Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

segunda-feira, 26 de maio de 2014

ANTÔNIO CARLOS & JOCAFI NO RED RIVER CAFÉ, NESTA QUARTA (28)


(texto de divulgação de Dóris Pinheiro) 

A dupla baiana de cantores e compositores Antônio Carlos e Jocafi faz show, cantando seus maiores sucessos, nesta quarta-feira (28), no Red River Café, no Largo da Mariquita, Rio Vermelho. 

Antônio Carlos & Jocafi foram unidos pelo poeta e letrista Ildásio Tavares, de quem ganharam poemas e letras para suas músicas de início de carreira. Descobertos pelo maestro Carlos Lacerda (“guru” musical da Bahia responsável pelo sucesso de vários músicos, cantores e compositores da Boa Terra), participaram com êxito de vários festivais em Salvador, quando foram chamados pelo produtor Rildo Hora para gravarem seu primeiro LP – “Mudei de Idéia”, um sucesso imediato que confirmou a competência de ambos.

Daí em diante, músicas como “Você Abusou”, “Mas que Doidice”, “Morte do Amor” e “Toró de Lágrimas” conquistaram corações na voz do povo brasileiro. Era a consagração da dupla, que explodiu em proporções gigantescas com o advento do Festival Internacional da Canção, onde 36 mil pessoas numa só voz cantavam “Desacato”, classificada entre os primeiros lugares.
Como compositores tiveram a oportunidade de gravar com os maiores nomes da música popular brasileira, como Vinícius de Moraes, Orlando Silva, Maísa, Nelson Gonçalves, Toquinho, Clara Nunes, Os Originais do Samba, Doris Monteiro, Jorge Aragão, MPB-4, Angela Maria, Emílio Santiago, Alcione, Djavan , Daniela Mercury,Jair Rodrigues, D2 entre outros.

Uma carreira de sucesso, que inclui a autoria de trilhas sonoras, aberturas e temas para novelas e seriados como “Super Manuela” , “O Primeiro Amor” e “Shazam e o Xerife” na TV Globo. No cinema, à convite do cineasta francês Marcel Camus (internacionalmente conhecido pelo seu trabalho em “Orfeu do Carnaval”), foram convidados para fazer a trilha do filme “Otália da Bahia”, baseado no romance “Pastores da Noite” de Jorge Amado, além de músicas para o filme espanhol “Jamón Jamón”, entre outros.

 No exterior obtiveram consagração total com a música “Você Abusou”, gravada na França por Michel Fugain na versão “Fais Comme Loiseau”, que vendeu mais de três milhões de cópias e lhes abriu o mercado mundial. Desde então, “Você Abusou” foi gravada em vários idiomas e interpretada por estrelas internacionais como Sérgio Mendes, Célia Cruz, Paul Morriat e Stevie Wonder. A dupla também participou de turnês pela Europa, EUA e Japão, onde participou de duas edições do World Popular Song Festival em Tóquio, como finalistas com os temas “Luanda Silê” e “Diacho de Dor”.

 A simplicidade gostosa de suas letras e o forte apelo popular dos sambas-de-roda da Bahia, servem de alicerce para composições envolventes e inesquecíveis que encantam desde a década de 70. “Música popular é para ser cantada e dançada pelo povo” dizem, acostumados com as noitadas de samba no antigo Mercado Modelo, onde todos cantavam e dançavam ao som de suas melodias.

 Antonio Carlos, após cinco anos como coordenador  de um  programa de inclusão social em Vila Isabel atendendo as comunidades do entorno, dará continuidade ao projeto como Diretor Musical da Orquestra SindiRefeições RJ e Orquestra Violões do Forte de Copacabana implantado no Forte de Copacabana através do Instituto Rudá, visando atender as crianças das comunidades do entôrno, como Pavão – Pavãozinho/Cantagalo, Babilonia, Chapéu Mangueira, Santa Marta etc .

Os ingressos custam R$ 50 (antecipado o preço é R$40) e as reservas podem ser feitas pelo telefone (71) 3023-4655. Produção da Badá Produções -  Geraldo Badá 71 8520-3331. Apoio Rita Basttos Produções (71) 9178 0896 / 9915 7116. 

