Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

domingo, 14 de dezembro de 2014

Café Científico: Brincar ou brincar, eis a questão

NESTE MÊS DE DEZEMBRO, O CAFÉ CIENTÍFICO SALVADOR DISCUTE A BRINCADEIRA COMO UMA CARACTERÍSTICA UNIVERSAL DA INFÂNCIA, MAS VARIÁVEL ENTRE AS CULTURAS.
O QUE?
CAFÉ CIENTÍFICO SALVADOR – BRINCAR OU BRINCAR: EIS A QUESTÃO.
QUANDO?
19 DE DEZEMBRO DE 2014
A QUE HORAS?
18 HORAS
ONDE?
SALA KÁTIA MATTOSO, BIBLIOTECA PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA (BIBLIOTECA DOS BARRIS), RUA GENERAL LABATUT, 27, BARRIS, SALVADOR-BA

Brincar ou brincar: eis a questão

Ilka Bichara
Instituto de Psicologia/UFBA



 Resumo

A espécie humana é curiosa e lúdica. Não importa onde, na cidade ou no campo, no palácio ou na favela, no frio ou no calor, no pântano ou no deserto, brincar é uma característica predominante nas crianças e não está ausente entre os adultos. Ainda que cada cultura, cada grupo, cada turma de amigos e mesmo cada criança tenha suas brincadeiras particulares, a simples existência do fenômeno é inquestionavelmente universal. Podemos então afirmar que brincar é uma característica definidora e universal da infância, embora culturalmente variável. Mas o que é brincar e por que essa é uma atividade tão presente?
Antes de qualquer tentativa de definição, é importante registrar que não só as crianças brincam. Filhotes de outras espécies, principalmente mamíferos, também brincam, mas nem todos. Vamos então começar nossa conversa tentando encontrar o que existe de comum entre as espécies que brincam. Foi o que fez Burghardt (2005) ao elaborar uma síntese com cinco grupos de critérios identificadores, o que ele denomina os “big five” da brincadeira:  Função imediata limitada; Componente endógeno; Diferença temporal ou estrutural; Ocorrência  repetida; Ambiente relaxado.
Mas, para que serve o brincar? Por que esse comportamento foi selecionado? Como um comportamento pode ser crucial e supérfluo ao mesmo tempo? E, se brincar é uma extravagância, como persistiu? Deve ter alguma função de adaptação ou, ao menos, um benefício que sobreponha seu custo, se não teria sido eliminada pelas forças da seleção natural.

Discutiremos esta questão a partir da hipótese de que brincar é, provavelmente, uma adaptação ontogenética, ou seja, um sistema comportamental que melhora a adaptação do indivíduo nos estágios imaturos da vida, perdendo seu significado na idade adulta.




Ilka tomando posse no Instituto de Psicologia da UFBA

sábado, 13 de dezembro de 2014

Teatro Popular de Ilhéus no Campo Grande encanta com Medida por Medida

Boa pedida para ver um bom espetáculo, e "de grátis"! A comédia “Medida por Medida”, do Teatro Popular de Ilhéus (TPI), grupo vencedor da edição 2014 do edital TCA.NÚCLEO, estreou na última quarta-feira (10 de dezembro). A temporada segue com apresentações de quarta a domingo, sempre às 18h, na praça do Campo Grande, até o dia 21 de dezembro (domingo).

É muito divertida e criativa, com o toque de cordel, inspirada livremente na obra homônima de William Shakespeare (1564-1616), a montagem tem a dramaturgia construída a partir de uma parceria entre Yamamoto e Romualdo Lisboa, diretor do TPI. A comédia encenada pelo grupo ilheense permanece atual por abordar temas como o poder, a corrupção e os dilemas éticos e morais da vida pública e privada.

A temporada do novo espetáculo do Teatro Popular de Ilhéus (TPI) marca o encerramento do Projeto “Shakespeare –Teatro Popular em Construção”, que integra o TCA.NÚCLEO 2014, Edital realizado pelo Teatro Castro Alves com apoio da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb) e da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (Secult-Ba).

