Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Crepúsculo ou alvorecer?


JADSON OLIVEIRA

De La Paz (Bolívia) - Tenho que deixar um pouco meu acompanhamento das coisas bolivianas para voltar a cabeça às coisas cubanas, não me agrada, mas vou dar algumas opiniões aligeiradas para atender à pressão dos companheiros e companheiras do Pilha pura, que parecem achar ser importante o que eu tenha a dizer. A polêmica sobre Cuba é grande e antiga, talvez por isso tenha medo de parecer leviano. Minha visão, desorganizada, precisaria ser debatida com outras pessoas, com companheiros, para lapidar mais um pouco. Mas, enfim.

Não compartilho de maneira alguma com a visão do jornalista Samarone Lima, autor do livro Viagem ao Crepúsculo. Essa coisa de crepúsculo da revolução cubana é velha, muito velha, não aconteceu nem quando a União Soviética desmoronou, época que os cubanos chamam de “período especial”, período de sofrimentos redobrados.
Já ouvi palpites estranhíssimos sobre o “fim próximo” da experiência socialista cubana. Uma vez um professor brasileiro que encontrei por lá me disse que os Estados Unidos só “mantinham” Cuba assim como ela é para mostrar ao mundo que o bom mesmo é o capitalismo, ou seja, “a democracia”, como nos ensinaram a dizer. Uma perfeita loucura!

Pintar a cena cubana de inferno, fome, desespero, delação, carência absoluta de liberdade, para mim, é tomar uns casos ou outros pela realidade geral, é trilhar, consciente ou inconscientemente, pelo caminho largo e bem pavimentado aberto pelo cerco midiático a que estamos submetidos pelo império estadunidense (poderíamos acrescentar cerco cultural, além do econômico, financeiro e militar).

Respeito muitíssimo nosso Frei Betto, por toda a sua história de compromisso em defesa dos mais pobres e oprimidos. Não tenho os elementos que ele deve ter para avaliar a blogueira cubana Yoani Sánchez, mas desconfio seriamente desses defensores da liberdade que viram heróis, da noite para o dia, na mídia capitalista.

Passei oito meses em Cuba, a maioria do tempo em Havana, de julho/2007 a fevereiro/2008. Acho que aprendi muita coisa. Vi muita coisa que me agradou e vi também muita coisa que me desagradou.

Vou tentar me lembrar primeiro das coisas ruins.

O assédio aos turistas. Creio que uma boa parcela de jovens vive do ofício de explorar, roubar, “estafar” a turistada (bom esclarecer, na base da enrolação, no papo, sem violência física). A todo momento se aproxima um dizendo “brasileño!” e tome enrolação. É uma coisa horrível, tive uns amigos, gente boa, que morriam de vergonha, diziam que aquilo desmoralizava a revolução. Uma vez tratei grosseiramente um rapaz e quebrei a cara, era gente boa que queria só ajudar. Tem gente assim também, muito receptiva.

Junto com isso, podemos lembrar a prostituição, apesar da vigilância policial. O turista arranja logo, logo, fácil, fácil, aquelas mulatinhas jeitosas, “jovencitas”, gostosinhas.

A dificuldade para comprar coisas triviais, dentro dos padrões comuns da nossa classe média (talvez classe média baixa). No caso dos cubanos, também por falta de dinheiro (os salários são baixíssimos, já que o Estado dá de graça o básico para a sobrevivência material). No caso dos estrangeiros, há falta das mercadorias. Eu que sou um consumidor pouco exigente, sofri pra comprar três coisas: fio dental (um dentista me garantiu que não se vendia por lá), café descafeinado (encontrava esporadicamente) e bloqueador solar daqueles mais fortes.

O consumismo, esse fundamentalismo da sociedade moderna, como teorizava nosso grande Milton Santos, continua firme e forte, apesar dos 50 anos de revolução, apesar dos sonhos de Che Guevara de construir o “homem novo”. Essa praga está no ar em nosso mundo capitalista “democrático” ocidental, continua letal, não se fabricou ainda uma vacina eficaz contra seu vírus. No caso de Cuba, para reforçar, os Estados Unidos mantêm emissoras de rádio e TV, clandestinas, com programação especial para a ilha, injetando esse vírus diretamente na mente dos cubanos.

(Tentando teorizar um pouco – não tenho formação intelectual para isso -, acho que a ideologia do consumismo, que continua viva, é um dos principais panos de fundo de grande parte das críticas feitas à vida dos cubanos. Além das emissões clandestinas de rádio e TV, cito duas coisas simples com as quais convivi diariamente em Havana: o grande número de filmes, enlatados, norte-americanos nas TVs estatais (uma contradição intrigante, com toda sua carga de ideologia e cultura capitalistas) e as ilusões derramadas pelas novelas brasileiras, da Globo, popularíssimas por lá.

(Ainda tentando teorizar: pensei que não iria falar nisso, mas é claro que nuns 70% dos problemas criticados na sociedade cubana, pode-se identificar outro pano de fundo fundamental: o criminoso bloqueio econômico que tem quase a mesma idade da tomada do poder pelos barbudos de Fidel e que, todo ano, é condenado por quase todos os países da ONU – placar de mais ou menos 189 a 3. Isso é tão badalado que o governo às vezes é acusado de usar o bloqueio como álibi para eventuais falhas administrativas).

Por falar em meios de comunicação. Tudo lá é estatal, então só se tem um lado da notícia.

Me lembro de um programa de debates lá numa das TVs: é a coisa mais sem graça do mundo, todos os “debatedores” têm posições, no fundamental, semelhantes. (Um exemplo interessante: nunca vi por lá uma notícia negativa sobre o governo Lula). Mas, não se enganem, não é muito diferente da nossa imprensa “democrática”, a diferença é que o pensamento único está no outro lado da notícia. Exagero? Pensem nos “especialistas” que a nossa TV Globo botava na tela pra falar das excelências do neoliberalismo. Pensaram?


Liberdade de imprensa, a famigerada liberdade de expressão, ou mais precisamente, a liberdade das empresas privadas, a liberdade dos monopólios de comunicação, essa não existe mesmo não. Isso é bom ou ruim? Eu acho ótimo. No Brasil ela está em pleno vigor e veja a merda que é. Vamos ver agorinha mesmo (acho que é de 14 a 17 deste mês) a nossa primeira Conferência Nacional de Comunicação – Confecom.

Mais: o racismo contra os negros continua vivo, apesar dos esforços em contrário do governo, desde o início da revolução. Vê-se isso facilmente no dia-a-dia (embora não se tenha qualquer notícia de matança de negros pobres, como acontece na periferia de Salvador, por exemplo, um verdadeiro genocídio praticado pela polícia estadual. Pode-se dizer que, no caso do Brasil, trata-se de uma política de Estado, assim com o “E” maiúsculo).