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Sala lotada na pré-estreia do Guitarra Baiana





As guitarras dos irmãos Armandinho e Aroldo Macedo se juntaram à guiban (mistura de guitarra com bandolim) de Fred Menendez, em plena Praça Castro Alves, na noite de quarta-feira (21), para comemorar o sucesso da pré-estreia do filme Guitarra Baiana – A Voz do Carnaval, primeiro longa do cineasta baiano Daniel Talento. O público lotou a sala 1 do Espaço Itaú de Cinema – Glauber Rocha. Não deu para quem quis e muitos tiveram que voltar para casa sem assistir ao filme, que em breve entrará em circuito comercial (ainda não está definida a temporada).
Hoje (22) é o aniversário de Armandinho, mas o presente ele ganhou na véspera, com direito a “parabéns pra você” cantado pela platéia. Emocionado, ele disse que o documentário Guitarra Baiana traduz com fidelidade a história da criação do instrumento, que se confunde com sua própria carreira. O “pau elétrico” inventado pela dupla Dodô e Osmar há 70 anos é reverenciado na telona por vários artistas de destaque no cenário nacional, por ter revelado uma sonoridade genuinamente brasileira. E baiana, claro.
Além dos cantores e compositores Caetano Veloso e Moraes Moreira, e dos irmãos Macedo, falam Luiz Caldas, Morotó Slim, Durval Lélys, Missinho, Júlio Caldas e Fred Menendez, além dos maestros Spok e Fred Dantas.
Após a exibição do filme, foi a vez da guitarra baiana se mostrar por inteira, ao vivo e à cores, justamente no palco dos memoráveis encontros de trios, a Praça Castro Alves. O Rixô Elétrico, de Fred Menendez, deu uma pequena mostra do som contagiante da guitarra baiana, botando o público para dançar ao som de sucessos como “Atrás do trio elétrico”, “Viva Dodô e Osmar”, “Pombo Correio” e o Hino do Bahia (este último para delírio do tricolor Daniel Talento).
Ninguém se importou com a chuva, nem muito menos com o tal de “fenômeno da microfonia”, dançando até o último acorde da guitarra. Daniel Talento vibrou com a realização do sonho de estrear o filme em sua terra, a terra dos inventores do instrumento, num clima de altíssimo astral. Afinal, o Guitarra Baiana faz parte de um projeto maior de resgate da história da dupla que também criou o trio elétrico, que envolve o longa de ficção “Dodô e Osmar – A invenção do Carnaval Popular da Bahia”.

















Ficha técnica

Além de Daniel Talento a equipe de produção do filme é formada por Carolina Migoya (roteiro), Petrus Pires (fotografia), Rógerson Cunha (produção), Rickson Bala (som direto), João Lins (edição), Bob Bastos (mixagem e trilha), Fernando Sequeira (colorista), Ricardo Rama e Kátia Campos (produção executiva).

Curtindo com a cara deles

 Carmela Talento


Na eleição passada um cidadão candidato com um número  razoável de amigos no facebook, acreditava piamente que teria o voto de todos eles. Urnas  abertas e o camarada teve  meia dúzia de votos, ai não deu outra, xingou a todos chamando-os de traidores. Afinal, como pode ter mais de quatro mil amigos no face e ter apenas meia dúzia de votos?  Lembrei desse fato diante das comemorações exageradas  que vejo na internet de  candidatos contabilizando o número de curtidas em suas páginas como se fossem votos garantidos. Faz-me rir!

Insulto Veríssimo


"Do baú. Certa vez fiz uma trova entre Deus e o Diabo para o Kleiton e o Kledir em que, respondendo a uma provocação do Diabo, que duvidava do seu poder de estar em todas as partes ao mesmo tempo, Deus cantava: “Vá ver se Eu não estou lá na esquina.” Na verdade, mandar alguém ver se estamos na esquina é uma das maneiras mais brandas de mandá-lo longe, comparável a mandar plantar batata ou procurar a sua turma. Mas existem exortações mais radicais, algumas imprecisas e de difícil execução. Mandar o outro encontrar uma banheira ou um chuveiro e se lavar, ou ir à presença da prostituta que lhe deu à luz, não exige maior empenho ou engenhosidade. Afinal, todos deveriam estar sempre dispostos a tomar um banho, e todos têm a obrigação elementar de saber onde está a sua mãe, ou pelo menos onde ela faz ponto. Mas e quando se manda alguém ao (para usar o nome científico) excremento? Que excremento? Onde? De que ou de quem? Como a referência é sempre “ao” excremento, genericamente, e não a uma determinada porção, subentende-se que em algum lugar existe uma quantidade de excremento aguardando a chegada do outro, que só depois de atirar-se nele, como mandamos, deve ir tomar banho. E aproveitar para lamber o sabão. Algumas tarefas são irrealizáveis. Catar capim no mato, tudo bem. Mas como uma pessoa pode “se” catar, por exemplo? E de que imaginável jeito alguém pode praticar a autofornicação, mesmo sendo um contorcionista? A pessoa nunca passaria das preliminares, e assim mesmo limitada pelo alcance dos seus lábios e das suas mãos. Onde, como e quando encontraríamos o tal raio que nos partisse, sem receber maiores instruções? Quando se manda alguém para o Inferno, ao menos é para um lugar específico. (Na trova que eu inventei para o Kleiton e o Kledir, o Diabo mandava Deus para o Inferno de uma forma sutil: “Apareça la em casa!”) Mas a exata localização do Inferno é uma velha questão teológica. Como encontrá-lo? E depois de encontrá-lo, como saber onde ficam os seus quintos? Ir para o Inferno pressupõe morrer antes ou o Inferno, no caso, é metafórico e inclui qualquer lugar desconfortável do momento, como Faluja ou uma fila do SUS? Sejamos claros. Nos nossos insultos, mesmo que em nada mais na vida".Luís Fernando Veríssimo 