MEDIDA POR MEDIDA – Quando se ausenta de Viena, o Duque deixa o poder nas mãos de Ângelo, um rigoroso juiz que faz cumprir à risca as leis contra a fornicação em vigor na cidade. Porém, a aplicação obstinada da lei resulta na separação de dois inocentes: por não terem seguido todos os trâmites legais ao casar-se, a gravidez de Julieta rende a Cláudio o encarceramento e uma condenação à morte. Isabella, noviça e irmã do prisioneiro, tenta reverter a sentença, mas Ângelo mostra-se irredutível – a não ser que a donzela esteja disposta a comprar a vida do irmão com a própria virgindade. Para tomar essa decisão, Isabella recebe a ajuda de um misterioso frei, que surge para ajudá-la a combater os malfeitos de Ângelo.


terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Compras natalinas aumentam o estresse masculino

Estamos em contagem regressiva para o Natal e o estresse  aumenta sobretudo para os homens... com as  mulheres enlouquecidas nas compras. Veja alguns flagrantes do final de semana. 









sábado, 6 de dezembro de 2014

Audiência pública do Loteamento Marisol


 Moradores do Loteamento Marisol, localizado na Praia de Ipitanga, divisa da capital com Lauro de Freitas, participaram da audiência pública promovida pela Ouvidoria da Câmara Municipal de Salvador, no auditório da Unidunas, na noite de quinta-feira (4). A ouvidora-geral, vereadora Aladilce Souza (PCdoB), anotou as queixas da comunidade em relação à falta de infraestrutura na área, resultado da dúvida que persiste há mais de 40 anos sobre a qual município pertence a antiga fazenda que originou o loteamento.

Fruto da mobilização dos moradores, as prefeituras assinaram recentemente um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), passando a responsabilidade pela administração da área para Salvador, com a consequente cobrança de tributos. A vereadora tranquilizou os proprietários de imóveis da região, informando que já se encontrava na Câmara projeto do Executivo prevendo mudanças no IPTU, incluindo a isenção tributária até o exercício de 2014 para a área protegida pelo TAC.
Projeto modelo


“Fiquem tranquilos que vamos acompanhar isso de perto”, disse ela, comprometendo-se também a encaminhar um relatório da audiência pública a todos os órgãos da prefeitura envolvidos com a solução dos diversos problemas apontados. Por ser uma área ainda sem urbanização, Aladilce sugeriu que a Fundação Mário Leal Ferreira assuma a formatação de um projeto modelo, elaborado com a participação da comunidade, e coordene uma espécie de força tarefa com os demais órgãos, para evitar retrabalho e serviços fora dos padrões desejados pela maioria dos moradores.
Entre os que se pronunciaram, muitos lamentaram a ausência de representantes de órgãos da Prefeitura de Salvador, a exemplo da Transalvador, da Sub-prefeitura de Itapuã, das secretarias da Fazenda e Transporte e Urbanismo, além da Superintendência de Obras Públicas, todos convidados. Compareceram ao evento os representantes da Embasa – Ney Nascimento, da 15ª Companhia da PM (Itapuã) – tenente Luciana e da Coelba – Fernando Machado.

 Marcos Cardim, da Comissão de Moradores do Loteamento Marisol, entregou à vereadora e representantes dos órgãos um documento apontando as principais deficiências da área e algumas soluções sugeridas em reunião pela comunidade. Entre elas, que a região, vizinha à Praia do Flamengo, só seja caracterizada como “área nobre” pela prefeitura após as obras de urbanização; que os ônibus sigam pela orla até o Centro Panamericano de Judô e retorne pela rua paralela, sem entrar no loteamento; e que a PM passe a fazer rondas no Marisol.


 Jorge Santana, administrador da Unidunas, parabenizou a Ouvidoria da Câmara pelo apoio que tem dado às reivindicações dos diversos bairros de Salvador, lembrando que a sede da ONG também cedeu espaço para outra audiência, em 2012, sobre a falta de segurança em Stella Maris. Aladilce Souza destacou a importância da Unidunas, instituição reconhecida pela Unesco, na defesa do patrimônio ambiental do Parque das Dunas.