E mais: uma certa falta de perspectivas para as camadas mais jovens, grande parte alimenta o sonho de trabalhar e ganhar dinheiro no Brasil, nos Estados, etc.; a homofobia lá é fortíssima; os hábitos de higiene e alimentação são péssimos, o que contradiz os avanços da medicina, especialmente a preventiva; o serviço de transporte coletivo, embora quase de graça, era uma calamidade no tempo em que estive lá, soube que tem melhorado.

Há muita corrupção entre as camadas mais baixas do funcionalismo, essa coisa de pequenos valores, troco a menos para turistas, “jeitinho” para aumentar a renda, eles chamam de “lucha” (luta). Já li artigo no Granma, o principal jornal de lá, estatal, criticando este fenômeno. Que mais? Vou parar, porque do contrário vai me faltar tempo pra falar das coisas boas.

Pois é, gostei de muitas coisas, vamos lá:

O principal, penso, é a garantia de sobrevivência material para todos, o mínimo para comer, morar, estudar, cuidar da saúde, tudo por conta do Estado. Pode-se apontar falhas, acredito que tenham muitas, mas, friamente, sem paixões ideológicas, creio que a situação para os mais pobres é muito superior à existente em todos os países da América Latina, incluídos os atualmente em processo revolucionário (como a Bolívia), os que contam com governos considerados progressistas (como o Brasil) e os ainda atolados no lamaçal do neoliberalismo.

A condição das crianças em Cuba, é, no geral, excepcional. Todas (ou quase todas, vamos nos precaver contra possíveis falhas) estão na escola. Me lembro de um out-door em algumas ruas e praças de Havana, dizendo mais ou menos assim: “Das 800 mil crianças (não tenho certeza se o número está correto, esse negócio de guardar cifra na cabeça é um porre) que dormem nas ruas pelo mundo, nenhuma é cubana”. Mentira? Se fosse, a chamada imprensa burguesa, cujos repórteres passam sempre por lá, entrevistando dissidentes, etc, já teria mostrado, rapidinho, os “niños y niñas” dormindo pelas “calles”.

(Vamos relativizar essa coisa de falta de crítica ao regime pela internet. A blogueira de agora não é um fato inédito, nem é uma ação solitária. Quando estive por lá, havia uma outra bastante conhecida e comentada, de posições sólidas de crítica ao governo cubano. Se não me equivoco, seu nome é Soledad Cruz, pelo que sei, através de uma amiga comum, é uma pessoa de bem e continua lá firme e forte. Outro fato no meu período por lá foi um estudante que peitou uma das mais altas autoridades do regime (é mais ou menos o equivalente ao nosso presidente do Congresso Nacional) num debate público, reclamando das restrições ao uso de um desses provedores da internet (yahoo? não tenho certeza). Pelo que sei, não aconteceu nada de especial com o rapaz, uma TV estatal fez entrevista com ele, etc e tal.

Bem, vou resumir o depoimento que adiante vai, está crescendo demais:

Andar pelas ruas, sozinho, a qualquer hora da noite e ainda com as ruas mal iluminadas. Isso eu só fiz em Havana, não tenho coragem de fazê-lo em Salvador, Manaus, Belém, Curitiba, Assunção, Caracas e La Paz, para citar as cidades onde estive recentemente. Os índices de assaltos, com violência e uso de armas, são baixíssimos.

Todo mundo (ou quase todo mundo) tem seu emprego, quase todo mundo funcionário público, salário baixíssimo e também – um detalhe que prejudica a economia – produtividade muito baixa. Me parece que o cara, de qualquer jeito, já tem seu emprego assegurado, então não há muito empenho.

Pra quem curte as chamadas atividades culturais, Cuba é realmente um paraíso. Cinema, teatro, espetáculos musicais, exposições de arte, tudo praticamente de graça. Livros, também baratíssimos.

Mais uma coisa:
não há estresse, talvez por isso as pessoas normalmente vivam muito (lá tem um tal de clube dos 120 anos). As pessoas fazem fila pra tudo, ficam lá numa boa, pra comprar sorvete, pra entrar nas lojas, pra esperar o ônibus e bote esperar... Mas, curiosidade, o cubano não fica propriamente na fila, ele chega, grita “el último”, o último da fila se mostra, então ele fica por ali por perto, sabendo quem é a pessoa que está à sua frente.

Bem, vou parar, devem ter mais coisas boas e ruins, mas o texto já cresceu demais, eu temia justamente isso. Há um mundo de coisas. Vocês me provocaram, vão me perdoar as omissões, a falta de objetividade, talvez em outra ocasião...

Só vou acrescentar uma coisa que, para mim, talvez seja o que mais me toca: a falta de efervescência política, a falta de protagonismo dos movimentos sociais, o que não vi em Cuba e que, ao contrário, me encantou na Venezuela e, agora, muito especialmente, na Bolívia.
Já pensei muito nisso, necessitaria discutir com outras pessoas para tentar entender melhor. Me parece que, de alguma forma, os cubanos – as gerações mais recentes – precisam de novos desafios em busca dos sonhos coletivos, da utopia, das novas formas de socialismo, do humanismo, que foi uma marca forte daquela geração de revolucionários que tomou o poder há 50 anos, que “assaltou os céus” nas barbas do poderoso império.

Muita gente prefere acreditar que não há eleições em Cuba. Há sim, com suas peculiaridades, que podem ser discutidas. Acompanhei lá todo um processo eleitoral, foi quando Fidel Castro, enfermo e já afastado do comando direto do país, desistiu da reeleição. Em termos numéricos, a participação da população nas eleições é altíssima, porém não vi entusiasmo algum nessa participação.

Falta alguma coisa em Cuba, alguma coisa que revitalize a paixão revolucionária de um Fidel,
a pureza revolucionária de um Che, a espontaneidade revolucionária de um Camilo Cienfuegos.

De quando em quando vejo na televisão o presidente venezuelano, Hugo Chávez, o principal líder da luta anti-imperialista da América Latina, alertando para o risco do burocratismo. “É igual ao colesterol”, diz ele, quando a gente menos espera, bum!, É um inimigo pior do que o império dos Estados Unidos, porque contra este inimigo a gente está sempre atento, enquanto o outro é traiçoeiro. Poderíamos fazer alguma ilação pensando nas dificuldades da revolução cubana?

Outra coisa que Chávez repete sempre: sem a revolução cubana não haveria a revolução bolivariana, como se chama o “proceso de cambio” no seu país. "Fidel es nuestro padre” (nosso pai, pra quem não está habituado ao espanhol). Fico matutando: se Cuba é o berço desse belo processo de alvorecer da América Latina, onde e como fica o protagonismo interno das novas gerações de cubanos?

32 comentários:

Mônica Bichara disse...