sábado, 17 de maio de 2014

Tá chegando a hora: pré-estreia do Guitarra Baiana é nesta quarta (21). De grátis

Documentário do diretor baiano Daniel Talento será exibido no Espaço Itaú (Glauber Rocha), às 20h30, com apresentação do Rixô Elétrico



Setenta anos depois de criada por Dodô e Osmar, a Guitarra Baiana, um dos principais símbolos do Carnaval de Salvador, vira filme e ganha a telona.  O documentário Guitarra Baiana – A Voz do Carnaval, do diretor baiano Daniel Talento, da Tia Maria Filmes, terá pré-estreia na próxima quarta-feira, dia 21, às 20h30, no espaço Itaú de Cinema (Glauber Rocha), com presença de Armandinho e Aroldo Macedo, apresentação do músico Fred Menendez e seu Rixô Elétrico, entre outros artistas.

O filme mostra a história do instrumento genuinamente baiano, que nasceu como “pau elétrico”, intercalando registros históricos com depoimentos de Caetano Veloso, Moraes Moreira, Armandinho Macedo, Aroldo Macedo, Missinho, Luiz Caldas, Júlio Caldas, Morotó Slim, maestro Fred Dantas, maestro Spok, professor Paulo Miguez, radialista Perfilino Neto, luthier Elifas Santana, Jackson Dantas, Durval Lélys, Lito Nascimento e Fred Menendez.

Além de Daniel Talento a equipe de produção do filme é formada por Carolina Migoya (roteiro), Petrus Pires (fotografia), Rógerson Cunha (produção), Rickson Bala (som direto), João Lins (edição), Bob Bastos (mixagem e trilha), Fernando Sequeira (colorista), Ricardo Rama e Kátia Campos (produção executiva).

A história

No início dos anos 1940 a dupla Dodô & Osmar teve a ideia de construir um novo instrumento, após uma apresentação do músico Benedito Chaves com seu "violão elétrico". Com um captador acoplado à caixa acústica e ligado a um amplificador, perceberam que dava grande sonoridade. Dodô era técnico em eletrônica e, depois de muitos testes, inseriu o captador num corte de madeira maciço para evitar a microfonia.

Nascia, assim, o pau elétrico, que para muitos viria a ser a primeira guitarra elétrica do mundo. Daí surgiu o instrumento que revolucionou a estética do Carnaval da Bahia.

E um detalhe importante: é de grátis.

terça-feira, 13 de maio de 2014

Guitarra Baiana - A Voz do Carnaval, dia 21/05, às 20h30, no Espaço Itaú

Excluído da grade do Festival In-Edit Brasil, apesar de ter sido exibido na programação de São Paulo, o filme Guitarra Baiana - A Voz do Carnaval, de Daniel Talento (Tia Maria Filmes), terá pré-estreia no dia 21 de maio (quarta), às 20h30, no Espaço Itaú de Cinema - Glauber Rocha. Com apresentação de Fred Menendez e seu Rixô Elétrico.

Vamos lotar a Praça Castro Alves e dar a resposta que o In-Edit merece


sábado, 10 de maio de 2014

In-Edit sem o brilho do Guitarra Baiana

Eu queria entender a declaração do diretor do festival In-Edit Brasil (de documentários musicais) ao jornal A Tarde de hj, Caderno 2, dizendo que o filme Guitarra Baiana - A Voz do Carnaval, do baiano Daniel Talento, não foi incluído na grade de Salvador pq a curadoria priorizou obras que considerou com maior destaque e inovação: "Quanto à linguagem cinematográfica, não é um filme que se destaca entre os outros", segundo o diretor Marcelo Andrade. Estranho pq justamente ele, em entrevista ao BahiaNotícias (http://www.bahianoticias.com.br/cultura) e ao iBahia, disse que o filme não foi incluído pq tinha grandes chances de ser exibido no circuito comercial. Que eu saiba, pra ter chance de entrar em circuito comercial o filme tem que ser bom. ALGUÉM ME EXPLICA PELAMORDEDEUS?????????