A vereadora se comprometeu a apresentar indicação, dirigida ao governo estadual, pedindo que seja revogado o decreto que prevê desapropriação de uma área do Parque das Dunas, englobando um trecho do loteamento. O decreto foi renovado por engano, segundo o governo, que assumiu o compromisso de não desapropriar a área. “Mas a revogação é importante porque tranquiliza os moradores”.








sexta-feira, 7 de novembro de 2014

À Procura Daquilo

https://www.youtube.com/watch?v=tAXTpaoGp0w&list=UUr9ErTOv6zvwfwGt4Wqpo5Q

Documentário que Narra uma peregrinação à Kumbha Mela, na Índia, a maior congregação de pessoas que se tem registro na história do mundo, como realização do desejo cultivado por anos de passar para o filho a percepção de uma realidade que ele descobriu em sua procura, como sendo a mais importante riqueza de nossa passagem por este mundo. No nascimento de seu primeiro filho ele prometeu um dia ir com ele a esse evento sagrado.

Mais uma produção da grife Tia Maria Filmes / Daniel Talento. A direção é de Nádia Bambirra 



quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Saudades



Adicionar legenda
Completados ontem (21) dois anos sem o amigo Ricardo Serrano. Todos nós, amigos, sentimos muitas saudade e, quase sempre que nos encontramos, recordamos muitas das suas histórias e causos, algumas contadas aqui no blog.
A sua amada, Olivinha, mais uma vez prestou homenagem com o cartão que reproduzimos aqui.




domingo, 12 de outubro de 2014

Eleições Brasil 2014: O monopólio da informação e a "virada" eleitoral na Bahia

Rui Costa e Jaques Wagner festejando: os adversários do Ibope/Rede Globo na Bahia costumam perder nas pesquisas e ganhar no primeiro turno (Foto: Internet)
Reprodução do blog Evidentemente:
 
Que “virada”, meu irmão? Bota aspas nesta “virada”, não há, não houve virada alguma, o que há é o monopólio da informação, a divulgação de apenas uma versão das coisas, a “verdade” única da mídia hegemônica.

Por Jadson Oliveira (jornalista/blogueiro), editor do blog Evidentemente – Mirando a América Latina, de 11/10/2014
De Salvador (Bahia) – Virada!? Que virada? Então você não viu a virada do Rui Costa na Bahia, que estava sempre lá embaixo no Ibope e acabou eleito governador no primeiro turno? Que “virada”, meu irmão? Bota aspas nesta “virada”, não há, não houve virada alguma, o que há é o monopólio da informação, a divulgação de apenas uma versão das coisas, a “verdade” única da mídia hegemônica. Quase uma semana depois, o pessoal do rádio, da TV, do jornal, da internet continua falando na “virada” espetacular, incrível!

Vamos conferir, foi assim: a maioria dos eleitores baianos (o quarto maior colégio eleitoral do país, com 10 milhões de eleitores - os primeiros são SP, MG e RJ) passou todos os três meses da campanha eleitoral decidida a eleger Paulo Souto para governador, decidida a ressuscitar o velho carlista da Arena/PFL/DEM. Estava lá o placar implacável durante toda a campanha: Paulo Souto 43 a 8 de Rui Costa (PT), que foi subindo um pouco até chegar a 27 (não foi isso?) ao final da campanha.
 
Aí, da noite para o dia, de 4 para 5 de outubro, os baianos acordaram com um estalo na cabeça: não vamos mais votar em Souto, vamos votar no candidato do governador Jaques Wagner. Foi assim? Um estalo fulminante da noite para o dia? Pronto: depois dum empate na pesquisa às vésperas da votação, a boca de urna já deu Rui Costa com 49 pontos, vencendo, mas ainda poderia ter segundo turno. Na votação pra valer, deu Rui Costa com 53% dos votos válidos, eleito portanto no primeiro turno. Uma “virada” espetacular! Foi assim a crônica da virada (sem aspas) eleitoral na Bahia. E assim, sem aspas, o pessoal da imprensa continua repetindo, daqui a pouco já virou história, e é assim que a banda (ou o axé) toca.