Essa reflexão de Jadson me aliviou um pouco, por casar com a impressão que eu tenho. Claro que não tenho a ingenuidade ou utopia de acreditar que é possível segurar uma revulução num ambiente tipo mar de rosas, mas colocando na balança os prós e os contra, como Jadson fez, acho que o saldo é mais positivo que negativo. Como ele mesmo definiu, "a garantia de sobrevivência material para todos, o mínimo para comer, morar, estudar, cuidar da saúde, tudo por conta do Estado... a situação para os mais pobres é muito superior à existente em todos os países da América Latina".
No domingo encontrei Zoraide e pedi a ela que entrasse no blog pra contribuir com esse debate, já que é uma pessoa com fortes ligações com Cuba.

Simoa Borba disse...

Não acredito que Cuba seja a mesma retratada pelo Fernando Morais em A Ilha (1976), principalmente após o fim do apoio soviético. Problemas? É evidente que eles existem, estamos falando de um país quer vive há anos um bloqueio econômico devastador para a economia de qualquer país seja ele socialista ou não. Por isso vejo Cuba como símbolo de resistência, principalmente quando se trata da garantia do básico para todos os cidadãos (reforço aqui as palavras de Jadson). Quanto a liberdade é uma questão a se discutir, mas o fato é que a própria existência da blogueira cubana acaba provando que o negócio não anda tão ruim assim.

Isabel Santos disse...

O respeito de Cuba para com as crianças para mim é algo da Revolução muito maravilhoso. Escola, saúde, esporte, o respeito no transporte público..., enfim cuidado. Os prós de Cuba me encantam. Torço por esse país, esse belo povo sempre e sempre...

Joana D'Arck disse...

Sempre torci por Cuba, mas não fecho os olhos para os problemas. Só não sei porque os direitos básicos (escola, saúde, moradia etc) têm que estar associados à mordaça, à repressão e a uma só vontade. Afinal, não foram esses os motivadores da grande luta travada aqui no Brasil, para derrubar a ditadura? A quem serve esse regime fechado, se não a manutenção dos mesmos no poder? Isso é uma questão que considero crucial. E acho que os meios são importantes e não apenas os fins. E depois essa história de Castros é sinistra. Fidel teve seu papel, fez história, revolucionou, mas ninguém venha me dizer que há algo de revolucionário na passagem do poder de um irmão para outro. Outra coisa, me desculpe, mas o "acesso" à cultura é baratinho mesmo, mas entra de tudo, qualquer filme, qualquer música ou livro que não esteja de acordo com a opinião do poder? Gente, no linguajar da moçada aqui, a fila anda e toda a América Latina está mudando. Cuba precisa achar um jeito(independente de bloqueio econômico) de fazer a abertura política sem prejuízo das conquistas sociais que vem alcançando . Acredito nisso.

JoaoJunior disse...

Joaninha e Jadson,

Este é um assunto sério!

Sem crianças nas ruas e mordaça no povo...
Direitos básicos garantidos e processo eleitoral questionável...
Enfim são extremos que exigem reflexão, afinal: se você apertar demais as cordas do violão ela se rompe e se afrouxar ele não toca, então prefiro afiná-lo.

deta disse...

Moniqueta, vc me desafiou a falar sobre Cuba, mas essa reflexão de Jadson já diz tudo, é como vejo. Ele com mais propriedade, claro, viveu quase como cubano.
Eu me prometi não falar mais sobre Cuba,não sei se é minha forma de expressar,mas tenho a impressão que as pessoas acham que faço uma defesa ferenha ao regime cubano,e começam a contra atacar. A maioria já tem sua opinião formada.
Lembro de quando estava na fila do cinema, no Festival do Cine Latino Americano, encontrei uma brasileira, Daniele, estudava há um ano na Universidade de Havana. Me contou que foi menina de rua, em Brasília, e conseguiu chegar em Cuba através de movimentos sociais. Disse que deu vários depoimentos na universidade, quando os estudantes falavam da liberdade de ir e vir, mais ou menos assim: "...no meu país se prega a liberdade, e eu estou aqui estudando pq lá não tenho oportunidade. No meu país liberdade é pra quem tem dinheiro...". Detalhe, vivia com pouco dinheiro, mas vivia bem, almoçava na universidade (pago pelo Estado). Entre outras, falou que sentia mais igualdade entre as pessoas.

Mônica Bichara disse...

Pois é, Deta! Eu também conheci recentemente alguns estudantes baianos que fazem medicina em Cuba, jovens de comunidades periféricas e até de quilombos - tem até um de Rio de Contas. Eles se emocionam tanto falando sobre essa oportunidade única que estão tendo, que não tem como esquecer e não se emocionar também. São os chamados "jalecos brancos", milhares deles, de diversas nacionalidades, que aprendem medicina, com tudo pago pelo governo cubano, para voltar a seus países como médicos e não para serem explorados por lá.
Fila é mesmo um saco, mas não tem nada mais democrático do que uma fila (aqui quando tem uma aparecem logo os cambistas para vender lugar). Em Cuba eu fiquei em uma (tenho foto) numa livraria, no meio da rua, para comprar o livro de Frei Betto, Fidel e a Religião. E não me arrependi.

Karen disse...

Oi Jadson:

Em Cuba não existe garantia de sobrevivência material para todos.Tem muita fome na ilha e os poucos alimentos que o estado vende ao povo, só alcançam para um mínimo de 13 dias,dos 30 ou 31 que tem um mês.Um cubano só tem direito, segundo o estado, a consumir no mês 2kg de arroz,um pouquinho de algúm feijão,1kg de açúcar,um sabonete às vezes,uma pasta dental para cada 4 pessoas,um pouco de café,um pouco de óleo,e um pão diário para cada pessoa.E vale esclarescer que nem sempre os cubanos podem ter estas misérias que o governo vende a preços baixos, porque as vezes não há no mercado.
As familias cubanas sobrevivem através do mercado negro, o roubo ao estado, que tem tudo e somente dá as misérias ao povo.Graças ao mercado negro,os cubanos sobrevivem, e não graças aos poucos produtos que o estado vende.

Estudar é gratuito,mas as crianças desde pequenas recebem a doutrina comunista, e repetem frases e palavras revolucionárias.
Nos últimos 5 anos o governo mudou a estratégia nas escolas devido à fuga de professores para outras áreas de trabalho, com melhores condições econômicas.As escolas ficaram praticamente sem professores.O governo preparou aos jovens que terminavam o ensino médio, para que trabalhassem como professores.Hoje o sistema educacional tem perdido muita qualidade, pois os jovens não são formados como professores.
Para poder estudar na universidade os jóvens têm que participar ativamente no processo revolucionário.Os que não concordam com o governo,os dissidentes e os testemunhas de Jeová não lhe permitem estudar na universidade.
Anos atrás,aconteceu o mesmo com as pessoas católicas.
Os jóvens não estudam a carreira que querem,tudo depende da quantidade de vagas disponíveis,e de notas acumulativas.
Não se respeita a vocação profissional.
As aulas de língua se pagam mensalmente.

Karen disse...