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Queremos o Guitarra Baiana na grade do In-Edit Brasil em Salvador

Queremos ver o Guitarra Baiana, que tem tudo a ver com a cultura local e foi feito por baianos (Tia Maria/ Daniel Talento), sobre baianos e um dos maiores símbolos do Carnaval de Salvador, na grade do In-Edit Brasil.
A explicação oficial dos dirigentes do festival não convence:
In-Edit Brasil Os filmes nacionais escolhidos para a edição de Salvador foram baseados principalmente na Competição e na Mostra Brasil, os pontos chave do festival. O doc Guitarra Baiana, - que é sem dúvida um excelente trabalho -, tem mais possibilidades de estrearem circuito em Salvador do que o restante dos docs nacionais. Dessa forma, optamos por não colocá-lo na programação local, já que a nossa grade na cidade é bem mais restrita do que a versão de São Paulo.


Queremos o Guitarra Baiana na grade do festival, independentemente de depois entrar em circuito comercial pelos méritos do filme.




quarta-feira, 7 de maio de 2014

A monstruosidade do linchamento



Revolta, indignação, pavor. São sentimentos que nos assaltam com notícias como a do linchamento da dona de casa Fabiane de Jesus, no Guarujá (SP), confundida com uma suposta sequestradora de crianças, cujo retrato falado circulou pelas redes sociais, apesar não ter havido qualquer registro do crime na cidade. Pior é ver depoimentos, como o de um dos participantes do linchamento, o eletricista Valmir Dias Barbosa, 47 anos, que após ser preso falou diante das câmaras e microfones: “Não sabia se ela era inocente ou não. Aconteceu e aconteceu. Não posso fazer mais nada. Eu também tenho filhos e o papo que rolava é que estavam matando crianças. Não sabia se ela era inocente ou não. A foto era idêntica".

Após confessar participação no crime, o detido disse estar arrependido. Arrependimento que não devolve a vida da vítima e nem repara os danos terríveis causados à família dela, que tinha criança pequena para criar. De acordo com ele, mais de 100 pessoas participaram do linchamento. Uma monstruosidade coletiva inaceitável. 

terça-feira, 6 de maio de 2014

Matita Perê encanta em homenagem a Caymmi nos domingos de maio

Imperdível! Grupo Matita Perê em show de homenagem ao centenário de Caymmi.  Elogiadíssimo pelo público em sua estreia, domingo passado (4),  que tem destacado nas redes sociais a alta qualidade e beleza dos arranjos e releituras  do talentoso grupo. 

O show traz novas versões para canções como 'Só Louco', 'A Lenda do Abaeté', 'Pescaria', 'A Mãe D’Água e a Menina', 'A Preta do Acarajé', 'Maracangalha' e 'Vatapá' . Integram o grupo deste especial os  veteranos Luciano Aguiar e Borega, que se juntam ao novo integrante Rafael Galeffi  no violão; André Becker (sax e flauta), Alexandre Montenegro (contrabaixo acústico), Sebastian Notini (percuteria)  e Aiace Félix (voz). 

Local: Teatro Gamboa.
Dias : Todos os domingos de maio
hora:  17h 
Ingressos: R$ 20 e R$ 10.

Folga do trabalho na Copa

Com a  proximidade da Copa, fique ligado no calendário oficial de expediente de trabalho que a prefeitura de Salvador decretou e que deve ser seguido pela cidade:


13 e 20 de junho / 01 de julho                        8h às 12h
16 e 25 de junho (jogos em Salvador)        Folga total
12 e 17 de junho / 4, 8 ou 9 de julho            Turnão – 8h às 14h


Estão de fora do estabelecido, os serviços essenciais que não podem sofrer solução de continuidade como a saúde, trânsito, defesa civil, obras públicas, guarda municipal, fiscalização, dentre outros.

  
Fonte: 


Diário Oficial do Município (DOM/PMS)  Decreto nº 24.884.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

DNA de pescador




Prova de que a pescaria está no DNA dos Soares, foi a performance de Davi, sobrinho-neto do grande pescador Zé Sinva, na praia de Ipitanga. 

Pescou um legítimo vermelho e uma pescada amarela, com a maior desenvoltura. Também pudera.... com um mestre dos anzóis na família não poderia ser diferente.

E as fotos estão aí pra provar que não foi papo de pescador 

Arquivo do blog