Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

quarta-feira, 23 de março de 2011

Baianos dizem não à energia nuclear

Para não dizer que não falamos do  Japão e da água, reproduzimos texto da jornalista Zoraide Vilasboas:

No belo entardecer da Praça Castro Alves, na capital baiana, “o poeta dos escravos” testemunhou uma comovente homenagem ontem, quando milhares de participantes do XI Grito da Água fizeram um minuto de silêncio em solidariedade às vitimas do terremoto japonês e aos afetados pela contaminação radioativa da usina atômica de Fukushima, que já alcança países da Europa e dos EUA. Na praça, cantada em prosa e verso, símbolo e cenário de episódios importantes da história e da cultura da Bahia, foi encerrada a manifestação do Dia Mundial, Estadual e Municipal da Água, que busca conscientizar a sociedade para abraçar as lutas “em defesa da água e do meio ambiente”.




Explosão na Usina Nuclear de Fukushima

Ali também, mais uma vez, dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores em Água Esgoto, promotor do evento, destacaram a grave situação dos baianos de Caetité, afetados pela única mineração de urânio em operação no Brasil, onde se produz a matéria prima para a fabricação do combustível das usinas atômicas do Rio de Janeiro. Por causa da catástrofe nuclear japonesa, cujas conseqüências ainda estão sendo calculadas, o Grito da Água funcionou como um levante contra o uso da energia nuclear no Brasil. As falas antinucleares e em defesa da exploração de energias limpas e renováveis começaram no  inicio da manifestação, em frente ao Teatro Castro Alves, no Campo Grande, prosseguindo durante a caminhada por ruas do centro da cidade até o ponto final do ato.

Animada por dois carros de som, com presença marcante de muitos jovens, crianças, estudantes, baianas, bonecos gigantes, representantes de diversas organizações e movimentos sociais da capital e do interior, os manifestantes se posicionaram, com vigor, contra a usina nuclear na Bahia. Este foi o tema predominante durante a caminhada, que salientou a preocupação das populações de Caetité com a insegurança da mineração, a contaminação da água e do solo e o aumento dos casos de câncer na região e dos prejuízos sócio ambientais.


O que acontece no Japão hoje, infelizmente tendo como pano de fundo uma extraordinária tragédia humana e econômica, representa um dramático alerta para toda a humanidade sobre os perigos da energia nuclear. Os manifestantes desfilaram com um imenso balão com inscrição contra a implantação de usina nuclear na Bahia e uma faixa complementando que os baianos não querem “este perigo”.



Zoraide Vilasboas
Coordenação de Comunicação
ASSOCIAÇÃO MOVIMENTO PAULO JACKSON-Ética,Justiça,Cidadania ______________________

3 comentários:

Mônica Bichara disse...

Belo texto de Zozó.
Por onde anda essa criatura que eu não vejo. Dê as caras no Pilha, garota. Beijão

Anônimo disse...

São nesses momentos em que questiono o discurso de que a energia nuclear seria uma fonte de energia limpa, mas a que preço? Já que como foi mostrado no Japão, a força da natureza transcende a razão humana.

Simoa Borba disse...

Me atrapalhei no comentário daí de cima e acabou saindo anônimo.

Arquivo do blog