Pois é assim. Quantas pessoas ouvi comentarem que na Bahia a coisa já estava decidida, seria Paulo Souto mesmo? Eu ficava meio sem jeito, será meu amigo? Nosso governador é um político calejado, o “Galego” (como é tratado pelo Lula) é um homem sabido, já ganhou duas eleições no primeiro turno, inclusive a primeira, em 2006, com o velho e temível ACM ainda vivo, vivíssimo, num roteiro semelhante: lá atrás nas famigeradas pesquisas até a boca de urna, quando já deu vitória de Wagner no primeiro turno. O governador e candidato de ACM era o mesmo Paulo Souto (não posso me esquecer, fizemos uma tremenda farra no Largo de Santana, Rio Vermelho, reduto dos petistas, celebrando a derrocada do velho cacique que mandou na Bahia uns 30/40 anos, em especial durante a ditadura).

E tem também – eu dizia aos meus interlocutores - um outro instituto de pesquisa (ligado ao deputado Marcelo Nilo, o Babesp – Instituto Bahia Pesquisa e Estatística) que dá números diferentes. Mas este ninguém queria saber, Ibope é Ibope, um instituto de renome nacional, o outro é coisa aqui da Bahia, não se sabe nem o nome direito, a imprensa chama “DataNilo”...

Em troca, o pessoal ligado a Wagner/PT chama o Ibope de “DataNeto”, um nome bem adequado porque dá uma ideia do quanto o jovem prefeito de Salvador, ACM Neto (PFL/DEM), parece se agigantar na política, apesar de pequenino na altura. Ele foi o coordenador da campanha de Paulo Souto. Jaques Wagner acertou num ferino comentário, dizendo que ACM Neto “pensa que já é o avô”. Creio que seu acasalamento com órgãos de imprensa, especialmente na Bahia, é tão sólido que o leva a se ver maior do que é (sua família é dona de jornal, rádio e TV/repetidora da Globo).

Bom, é disso que se trata: o poder da mídia hegemônica. Sem ela, seria inviável uma manipulação dessa enormidade, seriam impossíveis “viradas” espetaculares como a do governador eleito Rui Costa. Na Bahia, nos outros estados e nacionalmente. Não se enquadra como crime, em algum código de lei, essa manipulação desavergonhada feita através dos institutos de pesquisa e dos monopólios da informação no Brasil? Como se pode deixar impune gente que participa de tais tramoias para angariar votos? Com a palavra os advogados/promotores/juízes/juristas sérios deste país.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Eleições 2014 - Bahia: O risco Paulo Souto e o futuro do saneamento


Sindicato alerta para o risco de retornar ao poder o candidato que fez de tudo para privatizar a água na Bahia. Veja matéria:

A eleição para o governo da Bahia, em 5 de outubro, merece uma reflexão bem especial da categoria de água, esgoto e meio ambiente, isso porque, um dos candidatos, Paulo Souto (DEM, ex-PFL), é nosso velho conhecido, foi governador por duas vezes (primeiro entre 1995 a 1998 e depois entre 2003 a 2006) e não nos traz boas recordações. Mas o presente e o futuro, a julgar pelas ações do partido que representa, também é algo preocupante para nossa categoria. É uma história que merece ser recontada, tanto em memória de quem viveu – e sofreu – aquele período, como também para mostrar aos (às) trabalhadores (as) que ingressaram na Embasa e na Cerb nos últimos concursos públicos o que foi aquele período.

Quando governador baiano, Paulo Souto quis acabar com a Cerb, funcionários ficaram seis meses sem receber salários (alguns viraram “sacoleiros do Paraguai” pra sobreviver) e a empresa foi sucateada. Lembre-se que seu grupo político vendeu o Baneb, a Telebahia, Bahiafarma, o ferry... Além disso, tentou vender a Embasa a qualquer custo para a iniciativa privada. Foi contido pela reação da sociedade, mas a tentativa de venda da empresa foi dolorosa: para “enxugá-la” e atrair o interesse de empresários, milhares de trabalhadores (as) foram demitidos (as), muitos (as) forçados (as) a entrar no Programa de Demissão Voluntária (PDV) e houve repressão violenta à categoria. Nada menos do que 17 dirigentes sindicais foram demitidos, assembleias eram filmadas e gerentes ameaçados caso participassem de alguma atividade sindical. Para fugir dessa repressão, trabalhadores chegaram a usar capuzes no rosto, numa sessão na Câmara de Vereadores de Salvador, para impedir que fossem identificados e demitidos. Numa audiência pública, também para a venda da empresa, deputados e trabalhadores foram barbaramente agredidos na Fundação Luiz Eduardo Magalhães.


Ficamos sete anos sem acordo coletivo. Ao fim do acordo fechado em 1991, lutamos muito até 1998 para que outro fosse assinado. Mas, nesse período, inúmeras conquistas foram cortadas em absoluto desrespeito à lei, tanto que até hoje a Embasa paga ações judiciais milionárias para reparar os danos causados naquela época. Foram cortados o abono alimentação, anuênio, gratificação de férias, adicionais etc. Também tentou sufocar o Sindicato, suspendendo o repasse das mensalidades pagas pela categoria.

Foi também Paulo Souto que, em 27 de dezembro de 2006, faltando três dias para o final do seu governo, assinou a primeira parceria público-privada (PPP) do saneamento no Brasil. Não conseguiu vender a Embasa, mas pegou uma transversal para privatizar os serviços, celebrando um contrato milionário com a Odebrecht para a construção e operação do emissário submarino de Jaguaribe. Caso o governo seguinte (de Jaques Wagner) quisesse romper o contrato, teria de pagar uma multa na bagatela de R$ 40 milhões. O valor original do contrato era de R$ 738,59 milhões que, após auditoria realizada no governo seguinte, caiu para R$ 619,45 milhões. Uma diferença de R$ 120 milhões que iria pelo ralo...


O futuro é uma ameaça – Uma pergunta não quer calar: terá ele esquecido
de tudo isso? Será que mudou? Para ajudar você a responder as indagações aí vai: Paulo Souto continua no mesmo grupo político de antes, é do DEM, o mesmo partido dos prefeitos de Salvador, ACM Neto, e de Feira de Santana, José Ronaldo, respectivamente.

A linha política de todos é a privatização. Os dois prefeitos não querem renovar o contrato de concessão com a Embasa e fazem exigências absurdas para inviabilizar a renovação. Em Feira de Santana os vereadores já aprovaram até lei para permitir outra parceria público-privada. Já a Prefeitura de Salvador chegou a exigir R$ 400 milhões, em parcelas anuais de R$ 100 milhões, 13% da receita mensal bruta e quitação dos débitos dos órgãos municipais com a Embasa, além de isenção das tarifas para esses órgãos. Uma proposta tão extorsiva que depois baixou para R$ 200 milhões, mais 3,5% da receita mensal bruta. Mas nunca quis efetivamente fechar um acordo para renovar o contrato. Tanto que o Sindicato levou ao prefeito um ofício reivindicando o fim desse conflito.

Cerca de 70% de toda a arrecadação da Embasa está em 15 municípios. A empresa obtém em Salvador 43,49% de toda a sua receita, e em Feira de Santana 4,97%. São os dois municípios com as maiores arrecadações da empresa. Não custa lembrar que a Embasa é uma empresa de economia mista que não visa lucro. Caso os contratos de concessão não sejam renovados, ela fica inviabilizada, o que vai provocar demissões, relocação de funcionários (as) e colocar em risco até as conquistas que obtivemos nos acordos coletivos, além da manutenção e ampliação dos serviços ofertados à população.


A linha privatizante desse grupo político também é uma ameaça para a sociedade em geral. Pode colocar em risco o esforço brutal para a universalização dos serviços de saneamento na Bahia. Os investimentos realizados pela Embasa em Salvador no período de 2007 a 2012 somam R$ 1,2 bilhão, 6,9 vezes mais se comparados com os investimentos realizados no período de 2001 a 2006 (R$ 170 milhões). Hoje, a média é de 2,3 mil ligações executadas por mês. Em Feira de Santana, o total de investimento chega a R$ 165 milhões.

Outra coisa: em qualquer lugar do mundo onde ocorreu e ocorre, a privatização traz demissões e exploração do (da) trabalhador (a), além de tarifas caras e péssima qualidade do serviço. Não é isso que o povo baiano merece.

Texto reproduzido do boletim informativo do Sindicato dos Trabalhadores em Água e Esgoto da Bahia - Sindae
Fotos e ilustrações: Revista Sindae- história e luta dos Trabalhadores do Saneamento da Bahia

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Revolucionários sem rosto: livro sobre a AP (Ação Popular), de Otto Filgueiras, sai até final deste mês

Reproduzido do blog Evidentemente, de 22/09/2014
E-mail do companheiro Otto Filgueiras, jornalista baiano morando há uns 20/30 anos em São Paulo:


Car@os amig@os,


O primeiro volume do livro Revolucionários sem rosto: uma história da Ação Popular estará nas livrarias até o final de setembro de 2014, segundo a editora Caio Prado Júnior.


A editora fez bom trabalho de edição.


Mas todo e qualquer erro de informação que houver é de minha inteira responsabilidade.


Além da rede de livrarias da Cortes, Cultura, incluindo aeroportos, a editora Caio Prado Júnior está fechando contrato com distribuidora comercial para colocar exemplares do livro em várias outras livrarias do Brasil.


A Boitempo não entra na co-edição, mas distribuirá exemplares do livro.


O livro também estará sendo vendido em Lisboa, Portugal, e em Paris, na França, onde moram muitos brasileiros, sendo que as despesas de envio dos exemplares é por minha conta.


Portanto, se o primeiro volume do livro não estiver nas livrarias na data estabelecida, me avisem pelo email ofilguei@uol.com.br e fone (11) 985000310,  e reclamem com a editora Caio Prado Júnior: Milton Pinheiro mtpinh@uol.com.br. fones (11) 98080-2412, 971919758 e (11) 3106 – 8461; Edmilson Costa edcosta@dglnet.com.br, fone (11) 983491851.


Pretendo fazer lançamentos, pela ordem, no Rio de Janeiro, Salvador, Goiânia, Brasília, Belo Horizonte, São Paulo, Coritiba e Porto Alegre, quando  reverei amig@os e conhecerei nov@os.


Ainda não sei as datas dos lançamentos, pois dependo da editora. Mas está acertado que o custo das passagens será por minha conta. Me hospedo em qualquer canto que amig@s arranjarem, igual aos velhos tempos.


Um abraço,


Otto Filgueiras

domingo, 21 de setembro de 2014

9º Mutirão de Limpeza da Praia de Ipitanga

Hoje é o Dia Mundial de Limpeza das Praias e a Associação de Surf de Ipitanga promoveu o 9° Mutirão de Limpeza da Praia de Ipitanga, para retirar aquela sujeira deixada pelos banhistas e vendedores sem consciência, como palitos de picolé e queijo, bagas de  cigarro, tampinhas....que, como explica o presidente da entidade, Giorgio Mattos, "vai parar na barriga dos peixes".

Mais do que limpar, o objetivo foi conscientizar a população. As camisetas foram trocadas por alimentos não perecíveis, que serão doados a famílias carentes da comunidade. No final do percurso, uma mesa de frutas para comemorar.



sábado, 20 de setembro de 2014

Guitarra Baiana – A Voz do Carnaval conquista Menção Honrosa no Los Angeles Brazilian Film Festival



O troféu mais cobiçado do Los Angeles Brazilian Film Festival, o de Menção Honrosa, foi conquistado pelo doumentário longa Guitarra Baiana- A Voz do Carnaval, do cineasta baiano Daniel Talento, da Tia Maria Filmes. O músico Aroldo Macedo, uma das fontes do documentário, representou a equipe na solenidade de entrega da premiação, na noite de sexta-feira (19), quando ressaltou a importância do instrumento que, como mostra o filme, revolucionou a estética do Carnaval de Salvador, transformando-o na maior festa popular do planeta.
Maior festival brasileiro fora do Brasil, o LABRFF, organizado pelos baianos Meire Fernandes e Nazareno Paulo, contou com diversas produções abordando as mais variadas temáticas. Os organizadores do festival declararam que a entrega do prêmio ao filme foi emocionante.

O filme Guitarra Baiana mostra a história do instrumento genuinamente baiano, que nasceu das mãos de Dodô e Osmar com o nome de “pau elétrico”, intercalando registros históricos com depoimentos de artistas como Caetano Veloso, Moraes Moreira, Armandinho Macedo e Aroldo Macedo.

Falam sobre a importância do instrumento, também, Missinho, Luiz Caldas, Júlio Caldas, Morotó Slim, Maestro Fred Dantas, Maestro Spok, professor Paulo Miguez, radialista Perfilino Neto, luthier Elifas Santana, Jackson Dantas, Durval Lélys, Lito Nascimento e Fred Menendez.

Além de Daniel Talento a equipe de produção do filme é formada por Carolina Migoya (roteiro), Petrus Pires (fotografia), Rógerson Cunha (produção), Rickson Bala (som direto), João Lins (edição), Bob Bastos (mixagem e trilha), Fernando Sequeira (colorista), Ricardo Rama e Kátia Campos (produção executiva).
A história

No início dos anos 1940 a dupla Dodô & Osmar teve a ideia de construir um novo instrumento, após uma apresentação do músico Benedito Chaves com seu "violão elétrico". Com um captador acoplado à caixa acústica e ligado a um amplificador, perceberam que dava grande sonoridade.

Dodô era técnico em eletrônica e, depois de muitos testes, inseriu o captador num corte de madeira maciço para evitar a microfonia. Nascia, assim, o pau elétrico, que para muitos viria a ser a primeira guitarra elétrica do mundo.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Brasil sai do Mapa da Fome e isto não é manchete para os jornais

"Brasil sai do Mapa da Fome", anúncio feito ontem pela ONU / FAO, e nenhum jornal local publica chamada de capa com isso? Acho que não sei mais o que é uma notícia importante
Gente, a redução foi de 84,7% desde o início da pesquisa. Isso graças a programas como o Fome Zero, Bolsa Família, reajuste real do salário mínimo, incentivo à geração de emprego, construção de cisternas, incremento da merenda escolar, garantia de compra da produção da agricultura familiar.....
Mas tudo isso é bobagem, o Brasil não mudou nada...

Borega lança coletânea de charges sobre as eleições na Bahia



Palco de disputas políticas acirradas entre opositores e até mesmo correligionários, a pré-campanha eleitoral esse ano na Bahia é o tema da coletânea de charges que o cartunista Borega lança pela Editora Quadro a Quadro, na próxima segunda-feira (22), às 19h, na Livraria Saraiva do Salvador Shopping. 

Intitulada “Eleições 2014: A Aventura está no ar”, a série retrata, em 27 episódios, e com uma sátira apurada, os bastidores da disputa que culminou na escolha das chapas majoritárias.
As ilustrações da série fizeram sucesso no portal Bahia Notícias, entre fevereiro e abril desse ano, motivo que levou o cartunista a reuni-las neste livro de 36 páginas, que tem o formato de quadrinhos. “Borega sintetizou de forma precisa e com um humor refinado o clima desta fase da disputa eleitoral. Na medida em que eram publicadas, as charges causaram um verdadeiro fuzuê nos corredores da Assembleia Legislativa”, destacou o jornalista Paulo Bina, chefe da Assessoria de Comunicação da ALBA.
Borega é o pseudônimo do jornalista Alexandre Requião Melo quando assina charges e cartuns. Ele é colaborador do portal Bahia Notícias desde sua estreia na Internet e também do Pilha pura. 
O lançamento deve reunir personalidades da política, inclusive aqueles que se tornaram personagens caricaturados no livro – além de jornalistas e admiradores do humor gráfico.

