Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Pesquisa secreta, mas nem tanto, aponta segundo turno



Pra não dizer que não falamos de eleições (a três dias da realização do sufrágio municipal), vou reproduzir as informações trazidas por Assuntinha, que acabou de adentrar à sala fazendo alvoroço por causa de uma tal pesquisa que teve acesso. Vamos aos números:

Neto 43% -  25
Alice 28%  - 65
Isidoro 8% -  12
Cláudio Silva 5% -  11
Célia 2%  - 54
Da luz 1% - 28
Nulo 6%
Indecisos 7%

Que venha o segundo turno! Gritou Assuntinha balançando o pedaço de papel com suas anotações. Não confiamos em Ibope! Vai ter segundo turno, repete aos pulos. Quem fez essa pesquisa? A figura diz que não pode divulgar a autoria porque não foi registrada no TRE, mas a metodologia aplicada é segura. Será?  Como não foi registrada e foi realizada apenas para orientar campanha, fica difícil confirmar, né Assuntinha? Mas a criatura bate pé firme que a pesquisa é real e que vai desmascarar o Ibope. 

Fato é que o Ibope vem errando feio nas últimas eleições, observa a colaboradora aloprada, mas nem tanto. Enumerando com os dedos da mão esquerda, vai  citando: "2006, quando Paulo Souto ganhava no Ibope, quem levou foi Wagner, 2010 novamente. Em 2014, Paulo Souto tinha 58%  pelo Ibope, mas quem ganhou no primeiro turno foi Rui Costa. Agora o Ibope afirma Neto com 68% e as tais pesquisas internas afirmam SEGUNDO TURNO!", agita-se.

Façam suas apostas. 

enquanto isso no Palácio do Planalto...


terça-feira, 27 de setembro de 2016

É preciso ter poder de fogo para enfrentar a Globo



Por Jadson Oliveira – jornalista/blogueiro 



Enquanto dezenas de intelectuais denunciam mais uma vez os abusos - “Quem vai limitar a arbitrariedade da força-tarefa da Operação Lava-Jato e do juiz Sérgio Moro?” -, a campanha eleitoral segue impávida. E com um toque sensacional: o ministro da Justiça, Alexandre Moraes, antecipa mais cacete no PT num comício do PSDB. 

Um dia desses topei com uma senhora num shopping daqui da nossa capital desancando o petismo/lulismo, o que não é bem uma novidade digna de registro. O que me despertou para a fervente catilinária da mulher – supostamente com certo nível de conhecimento, já que é aposentada do INSS, onde chegou a exercer cargos de chefia – foi a inacreditável tese que defendeu. Continuar



Je veux d'l'amour, d'la joie, de la bonne humeur

Zaz é o nome artístico de Isabelle Geffroy
Tem um meme hilário que rola na internet, bem a minha cara, com uma figura toda enrolada de cachecol ao lado da Torre Eiffel, que diz assim: "Vontade de ir a Paris igual ano passado... Ano passado também não fui, mas tive vontade" (rsrs).

Eu também nunca fui a Paris, mas morro de vontade todo ano! Talvez por isso também o meu encantamento ao ver esse vídeo que compartilho aqui, gravado às margens do rio Sena. 

Com esta canção "Je veux", tema de seu primeiro album, lançado no mercado em 10 de maio de 2010, a cantora francesa Zaz, mescla musica francesa com o gypsy jazz. Ficou show!

Depois de ver isto, voltou aquela vontade do ano passado.


segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Eduardo e Mônica - Legião Urbana , 30 anos depois

O clip da Vivo em homenagem aos 25 anos da música, Eduardo e Mônica -Legião Urbana já tem cinco anos e a música, lançada em junho de 1986, agora é uma trintona.Muito bom para relembrar os bons tempos do rock nacional,

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

É preciso ter arma e munição para a batalha midiática


Qual seria o passo à frente a ser dado pelas esquerdas brasileiras? Despertar suas forças para a necessidade da luta pela construção duma poderosa rede de mídias alternativas, que prefiro chamar mídia contra-hegemônica. Desarmados como estamos, é brincar de fazer política. Perdemos em 1954, perdemos em 1964 e voltamos a perder em 2016.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

CULPA DO DIABO

"Deus, para a felicidade do homem, inventou a fé e o amor. O Diabo, invejoso, fez o homem confundir fé com religião e amor com casamento." - Machado de Assis

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Presidente Golpista repudiado na ONU


O presidente  Temer Golpista foi repudiado na abertura da 71ª Assembleia Geral da ONU, em Nova York, nesta terça-feira (20). Mal foi anunciado para falar e os representantes dos países da America Latina deixam o Plenário.
Bem feito!
#foratemer



segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Pérolas dos avisos de igrejas

Me acabei de rir com essas pérolas de avisos fixados nos murais de algumas igrejas. Todos eles são reais, escritos com boa vontade e má redação. 