A moradia?.As casas cubanas são uma vergonha.A imensa maioria estão em condições terríveis,devido à falta de materiais para o mantenimento das mesmas.O estado não vende materiais de construcão nem conserta as casas.A temporada de furacões é de 6 meses,e as casas cubanas sofrem um deterioro constante.
Ninguém é dono de sua casa,ninguém pode vender nem comprar.
A moradia é um dos muitos problemas que o povo cubano tem.Em uma mesma casa podem existir familias de 4 gerações de pessoas,imagine a situacão.

A prostituição?.Sempre tem existido,mas Fidel disse que com a revolução se eliminaría. Em Cuba os produtos de primeira necessidade são vendidos pelo estado em dólares,ou CUC.Os cubanos recebem o salário em pesos,que é a moeda nacional.Um CUC equivale a 25 pesos.A prostutuição é uma consequencia da crises econômica que tem o pais há muitos anos.Se para você foi desagradável ,imagine para os cubanos que são testemonhas de como as amigas, e companheiras da faculdade, têm que fazer essa prática para sobreviver,ajudar à familia,comprar alimentos, medicinas, roupas ou calçado,sabonetes,roupas íntimas, produtos que só se encontram em CUC .É triste ver que muitas delas são universitárias ou profissionais.
Muitas adolescentes,sem perspectivas de um futuro decoroso optam por ser prostitutas para satisfazer suas necessidades básicas.

Homofobia?.Sim,tem muita.Há uns anos atrás o governo organizou uma perseguição aos homossexuais e muitos passaram anos na prisão.O governo revolucionário incentivou o preconceito no povo.Muitas pessoas ainda sofrem a rejeição da sociedade.

Karen disse...

Racismo?.Sim,existe.O governo disse que a revolução foi feita para os negros,mas eles são muito discriminados.Não ocupan cargos importantes,são perseguidos continuamente pela polícia,e são maioria nas prisões.
Se uma pessoa tem uma opinião oposta ao governo e além é negra, a discriminação é pior.

A Havana,capital de Cuba sempre foi uma cidade linda.Hoje está caíndo aos pedaços, parece uma cidade em guerra.Está feia, fedorenta, as ruas com buracos,e o governo não se importa.Antes da revolução,a Havana era linda,limpa,bem cuidada

O bloqueio econômico dos USA?.Cuba tem um embargo econômico,não um bloqueio.Nas lojas para turistas (moeda CUC) ,você pode achar produtos de diferentes paises,entre os quais estão o Brasil (frango e guloseimas brasileiras,etc), a Argentina, o México,a Espanha,o Chile, o Canadá,a Italia,e a China.
Eu gostaria que tirassem o embargo, e desta forma termine o discurso revolucionário culpando ao embargo de todos os erros e barbaridades que o governo cubano tem feito, desde que chegou ao poder.

A saúde é gratuita como em outros países. Existem excelentes médicos mas a imensa maioria são enviados para a Venezuela devido a um contrato que existe com Hugo Chávez, de quem o governo cubano recebe de 3000.00 a 4000.00 dólares por cada médico mensalmente como troco.E também recebe o petróleo
Às vezes não tem medicamentos e os hôspitais estão sujos, abandonados, sem condicões para um bom atendimento.A Maternidade “Hijas de Galicia” no municipio 10 de Octubre é um exemplo.
No mês de Janeiro passado morreram mais de 40 pessoas no hôspital de psiquiatría da Havana,vítimas de frio e fome Estes são exemplos atuais para que você tenha uma ideia da situacão da saúde pública cubana.
Os cubanos nunca entenderam porque Fidel foi fazer cirurgia na Espanha ,se a saúde pública da ilha é das melhores do mundo.
Se você tiver dólares em Cuba,você pode receber atendimento no CIMEX, hôspital para a elite

Karen disse...

Embora em Cuba não existam ricos nem pobres como no Brasil, sim existem desigualdades como resultado da dupla moeda.Aqueles que não tem CUC,e os que tem CUC .Estes últimos são os que podem receber um excelente atendimento médico, podem comprar nas lojas para turistas e diplomatas qualquer produto (alimentos,eletro domésticos, entre outros).Somente não podem viajar, mesmo com dinheiro no bolso.
Cuba não tem, nem teve a mesma situação da América Latina.Anos antes da revolução,Cuba era um pais lindo, próspero,dos primeiros da América.Um pais de inmigrantes espanhois, polonesses, chinesses, haitianos,entre outros.

Crianças?.É certo que não há crianças dormindo na rua,mas elas sofrem com a má alimentação, a falta de roupa e calçado devido aos salários baixos dos pais. Quando fazem 7 anos de idade, perdem o direito de consumir o leite da vaca que desde sempre beberam.Recentemente tiraram o pouquinho de frango que vendiam para as crianças, agora vendem um pouquinho de carne moída de má qualidade, que dá para duas refeções.

Empregos?.Não sei se você escutou o discurso recente de Raúl Castro,onde ele disse que um milhão de trabalhadores cubanos representam uma força não produtiva.

Produtividade baixa?. Existe uma má direção da esconomia.E também os cubanos não se sentem motivados a trabalhar,os salários são muito baixos,e não tem como sobreviver com eles,nem satisfazer as necessidades indispensáveis de qualquer ser humano.

Cultura?.Sim,é excelente e barata,não é de graça.Mas tem tanta crises no país que estão faltando materiais, vestuário, dinheiro para fazer peças de teatro, filmes, novelas,e espetáculos.

Estresse?.Sim existe muito estresse em Cuba.O estresse dos pais de familia que não tem dinheiro para botar comida em casa,o estresse das mães que têm que inventar o que cozinhar todos os dias, com poucas opções.O estresse dos jovens que se formam e não tem esperanças de viver a vida de um profissional normal ,com metas e um salário decente.O estresse das pessoas que não podem se queixar da situação existente porque algúm infiltrado pode fazer uma denuncia ao CDR ou a polícia.O estresse de um povo que não tem LIBERDADE e mora em um pais que é uma prisão.O estresse dos desesperados que se jogam no mar tentando chegar à USA, para se ver livres,trabalhar e ajudar à familia.Mesmo com o estresse,o povo cubano é muito alegre e as pessoas são capazes de fazer piadas com a situação do país

Karen disse...

