Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

sábado, 27 de junho de 2015

A Rua do Caralho

 Ela existe e fica em Covão do Lobo-Aveiro, uma freguesia portuguesa do concelho de Vagos.
Quem achou sacanagem a gente ter, em Mato  Grosso, um encontro das ruas Timelo Rego e Tilasco Pinto, olha essa aí, dos  portugas. 



quinta-feira, 25 de junho de 2015

Olha aí outra belezura

No clima de festas juninas, aí vai uma belezura e tanta!




Lindo, lindo...não consigo parar de ver essa joia rara!
Posted by Flavio Lage on Quarta, 24 de setembro de 2014

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Novidades da tecnologia

Num passado nem tão remoto assim...rsrs.



sábado, 6 de junho de 2015

Muito fashion!




Thời trang độc lạ hấp dẫn, phần 2 :vAn unique fashion show, part 2 :-P
Posted by 2! Idol on Quarta, 27 de maio de 2015

'Mapa do acarajé' localiza e traça perfil de 5 mil baianas em plataforma digital




O nome é meio complicado: Huayetalla Pilar. Idade? 63 anos. Naturalidade: Cusco, Peru. Raça: indígena. Ofício: baiana de acarajé. Ponto de venda: Copacabana. Não sei se o leitor entendeu bem, mas existe uma índia peruana que vive no Rio de Janeiro vendendo acarajé. Como conseguimos localizá-la? Fácil. Em uma espécie de “mapa do acarajé” que será oficialmente lançado em julho, claro, na Bahia.

Inserido em uma plataforma digital na internet, o mapa poderá ser encontrado no endereço www.oyadigital.com.br. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) investiu R$ 100 mil no desenvolvimento do projeto de organização e digitalização do acervo documental e na implantação da plataforma, produzida em parceria com o Instituto Palmares e a Associação das Baianas de Acarajé, Mingau e Receptivo (Abam).

Dona Pilar, a peruana, pode ser encontrada no mapa com mais de 5 mil baianas de acarajé espalhadas pelo Brasil, incluindo as que não são exatamente nascidas na Bahia, como ela. No início da década de 1980, Pilar veio ao Brasil como doméstica de uma família baiana que morava no Rio. Nas férias, vinha à Bahia e adorava comer acarajé em Itapuã, onde aprendeu o ofício. Há 27 anos, vende o bolinho ao lado do Copacabana Palace. Hoje, além de tudo, é filha de Iemanjá e pratica o candomblé. “Pra mexer com o dendê tem que ser assim, né”, indica.

Sonho antigo da Abam, a plataforma dá a mesma visibilidade às baianas. Em um clique, todas podem ser encontradas e têm seus perfis exibidos - de Fátima Solier, que vende o bolinho em Portugal (sim, há muitas baianas que trabalham fora do Brasil), até Mary de Jesus, 44, que desde que se entende por gente ganha a vida fazendo a alegria do paladar dos turistas bem no meio da Praça da Sé. “Tudo o que venha nos unir é importante. Juntas nós temos uma força que não sabemos”, afirmou Mary.

Alexandre Lyrio a (lexandre.lyrio@redebahia.com.br

Arquivo do blog