E MAIS ;

"O preço do curso sobre Oração e Jejum não inclui as refeições."

 "Por favor, coloquem suas esmolas no envelope, junto com os defuntos que desejem que sejam lembrados."

Escolha a pérola preferida.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Adeus moço bonito



Domingos Montagner, de 'Velho Chico', morre  aos 54 anos




quinta-feira, 15 de setembro de 2016

PRA QUE PROVAS QUANDO O MPF PODE APRESENTAR UM POWER POINT?

Jean Wyllys*




Dessa vez, o nível de arbitrariedade, irresponsabilidade e desprezo pelas garantias legais por parte dos membros do Ministério Público Federal que conduzem a operação Lava Jato bateu seu recorde. Ao apresentar suas "razões" para tentar incriminar Lula - proposta que ainda será avaliada em preliminares e no mérito por um juiz - o MPF do Paraná conseguiu transformar o que deveria ser uma denúncia séria e sustentada em provas num constrangedor comício político anti-Lula e antipetista, cuja estrela principal foi um tosco power point que, em minutos e acertadamente, virou alvo de chacota nas redes sociais. Apenas a Globo News e a home da Folha de São Paulo levaram aquele esquema de ensino fundamental a sério. Por que será?

Os digníssimos procuradores iniciaram o comício com uma frase que fez corar qualquer pessoa com conhecimento mínimo em Filosofia do Direito e Teoria da Justiça: não teremos provas, mas temos convicções! Repito: Não teremos provas, mas temos convicções. Ou seja, bastam as convicções dos procuradores para de se incriminar uma pessoa! Surreal! E surreal é a imprensa lhe dar microfones sem crítica.


Como se não houvesse no Brasil um rito legal para ser seguido em casos de corrupção, uma "denúncia" é apresentada num evento claramente político transmitido ao vivo por televisão, assim como um lançamento da nova programação da Globo para potenciais anunciantes. Sem provas, nem argumentos objetivos, foram apresentados sucessivos desenhos e gráficos no modelo power point que "mostram" a misteriosa relação entre as "reações de Lula", a "expressividade" e "Lula", grande, no centro. Parece uma piada? E é uma piada: não há outra maneira de encarar aquilo. A falta de consistência na peça processual foi substituída por estratégias mais próprias de um aluno que não estudou para a prova... Aliás, a apresentação tem a cara de quem faz curso de Direito à base de apostila e slides!
A "tese" apresentada como "notícia bomba" não traz nenhum fato novo e repete, em grande medida, a "teoria do domínio do fato", antes utilizada no julgamento do "mensalão" (não, não estou me referindo à compra de parlamentares para garantir a reeleição de Fernando Henrique Cardoso; este "mensalão" nunca foi julgado nem chegou às manchetes dos jornais), ou seja, se Lula era o líder de um grupo político, conclui-se que sabia de todos os supostos crimes cometidos pelos membros do seu governo (dentro e fora dele); supõem um sequestro da consciência e da vontade dos subalternos por parte de Lula.
É a "paranoiacracia"!
Vejam que não há muita diferença entre os surtos de Janaína Paschoal e as "convicções" dos procuradores do Paraná! Eles parecem a reencarnação das fanáticas de Salem.
No país que viu um governador (atual senador) construir aeroporto na fazenda do tio com dinheiro público e outro dançar em Paris de guardanapo na cabeça junto de empresários ligados a esquemas de corrupção, Lula é apresentado como "o maior dos corruptos" que, ao final da história, restaria com um simples apartamento mediano no Guarujá (no Guarujá!) e que, até agora, não está provado que seja mesmo dele. É uma situação tão ridícula (mas igualmente revoltante!) que só poderia mesmo acabar em memes nas redes sociais.
A duas semanas da eleição, parece no mínimo "oportuno" apresentar fatos que já eram de conhecimento das pessoas num grande show. É o MPF do Paraná buscando intervir no resultado das eleições municipais sem apresentar candidaturas claras!
Ora, há nessa ação dos procuradores da Lava Jato um desrespeito profundo das garantias jurídicas; e a imprensa embarca no desrespeito por razões político-partidárias, afamando concurseiros com salários astronômicos e pouco senso de justiça. Isso é intolerável!
Se o procurador diz que não terá "provas cabais de que Lula é efetivo proprietário no papel do apartamento", mas que tem "convicção", eu posso afirmar que tenho a convicção de que os procuradores responsáveis pelo caso são uns burocratas classistas, com baixa compreensão da política e servidores indiretos dos corruptos e plutocratas do PSDB e do DEM. E aí?
Convicção por convicção, eu fico com a minha!