Falta de efervescência política, a falta de protagonismo dos movimentos sociais?:
O sistema político em Cuba é diferente ao sistema da América Latina.Cuba é uma ditadura,não há liberdade e sim muita repressão.O governo é quem controla tudo,não permite que a oposição se expresse livremente,embora seja de forma pacífica.
Os cubanos vivem 24 horas vigiados pelo CDR,os sindicatos laborais, a polícia nas ruas.Hoje, graças à tecnologia,os vídeos com as barbaridades que o governo faz contra quem se atreve falar contra ele,são vistos na internet e o mundo pode ver a outra cara da moeda do governo cubano,um governo mentiroso,abusador,que grita, ofende, e bate em mulheres .Governo que usa crianças para ofender aos dissidentes cubanos.
Em um discurso recente Raúl Castro disse que não aceitará pressões internas nem externas.Mas não soluciona a situação do pais,disse que é necessário esperar.O que tem que esperar?.O país está passando por a pior crise econômica que já viveu,crises de corrupção de altos funcionários do governo, crises com os dissidentes, crises com a comunidade internacional que pede respeito pelos direitos humanos em Cuba.Enfim,um país em crises e os governantes sem a capacidade para resolver os problemas que eles mesmos provocaram.Hoje de forma despótica o governo cubano culpa injustamente ao povo do paternalismo,que o mesmo governo criou, e do fracasso econômico do país.Chama-se paternalismo à frase “tudo por conta do estado” que você falou.
Em Cuba existem muitas organizações dissidentes e de direitos humanos como os frentes opositores,a asociação de jornalistas independentes de Cuba,entre outras mais.

Eleções em Cuba?:Em Cuba não existem eleções para ter um novo presidente do país,essas são as verdadeiras eleções.

Karen disse...

Muito boa sua pergunta sobre o protagonismo das novas gerações de cubanos.
As DAMAS DE BRANCO tentam fazer as caminhadas de sempre, e o governo não deixa isso acontecer.Leva pessoal para gritar,ofender, humilhar, bater nessas corajosas mulheres.No passado domingo 25 de abril,os funcionários do governo ficaram quase 7 horas gritando e maltratando as DAMAS,que só caminham nas ruas com uma flor na mão,expressando através dessa ação um pedido por a libertação dos seus familiares, que são presos políticos,e que são as novas gerações de cubanos.
Se o governo abusa de mulheres que somente caminham pacíficamente pelas ruas, você pode entender como funciona o sistema em Cuba contra as pessoas que não concordam com governo?.Você nem imagina o que o governo cubano é capaz de fazer, já assassinaram pessoas e até crianças que estavam em um barco tentando foger de Cuba.Usaram mangueiras de água a pressão.Isso aconteceu no ano 1994.Os cubanos têm muito medo.Os funcionários da polícia enviam para a prisão a qualquer pessoa que não concorda com o sistema revolucionário.
Os maus tratos que estão sofrendo as DAMAS DE BRANCO, são uma repetição das mesmas ações do ano 1980, quando centenas de cubanos entraram nas embaixadas do Peru e a Venezuela, fogendo do regimem cubano.Todas as pessoas que queriam ir embora de Cuba foram maltratadas, humilhadas,ofendidas com atos e palavras obscenas, e tinham que escrever num documento que eram homossexuais para poder sair do pais,uma chantagem do governo.Foram organizados grupos que passavam horas na frente das casas das pessoas que queriam ir embora.Esses grupos gritavam, jogavam ovos nas portas e nas janelas, escreveram nas paredes palavras obscenas.As crianças foram tiradas das escolas e usadas para participar desses atos,sem elas entenderem bem o assunto,mas tinham que gritar.Os trabalhadores foram forçados a parar o trabalho e participar.Para o governo era importante que todas as áreas da sociedade participaram, para mostrar ao mundo que o que acontecia tinha uma rejeição popular.Deixaram as casas dessas pessoas sem água e sem energía.Foi uma guerra contra todos os que queriam abandonar a ilha,e morar em outro pais.Foi terrível a violência verbal e física
Hoje esses atos horríveis e desagradáveis,o desrespeito, e a intolerancia voltaram com as DAMAS DE BRANCO.
Tem vários dissidentes em greve de fome.O jornalista independente e psicólogo Guillermo Fariñas que exige a libertação de 26 presos políticos que estão com problemas de saúde.
O médico Darci Ferrer preso politico, que está doente e exige atenção médica.
O governo cubano, não permite a supervisão de organizações de direitos humanos na ilha,e disse que não existem presos politicos em Cuba

Karen disse...

Não se trata de partidos de esquerda,ou de direita.Não se trata de defender um modelo político,ou um sonho.Trata-se do sofrimento de seres humanos,do sofrimento de um povo que não tem LIBERDADE, direitos, alimentos, sabonetes, casas, roupas.Um povo cujos cidadões são tratados pelo estado como pessoas de segunda classe.
Quando em um país,as pessoas desesperadas se jogam no mar mesmo sabendo que podem morrer,quando os médicos que estão no exterior preferem desertar,mesmo sabendo que o governo os castigará tendo que esperar de 5 a 10 anos para voltar a Cuba e sequestrando seus filhos,(não os deixam sair do país),entre outras coisas, acho que se deve refletir.O povo cubano está sofrendo demais.

Você não achou o fio dental,nem o café descafeinado em Cuba.Você tinha CUC.Imagine uma mãe que não tenha como alimentar o filho que chora de fome, imagine um pai de familia que não tenha como levar comida para a casa, imagine familias que tenham que atender pessoas idosas, imagine uma criança que precissa do calcio e tiram dele o leite aos 7 anos de idade, imagine as pessoas com fome no trabalho, imagine não ter cuecas ou calcinhas decentes, imagine o sofrimento de um povo que não pode se expressar.Tenho certeza que você não conseguiria morar em Cuba com o caderno de alimentos que o governo vende, sem dólares ou CUC, com o salário dos cubanos, morando em uma casa em má condições,e preocupado cada ves que chegue um furacão.
O ser humano precissa expressar o que sente.O cubano tem que engolir o que sente.Não dá para fazer política,sem ter as necessidades humanas basicas resolvidas.Com fome, não dá para pensar direto.A vida dos cubanos é um estresse diário,só pensando que no que está faltando e como resolver a situação.

Os cubanos estão forçados a participar nas manifestações contra os dissidentes,as DAMAS DE BRANCO,etc.
Estão forçados a participar nas atividades do Dia do Trabalho,e qualquer outra atividade política que o governo mande fazer.Não podem dizer não, porque perdem os empregos.Existe um responsável que escreve num documento os nomes dos trabalhadores que estão presentes nas atividades,e assim ter o controle.
Não existem as liberdades individuais.A chantagem, o abuso de poder,o autoritarismo caracterizam ao governo cubano.Os cubanos vivem com duas caras, tentando sobreviver no pais
O governo só tem deixado misérias, pobreza, destruição,a divissão das familias, a frustração de pessoas que queriam estudar e por ser religiosas,ou não concordar com o governo não lhe permiteram estudar na universidade; a frustação de um povo que achou que com a revolução a vida sería melhor.O governo tem deixado sentimentos de impotencia, ódio, violência, vingança entre os cubanos.
Isto e muito mais são os resultados da atitude intransigente de Fidel Castro e a ditadura que existe na ilha.Um país mais pobre.
Tem muito mais para falar ,aqui deixo só um poco da VERDADE sobre Cuba.
Palavras de uma cubana

Karen disse...

Oi Jadson:

Embora tem mais de um mês que você me respondeu, eu vou lhe falar sobre Cuba, os direitos humanos, e os assassinatos na ilha.
Meu comentário não foi gozação, nem manifestação de desinformação.
Eu entendo a razão por a qual você não conhece das torturas, maltratos e assassinatos que são praticados em Cuba. Lá existe um governo totalitário, e jamais a imprensa publicará atos de descrédito ao governo, porque não existe liberdade de expressão. Eu já falei para o Frei Betto, agora falo para você também. É precisso saber a verdade sobre Cuba para depois escrever sobre esse país sem se deixar levar por a paixão dos sonhos dos anos 60. Fazer uma viagem a Cuba e não conhecer o que vedadeiramente acontece na ilha é uma pena. Saiba que Cuba tem sido condenada muitas vezes na ONU por não respeitar os direitos humanos.Também por Amnistia Internacional, e por o Parlamento Europeio. Os cubanos que tem sido vítimas de torturas, denunciam frequentemente o não respeito aos direitos humanos na ilha. São praticadas torturas tanto fisicas como psicológicas. Não são noticias novas as condenas a Cuba Jadson. Hoje vocês podem ver nas condições que se encontram muitos presos políticos que tem sido libertados.

Karen disse...

Quando você disse que nunca ouviu falar de ninhum caso de tortura nem assassinato na ilha, você demonstra que não conheçe a realidade cubana. Eu tenho escrito no seu blog grande parte dessa realidade, mas parece que foi o meu último comentário o mais importante para você, pois você me respondeu. Eu conheço muito sobre Cuba Jadson, o que eu escrevo não é mentira, falo com muita seriedade e emoção sobre Cuba porque minha nacionalidade é cubana e lógicamente não precisso da influência da imprensa brasileira para falar sobre minha terra. Sabe Jadson, quando as pessoas da esquerda se encontram com pessoas que pensam de forma diferente a eles, culpam à imprensa, aos USA, ao consumismo.Ter um criterio contrário é um sinal de ignorância, e falsedade?

Antes de continuar meu comentário devo lhe dizer que a foto que aparece no seu artigo “Como fazer a cabeça do povo”, não é a sede do governo cubano.

Você pertence à geração dos anos 60, que sonhavam um Brasil como a Cuba de Fidel Castro e ainda acha que tudo é maravilhoso na ilha.Jadson o socialismo cubano não deu certo, não deu mesmo. É uma utopia. Fidel Castro colocou a Cuba na miseria, nada funciona bem no país. Acredite.

Karen disse...

Em Cuba são importados o 80% dos produtos que são consumidos. Só são produzidos um 20%. Como pode acontecer isso em um país onde a agricultura é o mais importante?.

O povo cubano foi enganado sempre.Fidel lhe disse ao povo que o país não sería comunista, ele não era comunista. Mas para ter o poder absoluto do país, aceitou o apoio da Rusia e virou comunista.Traiu aos companheiros de luta que lutaram por ter um país democrata, com eleições livres.Para se manter no poder, Fidel Castro eliminou a todos aqueles que não concordavam com ele, fez desaparecer a Camilo Cienfuegos, entre outros muitos.Outros companheiros, como o comandante Huber Matos, ficaram 20 anos na prissão. Quem não concordasse com Fidel Castro, estava condenado e até hoje acontece.
Os funcionários do governo mandam seus dirigentes gritar nas manifestações contra a dissidencia frases como: “As ruas são de Fidel” como se Fidel tivesse comprado as ruas de Cuba,um culto à personalidade.
Muitas das coisas que você conhece de Cuba estão nos livros. O que você viveu em Cuba não foi suficiente para você perceber a realidade. Acho que um encontro com a dissidencia cubana, essa que hoje está em efervescência tivesse sido muito útil na sua viagem. Hoje você teria muito material sobre as torturas, maltratos e assassinatos em Cuba, assim como também teria muito material sobre o uso das drogas, a verdadera situacão da moradia em Cuba, dos hospitais, da prostitução infantil e dos turistas pedófilos que viajam a Cuba na procura do sexo barato.

Karen disse...

Teria informação sobre a humilhação de mulheres cubanas universitárias e professionais que tem que se prostituir para alimentar aos filhos, você teria material para mostrar a corrupção dos policiais, você teria material para mostrar as denuncias dos grupos dos direitos humanos na ilha sobre a represão e os abusos policiais.
Lhe informo que um dos movimentos dissidentes que existem em Cuba chama-se Comisión de Derechos Humanos y Reconciliación Nacional, cujo objetivo é denunciar os abusos, e maus tratos que sofrem os cubanos na ilha.

Cuba não é ninhum paraiso para os cubanos, isso NÃO É VERDADE Jadson. Os cubanos sofrem diariamente ante as carências e necessidades que existem. O pensamento diario dos cubanos é “ o que vou comer hoje”?. Todos os cubanos são pobres por culpa do governo, que não permite a iniciativa privada.E até a situacão da fome em Cuba é vista como um arma que usa o governo, pois quando tem fome, as pessoas só pensam em satisfazer ao estômago.Por gentileza, podem assistir no youtube.com

Karen disse...

“Cuba-miseria de un pueblo”
“Cuba-habla el pueblo cubano en la isla”
“La realidad de Cuba hoy”.
São videos sobre Cuba, para as pessoas interessadas em conhecer a verdadeira situacão do povo cubano. Muitos dos videos são gravados através dos telefones celulares, graças à tecnología o mundo está conhecendo melhor a situacão na ilha.
Graças à divisão da familia, outra situacão provocada por o governo; os cubanos que moram no exterior enviam ajuda frequentemente aos familiares. Dinheiro, alimentos, medicamentos, lâmpadas de luz, baldes, vasouras, torneiras, sabonetes, sabão em pó, tudo.Os cubanos são vestidos e alimentados por os familiares que moram no exterior. Quando recebem dinheiro, muitas vezes as lojas de CUC estão sem produtos, e embora existe o mercado negro, os produtos são muito caros, incluso nos mercados estatais nos quais um amigo comprou 4 pimentos por 30.00 pesos. Uma loucura.
Os ricos, Fidel e Raúl Castro, são donos de varias casas luxosas.Se alimentam de langostas, carne de boi, mariscos, e outros alimentos proibidos para o povo.Eles e os filhos tem varios carros, e vão de ferias a caçar , vivem sem preocupacões, viajam por o mundo. E o povo na miseria por a teimosia de um sem vergonha que sempre esteve interessado no poder, e jamais no seu povo.

Karen disse...

Cuba não dá 10 a 0 em direitos humanos Jadson, por amor de Deus.Você não tem ideia do que está dizendo. Em Cuba se fazem barbaridades. Você não assistiu os vídeos das Damas de Blanco nos meses de fevereiro até maio?. Por gentileza, podem assistir no youtube.com:
“Ignominia a las Damas de Blanco”
“DAMAS DE BLANCO CUBA Policías cubanos apalean y encierran a mas de 30 Damas de Blanco”
“Las torturas de Castro”

É verdade que a escola é de graça, mas as criancas são adoutrinadas o tempo tudo. Elas tem que repetir as frases revolucionárias, seguir ao governo, fazer o que o governo manda e não o que querem fazer, recebem a historia do país cheia de mentiras. E quem está contra do governo, e realiza atividades na oposição não pode estudar

Karen disse...

A saúde pública é gratuita. Nestos momentos está horrível a situacão dos hospitais, todos sujos, em más condições. Os quartos dos hospitais não tem lençóis,( os doentes tem que levar os lençóis de suas casas); não tem agua, os banheiros estão nojentos, a alimentação é terrível.
Se você como turista precissa se tratar, você é atendido num hospital diferente, limpo, organizado, quartos maravilhosos, com ar condicionado e um excelente atendimento, com todos os medicamentos que você precissa e uma alimentação especial. Os cidadões cubanos tem que suportar essas humilhacões do governo. Os estrangeiros recebem um tratamento melhor do que os própios cubanos. Por gentileza, assistam no youtube.com:
“Cuba hospitales (Hijas de Galicias,Luyano)”
“Maria Elvira y las fotos de Mazorra”
“Em Cuba se discrimina a los cubanos”.

Moradia?. Jadson me desculpe, mas você esta completamente por fora sobre Cuba. Como um homem sonhador, você imagina uma Cuba que não existe. A situacão da moradia em Cuba é terrível, sempre tem sido. O governo não tem sido capaz de solucionar a situacão. Imagine que o único bairro novo feito durante a revolução na Havana, chama-se Alamar, hoje é um desastre por a falta de manutenção.

Karen disse...

A Havana está caíndo aos pedaços, e o governo não se importa. Toda ves que cae um predio, o governo constroi no lugar um parque, e assim a gente observa uma Havana cheia de parques. Se a situacão continua assim Havana terá mais parques do que a cidade de Holguin, famosa por a quantidades de parques que tem.
Jadson, você viveu em Cuba durante 8 meses. Você não percebeu a situacão da moradia dos cubanos?. Os cubanos vivem em péssimas condições, paredes com buracos, falta de pinturas, predios que só de olhar a gente sente medo porque podem caer em qualquer momento. As casas estão feias, e na extrema pobreza. As causas?. O governo, que é o dono(não existe propiedade privada) não da manutenção, não vende materiais a preçõs baratos para que as pessoas consertem as casas, o governo não se importa com as condições de vida do povo. Os dirigentes da revolução moram em casas maravilhosas, se alimentam bem, não tem carências. O governo tem outras prioridades que atender como a exportação de revoluções e justificar seus erros culpando aos USA.
E tem mais, existem problemas familiares pois em uma mesma casa você encontra 3 ou 4 gerações de pessoas morando juntas, mesmo que essa casa

Karen disse...

somente tenha um quarto. Assim você encontra que os pais não tem privacidade. Por gentileza, podem assistir no youtube.com
“La vivienda en Cuba-Antunez”
“Cuba, grave situación de viviendas 1 parte”
“Cuba, grave situación de vivendas 2 parte”
“Cuba-escasez de viviendas”

O básico para comer Jadson?.Olha, em Cuba tem muita fome, muita mesma. Não tem alimentos na ilha. Os cubanos ganham um salário miserável. Hoje por exemplo o governo não tem arroz para vender ao povo. E outra coisa, os produtos que o governo cubano vende ao povo são uma miséria, não dá nem para duas semanas, mas são para um mes. Os produtos são: 5 ou 6 libras de arroz, meia libra de feijão preto ou mulatinho, 3 libras de açúcar blanca, 3 libras de açúcar preta, 6 ovos, meia libra de carne moída, meia libra de óleo, um pouco de sal, e um pão diario.Para que se entenda melhor, um kg tem 2.2 libras. Cuba parece um país em guerra, e tem sido assim desde o começo da revolução. As crianças quando fazem 7 anos, perdem o direito de beber o leite.

Karen disse...

Para os velhinhos a alimentação é a mesma que para toda a população. Tem fome em Cuba, e falta de abastecimento.
Nos hotéis, o turista encontra todas as proteínas que os cubanos não tem nas suas mesas. É uma vergonha, e uma humilhação para o povo cubano.
Por gentileza, podem assitir no youtube.com
“Crisis alimentária en Cuba parte 1”
“Crisis alimentária en Cuba parte 2”

Cuba não tem analfabetos, é verdade. É por isso que os cubanos sabem diferenciar bem as coisas ruins das coisas boas.

Tem drogas em Cuba sim, e não estão sob controle Jadson. Muitos cubanos preferem beber para não pensar. Além do álcool, os cubanos consumem marconha e também cocaína. É só procurar, que você acha as drogas em Cuba. Podem assistir alguns vídeos no youtube.com
“Maria Elvira Live, venta de droga en Cuba y prostitución”
“Prostitución en Cuba. Parte 1”
“Prostitución en Cuba. Parte 2”.

A criminalidade é baixa, mas tem assaltos.

Karen disse...

Existe muita carência, as pessoas estão cansadas da situacão, com fome, sem roupas, sapatos, sem saber como alimentar aos filhos, ou como resolver uma peça para a televisão ou a geladeira que quebrou, ou como ter dinheiro para comprar uma vasoura, que custa 50.00 M.N (moeda nacional), ou como resolver o leite para alimentar aos avós que estão doentes. Os cubanos estão sempre pensando como resolver dinheiro para alimentarse, e quando tem dinheiro, então pensam como resolver um pouco de comida. Essa é a vida dos cubanos, baixo uma forte repressão do governo que usa a força com qualquer pessoa que não concorde com o que está acontecendo e expresse suas opiniões.O povo vive com muito medo. Se queixar da situacão significa estar contra a revolução e prissão para qualquer pessoa.

Torturas?. Jadson você não ouviu falar de tortura em Cuba nos últimos 51 anos?.Caro Jadson,você não ouviu falar sobre o acontecido há uns meses com as Damas de Blanco?.Você não viu as imagens?. Foi a primeira ves que o mundo viu o que era capaz de fazer o governo cubano, graças a tecnología, essa que Fidel Castro jamais quis que o povo tivesse. Hoje, os vídeos com os maus tratos a mulheres indefensas tem sido vistos por muitas pessoas no mundo, e até aqueles que sempre defenderam ao governo se solidarizaram com o povo cubano. Entre eles o diretor de cinema espanhol Pedro Almodóvar, a atriz espanhola Ana Belén, o cantor espanhol Victor Manuel, o escritor peruano Mario Vargas Llosa e muitas outras celebriadades. Eles apoiam a dissidencia e a luta por a libedade e não acreditam no governo abusador, e totalitário dos irmaos Castro

Karen disse...

