Quem somos

Quem somos
O blog de Joana D'Arck e pilheiros

sábado, 17 de março de 2012

Nem Grande consegue descolar Juventino (Delírios 3)

- Hoje à noite a turma vai lá no Tabaris, tem umas espanholas que chegaram aí que são um arraso. Mas você, Juventino, não vou nem chamar, sei que você não é de nada, também já tá na segunda cerveja. Ô, Ricardinho, não disse que não ia mais servir a segunda cerveja pro Juventino?
- Ô, Grande, não atiça não, você que é meu colega lá da seção de tecidos da Florensilva, lhe considero tanto... Mas não precisa me chamar mesmo não, tô sem dinheiro, também nem adianta. Lembra aquela vez que tirei aquele dinheirinho no jogo do bicho e vocês me levaram lá naquele bar da Barra, aquele onde anda o pessoal do Bloco do Barão? Você chamou uma amiga sua, disse que era pra mim... pra mim uma ova. Ela passou a noite toda me evitando, só olhava pra você e prum outro cara lá... também era uma mulher bonita e alta, mais alta do que eu, não tá vendo que não ia dar certo? Ela nem olhava pra mim, eu puxava assunto com ela e ela parecia que nem me escutava, que vexame meu amigo, minha mãe é que tava certa, me dizia sempre, Juventino, fique no seu canto, você não nasceu para grandes saltos.
- Porra, Juventino, já começou a choradeira do sábado à tarde? Eu já tentei lhe botar no bom caminho, mas parece que você não tem jeito não. As mulheres gostam de homem pra cima, de bem com a vida, você só de olhar se vê logo, foi a Lisbânia, me lembro, ela mesma me disse: “ah, Grande, sinto muito, mas aquele seu colega não dá, tem cara de enjeitado, me desculpe”. Já lhe falei não sei quantas vezes como se faz pra pegar uma garota, mas não adianta, você não toma jeito, se você andasse mais comigo talvez você aprendesse, mas você só quer ficar aqui nessa merda de bar, aqui nesse Relógio de São Pedro, é da Florensilva praqui e daqui pra pensão lá da velha Lila, o “Palace Lila”, já lhe disse, você vai secar de tanto bater punheta, como é que um homem de quase 30 anos nunca pegou uma mulher, parece mentira, quando falo ninguém acredita. Siga meu exemplo, Juventino, nós somos colegas, ganhamos a mesma coisa lá na Florensilva, mas eu tô sempre aí numa boa. Já lhe contei porque é que me chamam Grande? Já lhe contei? Pois é, a turma lá da minha terra, de Seabra, na Chapada Diamantina, uma beleza a Chapada, os colegas que terminaram o Ginásio e vieram pra capital, pois então, a turma vivia choramingando assim como você, naqueles arroubos de nostalgia, tinha um, o nego Robério, gente boa! que quando bebia chorava e só faltava arrancar os cabelos da cabeça, “ai, minha Seabrinha de Deus!” Eu não, eu tô em outra, aí eu dizia: “Comigo não, comigo é diferente, esse negócio de Seabra pra mim já era. Eu é daqui pro Rio e do Rio pra Paris”. Por isso eles começaram a me chamar de Grande.
- Ah, Grande, mas você é grande mesmo, gosto de conversar com você, quando você toma uma comigo aqui eu me sinto mais animado. Mas é que você é grande, alto, cabelo meio alourado, branco, você tem jeito de lidar com as mulheres, pra mim é diferente... só se eu tirasse um Sinca Chambort lá no programa de César de Alencar, da nossa Florensilva, grande Florensilva de seo Florentino... aí você ia ver... o Ricardinho lhe contou sobre a loura farmácia paulistana da semana passada? Quase que dessa vez eu descolo... mas terminou não dando certo, um azar da porra...
- Iiiiiih, Juventino, você não tem jeito, tô tentando lhe animar, mas... queta Juventino, sábado que vem tem mais Juventino... ô, Ricardinho, chega aqui Ricardinho.
          

Um comentário:

Joana D'Arck disse...

Há, Juventino! Você precisa de umas dicas do Pereirinha, o diabo louro que tem fama de vender o bem o peixe.

Arquivo do blog