Texto *Jean Wyllys de Matos Santos é baiano, jornalista, professor universitário e deputado federal pelo PSOL do Rio de Janeiro.

Da série Presepadas do MPF


quarta-feira, 14 de setembro de 2016

#ForaTemer


Nude de Zulu deixa homens "amuados"

Hoje preciso usar esse espaço pra fazer um desabafo: tá difícil ser homem.

Se já não bastasse o Rodrigo Hilbert ter um programa de TV onde ele cozinha, lava, limpa, constrói e faz de tudo, agora surge uma foto do Paulo Zulu pelado. O nível de comparação ficou muito alto. Porque na boa, quando vazaram os nudes do Stênio Garcia tava de boa, mas o Zulu é sacanagem.

E eu já ficava P da vida vendo o Tempero de Família. Ainda esses dias falei pra minha noiva que eu queria comprar uma grelha argentina pra colocar na nossa churrasqueira. Dias depois ela tava assistindo esse maldito programa e o Rodrigo Hilbert FEZ uma grelha argentina. Sim, ele tirou as medidas, cortou os ferros, lixou e soldou peça por peça. E ficou ótima. Pra onde foi minha moral de comprar uma grelha agora?

Não basta o cara ser loiro, alto, bonito e rico, ele ainda cozinha de tudo e constrói tudo que ele precisa. Pior que depois de cozinhar ele ainda lava a louça e limpa toda a bagunça. O mínimo que ele merece é ser casado com a Fernanda Lima. Até eu queria casar com ele.

Mas pra tudo ir por água abaixo de vez, ontem aparece na internet uma foto do Paulo Zulu pelado. Toda mulher deveria ser proibida de ver aquela foto. Na foto só tem ele na frente de um espelho, sem roupa nenhuma e segurando um iPhone. E o pior, ele tem um iPhone 6. Eu tenho um 4. Ou seja, até o iPhone dele é maior que o meu.

Agora faz sentido o cara se chamar "Zulu". É uma nítida referência afrodescendente. Além disso o cara é todo musculoso. Ele tem 53 anos, surfa e malha todo dia. Sem contar que agora tenho certeza que quando ele chega na academia dizendo que vai malhar perna, o personal diz:
- Todas as três?

O que ainda me tranquiliza é que o Paulo Zulu mora em Santa Catarina e o Rodrigo Hilbert nasceu e grava todos os programas em Santa Catarina. Eu também nasci e moro em Santa Catarina. Talvez tenha alguma magia aqui no estado e eu tenha salvação. Então a partir de hoje vou começar a construir coisas, cozinhar, limpar e ir pra academia todos os dias. E só pra garantir, também vou começar a clicar naqueles e-mails de "aumente seu pênis".

Reproduzido do site Putzcasei

Antes tarde do que Cunha






segunda-feira, 12 de setembro de 2016

A tragédia brasileira



“O TRIDENTE DA REAÇÃO: juízes, parlamentares e meios de comunicação, todos corruptos até a medula, pôs em marcha um processo pseudo legal e claramente ilegítimo mediante o qual a democracia no Brasil, com suas deficiências como qualquer outra, foi substituída por uma descarada plutocracia…”
Por Atilio A. Boron (*) – no jornal argentino Página/12, edição de 02/09/2016 –