Exemplos de pessoas torturadas há muitos, desde que os revolucionários tomaram o poder na ilha fusilaram e torturaram a todos os opositores sem fazer processos judicias decentes. Um dos protagonistas destes fusilamentos foi o médico Ernesto Che Guevara, que virou um ídolo em Latinoamérica, mas foi conhecido como um dos verdugos nos fusilamentos em Cuba.
Podem assistir no youtube.com
“Cuba. Muere asesinado Orlando Zapata Tamayo. Preso de conciencia”
“Muere un preso político cubano tras pasar 85 días en huelga de hambre, testimonio de la madre
”Un ejemplo de abuso policial en Cuba”
“CUBA Madre anciana y prisionero político en huelga de hambre”

Muitos companheiros de Fidel Castro que perceberam que a Revolução seguia um rumo diferente, quando falaram que não concordavam com o que estava acontecendo, foram levados a prissão a cumprir longas condenas

Karen disse...

como o comandante da Revolução Huber Matos, Gustavo Arcos Bernes, entre outros.
Camilo Cienfuegos (comandante preferido do povo) , desapareceu misteriosamente no mar.
Desde os anos 90 a dissidencia em Cuba ganhou força devido às mudanças na Europa do Leste. No ano 2003, 75 jornalistas independentes como você Jadson, foram levados à prissão e torturados por assinar o projeto Varela, o qual pede um plebiscito em Cuba. As Damas de Blanco são as esposas, filhas, mães destes jormalistas. Entre eles estã o médico Oscar Elias Biscet, condenado a 25 anos só por ser dissidente.
Existe outro médico, Darci Ferrer quem foi libertado há uns dias.
Orlando Zapata Tamayo, quem morreu em fevereiro depois de uma greve de fome, foi torturado e sometido a uma greve de sede durante 18 dias.
Todos os presos políticos em Cuba são sometidos a torturas Jadson. O psicólogo e jornalista independente Guillermo Fariñas, quem terminou uma greve de fome de 135 dias na qual pedía ao governo a libertação de 26 presos políticos que estão doentes, também foi torturado as 3 vezes que esteve preso.

Karen disse...

Outro ex preso político torturado e em perigo nestes momentos é Ariel Sigler Amaya, outro jornalista que no ano 2003 foi condenado a 20 anos, e que não recebeu atenção médica rápida na prissão quando ficou doente. Ariel Sigler Amaya era um homem de 90 kgs de peso, forte, esportista, campeão de boxe e saudável. Hoje Ariel é um homem destruído por as torturas, os maus tratos, a má alimentação na prissão, e as doenças que pegou lá.
Tem umas semanas que Ariel foi libertado devido á pressão da greve de fome de Fariñas, a pressão internacional, e da igreja cubana. O governo pouco se interessa por a vida dos dissidentes.
No youtube.com

“Testimonios de familiares del prisionero de conciencia cubano Ariel Sigler Amaya 3ra Parte”

“Miguel Sigler Amaya, hermano de Ariel Sigler Amaya pide ayuda para salvar la vida de su hermano”

“Excarcelado Ariel Sigler, Preso Político”

Karen disse...

Jadson, para você e para outras pessoas interessadas no assunto Cuba, lhe ofereço algumas formas de conhecer mais sobre essa ilha.
O jornalista espanhol Vicente Botin publicou um livro chamado “Los funerales de Castro”, e recentemente outro livro chamado “Raúl Castro: a pulga que cabalgó el tigre”. Vicente Botín trabalhou durante 38 anos na Televisão Espanhola em programas como Informe Semanal e En Portal. Ele conhece muito bem América do Sul. Ele é o autor de mais de uma centena de reportagens na região. No ano 1999 trabalhou como jornalista na TV, na Argentina e outros países de América do Sul. Desde janeiro de 2005 até outubro de 2008, ocupou o mesma função na Havana, desde onde, entre outros acontecimentos, informou da doença de Fidel Castro e o nome do irmao Raúl para lhe substituir. De sua experiência na ilha caribenha, escreveu o livro “Los funerales de Castro”, um retrato crítico da revolução e das terríveis condições de vida dos cubanos depois de meio século de ditadura.

A senhora Juanita Castro, irma de Fidel e Raúl Castro escreveu um libro que foi publicado em outubro passado chamado "Fidel y Raúl, mis hermanos:La historia Secreta”, no qual fala da familia dos Castro, e do comportamento de Fidel Castro.

Karen disse...

Uma das melhores médicas cubanas, e ex diretora do Centro Internacional de Restauração Neurológica(CIREN), a senhora Hilda Molina, foi sequestrada por Fidel Castro, quem não lhe permitia viajar para se reunir com a familia na Argentina. Fidel falou para a médica que cérebro dela era propiedade da revolução.
Hilda Molina escreveu um livro chamado “Mi Verdad” , no qual fala da revolução cubana e sua decepção com a mesma.

As pessoas interessadas em saber mais sobre Cuba podem pesquisar sobre Carlos Alberto Montaner, escritor e jornalista cubano.

Existe uma campanha de identificação das pessoas que estão maltratando aos dissidentes cubanos. A ideia é levar elas em um futuro aos tribunais para que paguem por os maus tratos, abusos e torturas aos cubanos, como mesmo aconteceu na Argentina e outros países que foram vítimas de ditaduras.
Para ver informacões sobre a campanha de identificacão de aqueles que agredem aos dissidentes, podem assitir no youtube:
“Los Rostros de los represores en Cuba, campaña en Miami ’’

Karen disse...

“Los Rostros de los represores en Cuba, parte 2”

Igual que na antiga Europa do Leste, o socialismo em Cuba é um FRACASSO. A economia, a sociedade, TUDO ESTÁ DESTRUÍDO. O país governado por mais do 90 porcento de pessoas com 80 anos, ou mais.
Hoje Cuba está muito pior que em 1959 quando chegou a Revolução, até a industria açucareira é reconhecida como a pior desde 1910. A Revolução só tem deixado destrução, pobreza, repressão, injustiças, falta de liberdades, fome, torturas, infinidades de presos políticos, abuso de poder, divisão de familias, tristezas, dor. Até as glorias cubanas do esporte hoje vivem na mais absoluta miséria.
LIBERDADE PARA OS CUBANOS !

Anônimo disse...

Essa semana o governo cubano não lhe permitiu á blogueira cubana Joani Sánchez viajar ao Brasil.
Sánchez foi convidada ao festival de documentários no Jequié, na Bahia, onde se estreará o documentário Conexão Cuba Honduras, de Dado Galvão; que conta a persecussão que sofrem os blogueiros de Cuba e da Honduras.
As autoridades brasileiras enviaram a Sánchez uma carta de convite para assistir ao festival.Sánchez não tem antecedentes criminais, e está tudo bem com o passaporte dela.
O senador Eduardo Suplicy e o governador da Bahia Jacques Wagner, do Partido dos Trabalhadores, tentaram que o governo cubano permitesse a viagem de Sánchez,mas Cuba não quis.Mais uma prova da falta da liberdade que sofrem os cubanos.

Arquivo do blog