpagem do velho companheiro Geraldo Guedes.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog