Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

quarta-feira, 23 de abril de 2014

O paulista comeu

Eis a estreia de um dos novos colaboradores do Pilha. Nossa “Janistraquis” (redatora oculta do blog que fica aqui do lado dando pitaco) sugeriu que o título caracterizasse  um olhar (paladar) paulista, porque apesar de baiano, o nosso peso de ouro passou a vida inteira em São Paulo e só agora veio morar em Salvador.


Depois de ser ameaçado de demissão por demorar a assumir o posto neste blog, para o qual, segundo a “Big Boss” Joana D’arck, fui contratado a “peso de ouro”, finalmente tive um tempo para essa primeira postagem. Como fui apresentado como recém-chegado a Salvador e morando no “bucólico” bairro de Itapuã, optei por estrear falando sobre minhas primeiras impressões e experiências na cidade, especialmente as culinárias, etílicas e culturais. Nesse primeiro momento vou tratar só da parte da culinária.

Ao chegar num lugar que não conheço muito bem, antes de partir para as descobertas sempre me lembro das orientações do filosofo Walter Benjamin, que abre um famoso texto sobre sua infância na cidade de Berlim com a seguinte frase: “Saber orientar-se numa cidade não significa muito. No entanto, perder-se numa cidade, como alguém se perde numa floresta, requer instrução”. E “perder-se” pela cidade exige certos cuidados para que as aventuras gastronômicas, etílicas e culturais não se tornem degradáveis e caras.

A bela vista do bar Cruz do Pascoal
Ao escolher um lugar para comer sempre levo em consideração o conceito desenvolvido pelo jornalista André Barcinski no seu ótimo “Guia da Culinária Ogra”, que apesar de traçar um mapa sobre os melhores locais para se comer bem e barato em São Paulo, tem dicas para qualquer lugar. Barcinski conceitua que um bom lugar não pode ter no nome termos como “Chez” ou “Bistrô” e “chef”, tem que ser cozinheiro mesmo. A comida deve ocupar totalmente o prato ou de preferência derramar pelas bordas; os garçons não podem ser modelos ou estudantes de moda, basta conseguirem servir o arroz usando duas colheres e sem derramar um grão e de preferência saber o resultado do futebol; a bebida tem que descer bem, não “harmonizar”. Nesse estilo, já encontrei algumas opções interessantes na cidade.
Começando pelo meu lugar preferido, a carne do sol com purê de aipim da “Cruz do Paschoal”, o interessante boteco que fica na Rua do Carmo. A primeira impressão que tive, observando apenas a frente do bar, imaginei que seria daquele tipo onde se bebe no balcão (a frente é pequena), mas ao entrar por um beco localizado ao lado do caixa, me deparei com uma grande varanda no fundo com uma vista linda para a Baia de Todos os Santos, que por si já vale a visita.


No Largo 2 de Julho - que é outro lugar onde cheguei através de uma espécie de labirinto-  é difícil  imaginar que entrando nas vielas da Rua 7 de Setembro podemos nos deparar com um largo tão bonito e agradável. É ai que fica o “Líder”, um bar parecido com uma padaria, onde se reúnem diversos tipos da urbe e sai um sanduíche de pernil que é uma delícia.  Quando morava em São Paulo, comia um sanduba de pernil no “Estadão” - espécie de instituição noturna da Paulicéia, aberto 24h – onde o dono ostenta vários quadros com títulos fornecidos por grandes jornais e revistas que asseguram: “O melhor pernil do Brasil”. Eu acreditei nisso por muito tempo, mas depois do pernil do Líder, o “Estadão” perdeu seu posto (pelo menos pra mim).

Para não me estender muito no assunto culinário e vocês ficarem imaginando que eu só penso em comer, vou apenas citar algumas outras opções que me agradaram: o filé e o pastel do bar “Armazém 347”, ou simplesmente “bar do Seu Zé”, na Saúde, ótima opção para antes de um BA x VI na Fonte Nova; a feijoada e a carne de sol com banana da Barraca de Juvená, em Itapuã, onde rola um samba de primeira aos Sábados; e a comida “Ligth” do Porto do Moreira, na esquina da Carlos Gomes com a entrada do Largo 2 de Julho.
Claro que conheci outras opções interessantes, mas essas que citei são minhas preferidas. Quem não gosta de lugares onde o garçom vai logo perguntando: “O de sempre senhor?” .

Apesar da preferência pela culinária “ogra”, se a ocasião for especial topo de imediato ir a qualquer bistrô ou chez da vida, comer um prato daqueles que não se sabe de imediato se é pra comer ou pregar na parede. Como ainda não conheço essa parte mais elegante da culinária soteropolitana, peço aos pilheiros e leitores de plantão dicas e sugestões.

19 comentários:

Mônica Bichara disse...

Aê, baiano/paulista, acertou em cheio, também adoro esses lugares. Acrescentando uma sugestão onde se come bem sem pagar caro, o Cantinho da Graça, na rua Barão de Loreto, é uma boa pedida (galinha ao molho pardo, picanha na chapa, bacalhau...) gostcho muitcho

Humberto Guanais disse...

Alô Paulista, uma boa pedida é a Rita da Lambreta em Pituacivis, (na verdade entre a Av. Jorge Amado e p Jardim Imperial. É a maior e mais gostosa lambreta da Bahia, vale a pena conferir.

Joana D'Arck disse...

Hum! Adoro lambreta! Vou aproveitar a dica. Tem também o Jonas,no Stiep, onde se come um bom filé e sarapatel de carneiro, e o Djalma, na Pituba, perto da Perini, para curtir um caranguejo, acarajé e até bode assado.

Joana D'Arck disse...

Janistraquis, que não perde uma oportunidade de matracar, diz que você tá é tirando onda, paulistinha/baiano, porque você gosta mesmo é de comer escondidinho no Língua de Prata, em Itapuã. Rá-rá-rá.

isabel disse...

O Jonas, fica pertinho da minha casa. Se achegue e seja bem-vindo à nossa trupe/cidade. Já curti muito essa culinária e acho que começou bem a trajetória gastronômica por nossa bela soterópolis.

isabel disse...

O Jonas, fica pertinho da minha casa. Se achegue e seja bem-vindo à nossa trupe/cidade. Já curti muito essa culinária e acho que começou bem a trajetória gastronômica por nossa bela soterópolis.

Simoa disse...

Vem cá é isso mesmo? O cara chega agora e vem tirando onda dando dica gastronômica pra nós baianos? É muita cara de pau...rsrs

Joana D'Arck disse...

Colé, Simoa! Nosso blog é internacional, tem muita gente de fora que vai pegar essas dicas, principalmente agora, com a chegada da Copa.

Everton disse...

Mônica, Humberto e Isabel, obrigado pelas dicas, qualquer dia vou experimentar. Jô e Elcie, podemos fazer um Quinta no "Jonas", fiquei curioso, Elcie me mostrou uma vez. E Simoa, sem comentários...minha intenção não era da dica pra "malandragem" da terra,apenas expor um pouco de minhas andanças pela cidade... se ligue que, tromba de elefante não é conta gota e nem perna de barata é serra.

Joana D'Arck disse...

Vixe!

Simoa disse...

Everton, já que vc apelou para as metáforas zoomórficas aí vai uma:
" Deixe está Jacaré que sua lagoa há de secar"...kkkkkkk

Everton disse...

Jô, que história é essa de "comer escondidinho" no Língua de Prata? isso pega mal, dizem por ai. Admito que ja fui lá, mas não comi nada. rs

Everton disse...

Jô, que história é essa de "comer escondidinho" no Língua de Prata? isso pega mal, dizem por ai. Admito que ja fui lá, mas não comi nada. rs

Everton disse...

Jô, que história é essa de "comer escondidinho" no Língua de Prata? isso pega mal, dizem por ai. Admito que ja fui lá, mas não comi nada. rs

Everton disse...

Jô, que história é essa de "comer escondidinho" no Língua de Prata? isso pega mal, dizem por ai. Admito que ja fui lá, mas não comi nada. rs

Everton disse...

Jô, que história é essa de "comer escondidinho" no Língua de Prata? isso pega mal, dizem por ai. Admito que ja fui lá, mas não comi nada. rs

Joana D'Arck disse...

Janistraquis te denunciou e me entregou as provas.Aguarde.

simoa disse...

Que calúnia contra o companheiro, o que ele comeu no Língua de Prata todo mundo sabe, não foi escondido....kkkkkk

Joana D'Arck disse...

Ô língua!

Arquivo do blog