Mais sobre o autor
Baiano de Feira de Santana, Borega editou seu primeiro livro na cidade em 1997, reunindo charges publicadas pelo extinto jornal Feira Hoje. No final de 2007, fez sua primeira exposição na Assembleia Legislativa da Bahia, onde retratou, em meio às charges políticas, deputados e funcionários da Casa na mostra intitulada “Alto Risco”.
Suas ilustrações estão em jornais e periódicos de entidades, empresas privadas, órgãos públicos, ONGs e na internet, como a caricatura de Tom Jobim que fez especialmente para o site oficial do maestro (www.jobim.com.br). Borega nutre outra paixão, além do jornalismo e do humor gráfico: é compositor, músico e arranjador, um dos idealizadores do grupo musical Matita Perê.
Serviço:
Lançamento da coletânea de charges do Borega “Eleições 2014: A Aventura está no ar” (Editora Quadro a Quadro, 36 páginas, R$20)
Dia: 22/09/2014 (segunda-feira)
Horário: 19h
Local: Livraria Saraiva do Shopping Salvador
Mais informações: (71) 9112-0050 [Borega]

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Guitarra Baiana – A Voz do Carnaval no Los Angeles Brazilian Film Festival





O músico Aroldo Macedo representou o filme Guitarra Baiana- A Voz do Carnaval, do cineasta baiano Daniel Talento, no LOS ANGELES BRAZILIAN FILM FESTIVAL – LABRFF, no
Red Carpet

Parabéns Daniel Talento e equipe: Carolina Migoya, Petrus Pires, Rickson Silva, Rogerson Cunha, Bob Bastos, João Lins Fernando Serqueira,Mino Reis, Emerson Freitas, Tati Cavalin, Milton Garcia, Kátia Campos, Ricardo Rama.

O documentário/longa conta a história do instrumento criado na Bahia pela dupla Dodô e Osmar. Por onde passa é aplaudido de pé

.https://www.facebook.com/video.php?v=557925324334268&set=vb.200613403398797&type=2&theater



Este é o maior festival brasileiro fora do Brasil, organizado por dois baianos, Meire Fernandes e Nazareno Paulo. 

terça-feira, 9 de setembro de 2014

O Buteko de Bebel



Emoção à flor da pele. Esse foi o clima do aniversário da nossa pilheira Bebel, com direito a forró ao vivo e produção impecável no estilo buteko chic. E choro, muito choro de alegria em rever amigos, agradecer presenças e ser homenageada – o vídeo preparado por Jaciara, repassando toda a sua história, então, foi covardia...

A dedicatória do filho André, pai da netinha Ana Júlia, que não estava presente porque está morando e trabalhando no Paraná, foi outro momento de pura emoção.


Tudo lindo, à altura dessa jornalista que bota ética, sensatez, integridade, solidariedade, espírito democrático, amor, justiça em tudo que faz.  



Uma oportunidade também para rever colegas-amigos queridos e celebrar a vida. Você merece, Bebel, e tava linda no modelito forrozeira chic, principalmente quando rodopiava no salão fazendo o que mais gosta, dançar – quem conhece Bel sabe que ela dança até com choro de bebê, liquidificador e campainha de porta.



Feliz aniversário, Bel 

(À medida que forem surgindo mais fotos, vou acrescentando – essas foram roubadas do face)

 João Francisco não podia faltar...

Precisava me flagrar roubando cocada, Paulino?????? Como resistir diante de tantos sabores?

 Foto de Paulino José dos Santos

Foto: Elói Correia

Alguém duvida da emoção de Bel vendo essa foto?

 Lendo a declaração de amor do filho André


A chefinha também foi flagrada na mesa. Tava tudo uma delícia




Arquivo do blog