 Tradução: Jadson Oliveira
Uma gangue de “malandros”, como canta o incisivo e premonitório poema de Chico Buarque – ”malandro oficial, malandro candidato a malandro federal, malandro com contrato, com gravata e capital” – acaba de consumar, a partir do seu covil no Palácio Legislativo do Brasil (Congresso Nacional), um golpe de Estado (mal chamado “brando”) contra a legítima e legal presidenta do Brasil Dilma Rousseff. E dizemos “mal chamado brando” porque como ensina a experiência deste tipo de crimes em países como Paraguai e Honduras, o que invariavelmente vem após esses derrocamentos é uma selvagem repressão para erradicar da face da terra qualquer tentativa de reconstrução democrática.
O tridente da reação: juízes, parlamentares e meios de comunicação, todos corruptos até a medula, pôs em marcha um processo pseudo legal e claramente ilegítimo mediante o qual a democracia no Brasil, com suas deficiências como qualquer outra, foi substituída por uma descarada plutocracia animada pelo único propósito de reverter o processo iniciado em 2002 com a eleição de Luiz Inácio “Lula” da Silva para a presidência. A voz de comando é retornar à normalidade brasileira e colocar cada um no seu lugar: o “povão” aceitando sem chiar sua opressão e exclusão, e os ricos desfrutando de suas riquezas e privilégios sem temores dum desvio “populista” a partir do Planalto.
Claro que esta conspiração contou com o apoio e a bênção de Washington, que há anos vinha espionando, com tortuosos propósitos, a correspondência eletrônica de Dilma e de diferentes autoridades do Estado, além da Petrobras. Não somente isso: este triste episódio brasileiro é mais um capítulo da contraofensiva estadunidense para acabar com os processos progressistas e de esquerda que caracterizaram vários países da região desde finais do século passado. Ao inesperado triunfo da direita na Argentina acrescenta-se agora a porrada desferida contra a democracia no Brasil e a supressão de qualquer alternativa política no Peru, onde o eleitorado teve que optar entre duas variantes da direita radical.
Não é demais recordar que a democracia jamais foi de interesse do capitalismo: um de seus principais teóricos, Friedrich von Hayek, dizia que ela era uma simples “conveniência”, admissível na medida em que não interferisse no “livre mercado”, que é a não-negociável necessidade do sistema. Por isso era (e é) ingênuo esperar uma “oposição leal” dos capitalistas e seus representantes políticos ou intelectuais a um governo ainda que seja tão moderado como o de Dilma.
Da tragédia brasileira se colhem muitas lições, que deverão ser aprendidas e gravadas a fogo em nossos países. Menciono apenas umas poucas.
Primeiro, qualquer concessão à direita por parte de governos de esquerda ou progressistas só serve para precipitar sua ruína. E o PT a partir mesmo do governo de Lula não cessou de incorrer neste erro, favorecendo incrivelmente o capital financeiro, certos setores industriais, o agronegócio e os meios de comunicação mais reacionários.
Segundo, não esquecer de que o processo político não somente transcorre pelos canais institucionais do Estado mas também pelas “ruas”, o turbulento mundo plebeu. E o PT, desde seus primeiros anos de governo, desmobilizou seus militantes e simpatizantes e os reduziu à simples e inofensiva condição de base eleitoral. Quando a direita se lançou a tomar o poder de assalto e Dilma assomou à tribuna do Palácio do Planalto, esperando encontrar uma multidão em seu apoio, apenas viu um pequeno punhado de abatidos militantes, incapazes de resistir à violenta ofensiva “institucional” da direita.
Terceiro, as forças progressistas e de esquerda não podem cair outra vez no erro de apostar todas as suas cartas exclusivamente no jogo democrático. Não esquecer de que para a direita a democracia é só uma opção tática, facilmente descartável. Por isso as forças da mudança e da transformação social – nem falar dos setores radicalmente reformistas ou revolucionários -, têm sempre de ter à mão “um plano B”, para enfrentar as manobras da burguesia e do imperialismo que manipulam caprichosamente a institucionalidade e as normas do Estado capitalista. E isto supõe a organização, mobilização e educação política do vasto e heterogêneo conglomerado popular, coisa que o PT não fez.
Conclusão: quando se fala da crise da democracia, uma obviedade a esta altura dos acontecimentos, temos que enfatizar os que causaram esta crise. A esquerda sempre foi acusada, com argumentos artificiosos, de não acreditar na democracia. A evidência histórica demonstra, ao contrário, que quem cometeu uma série de frios assassinatos à democracia, em todo o mundo, foi a direita, que sempre se oporá, com todas as armas que estejam a seu alcance, a qualquer projeto encaminhado a criar uma melhor sociedade, e que não hesitará em destruir um regime democrático para atingir seus fins.
Para os que tenham dúvidas aí estão, em datas recentes, os casos de Honduras, Paraguai, Brasil e, na Europa, da Grécia. Quem matou a democracia nesses países? Quem são os que querem matá-la na Venezuela, Bolívia e Equador? Quem a matou no Chile em 1973, no Brasil em 1964, na Indonésia e República Dominicana em 1965, na Argentina em 1966 e 1976, no Uruguai em 1973, no Congo Belga em 1961, no Irã em 1953 e na Guatemala em 1954? A lista seria interminável.
(*) Atilio A. Boron é cientista político e sociólogo, que se diz argentino por nascimento e latino-americano por convicção.
Reproduzido do Fazendo Media

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

FORA GOLPISTAS!



Primeiramente, Fora Temer! Segundamente, Fora Neto! 
Neste sete de setembro o grito que ecoou nas ruas do centro de Salvador foi de protesto contra  presidente golpista e o prefeito golpista. 


A galera jovem se engajou no protesto com toda a rebeldia e irreverência, cantando paródias ao som de percussão improvisada em latas e sacudindo bandeiras gigantes com o "Fora Temer" .


Nas faixas, nas músicas, nas praguinhas, nas camisetas e até nas faixas de trânsito pichadas, na hora, por estudantes, os golpistas não foram perdoados.

PS: 1ª foto de autoria de Manoel Porto

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

 GOLPISTA, GOLPISTA, GOLPISTA!

Arquivo do blog